Imprimir este capítuloImprimir este capítulo

STIS 2017

9. Outubro: formação de professores, software livre e robótica

9.1. registro outubro

Registro da Conferência em chat escrito, de 25 de outubro de 2017:

 

 Formação de professores e o uso de softwares livres na Rádio Faced Web
conferencista: Profª. Esp. Luciana Santos Oliveira

Inovação na Educação: Como usar as tecnologias abertas e a Robótica Livre na sala de aula
conferencista: Profª. Esp. Débora Garofalo

 

 

moderador: Equipe STIS

 

 

[19:49] <acris> Boa noite a todos e todas!
[19:49] <acris> É com imensa alegria que venho, em nome do Grupo STIS - SEMINÁRIOS TEÓRICOS INTERDISCIPLINARES DO SEMIOTEC e da profª Drª Ana Cristina Fricke Matte, dar boas -vindas a todos vocês que nos honram com sua presença: conferencistas e participantes
[19:49] <acris> O Stis é um programa de conferência realizado na penúltima semana de cada mês de março a dezembro, congregando pesquisadores do Brasil e do exterior em torno do tema educação livre e democrática.
[19:49] <Heloisa> Boa noite a todos e todas!
[19:50] <acris> O STIS, a Revista Texto Livre, o UEADSL e o EVIDOSOL/CILTEC são pés do programa polvo denominado TEXTO LIVRE do CNPq, coordenado pela Profª Drª Ana Cristina Fricke Matte.
[19:50] <acris> Ao longo desta caminhada o STIS tem se firmado como um canal democrático de divulgação das pesquisas relevantes que estão sendo desenvolvidas no Brasil e no exterior.
[19:50] <acris> Na verdade, nós do grupo STIS, temos muito que comemorar, pois, neste curto período de tempo, o STIS já promoveu 24 eventos, com a presença de ilustres pesquisadores
[19:50] <acris> tais como: Luis Gonçalves (Princenton University); Carla Viana Coscarelli (UFMG), Luiz Tatit (UNICAMP), Almeida Filho (UNB), Brian Street (Kings College/Londres), Julio Paz (Argentina), dentre outros.
[19:50] <acris> Também divulgamos o STIS em dois eventos internacionais ocorridos: CLAFP / Brasília e no 19º Intercâmbio de Pesquisa em Linguística Aplicada (19º InPLA) e 5º Seminário
[19:50] <acris> Internacional de Linguística (5º SIL), este último como convidados do Prof. Marcelo Buzzato. Para que este trabalho se concretize a cada mês contamos com a colaboração voluntária de uma equipe fantástica de seres humanas altruístas
[19:50] <acris> que compartilham da mesma concepção de que as mudanças na nossa sociedade só acontecerão através do acesso a educação para todos.
[19:50] <acris> Assim, mais um ano de trabalho, de conferências extraordinárias, de encontros de saberes e rica de experiência se inicia hoje no STIS. Com ele, novas ideias,  novos projetos, novos expectativas, anseios e vontade de compartilhar o fazer
[19:50] <acris> educação de forma democrática, ou seja, com acesso gratuito a todos os interessados. Este ano o GRUPO STIS tem desejos que almejamos concretizar: ampliar ainda mais nossas parceiras com instituições
[19:51] <acris> educacionais e não educacionais que queiram, como a gente, dar acesso ao conhecimento a quem desejar recebê-lo.
[19:51] <acris> Para que o STIS apresente a vocês as melhores conferências e os melhores conferencistas (claro!), contamos com uma equipe formada por 12 membros voluntários, que trabalham
[19:51] <acris> incansavelmente com amor, consciência e dedicação a uma só causa: fazer a diferença no mundo por meio da educação.
[19:51] <acris> isso é Adelma : Quero agradecer publicamente à Profª Drª Ana Cristina Fricke Matte, idealizadora de todo Projeto Texto Livre, do qual o projeto STIS é uma de suas crias. Agradeço pela confiança em
[19:51] <acris> mim depositada para coordenar este valioso projeto e ao meus/minhas membros da equipe STIS, que voluntariamente nos ajuda a fazer este evento acontecer.
[19:51] <acris> Farei agora uma breve apresentação de nossas conferencistas convidadas. Nossas duas conferencistas convidadas são:
[19:51] <acris> Débora Denise Dias Garofalo, mestranda em Lingüística aplicada em letramento digita pela PUC/SPl, formada em Letras e Pedagogia com pós-graduação em Língua Portuguesa.
[19:51] <acris> Tem 12 anos de experiência como professora da rede Pública de São Paulo atuando no Ensino Fundamental I, II, Médio e em Educação para Jovens e Adultos. Atualmente na rede
[19:52] <acris> Municipal de Ensino de São Paulo como Professora Orientadora de Informática Educativa, onde se dedica a realizar trabalho transdisciplinares envolvendo trabalhos
[19:52] <acris> com Softwares livres, Cultura Maker, Robótica com sucata e animações. É colaboradora da Revista Nova Escola. Possui trabalhos publicados pelos sites SME/ SP,
[19:52] <acris> Geekie, Revista Galileu, Revista Nova e Porvir, onde nesse último, participou da produção do guia mão na massa.
[19:52] <acris> Ontem teve seu trabalho reconhecido pela Associação Comercial do Estado de São Paulo pelo seu trabalho realizado na rede pública.
[19:52] <acris> Parabéns, Débora! Homenagem justíssima!
[19:52] <acris> Nossa segunda conferencista convidado é a Profª Drª Luciana Oliveira que é graduada em Pedagogia pela Universidade Federal da Bahia (2010).
[19:52] <debora> Muito obrigada! Uma honra estar com vocês.
[19:52] <acris> Especialista em Educação do Campo e Desenvolvimento Territorial Sustentável pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (2013). Professora da Rede Municipal de Educação de Salvador. Coordenadora dos Projetos ÉduCANAL/ Rádio Faced Web da Universidade Federal da Bahia (UFBA).
[19:52] <acris> Integrante da equipe gestora do Projeto TECSOL - Tecnologias Sociais para a Inclusão Digital e o Desenvolvimento da Economia Solidária. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade na Universidade do Estado da Bahia produzindo o trabalho
[19:52] <acris> com o título: A RÁDIO WEB FACED ESTÁ NO AR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO EDUCADOR. Realiza pesquisas sobre software livre em contextos urbano e rural.
[19:53] <acris> É uma honra recebê-las  prof ª Débora Garofalo e a Profª Luciana Oliveira, como conferencistas convidados,  em nossa sala virtual.
[19:53] <acris> Sejam vem-vindas!
[19:53] <acris> A todos os participantes do Brasil e do exterior, gostaria de agradecer em nome de toda a equipe pela suas honrosas presenças. É um prazer tê-los conosco nesta noite de quarta-feira.
[19:53] <acris> Obrigada por nos ajudar a fazer do STIS uma ação concreta de democratização da educação de todos e para todos.
[19:53] <acris> Passarei a palavra neste momento a moderadora deste evento, a profª Drª Ana Cristina Fricke Matte, que explicará em detalhes o funcionamento de nossa conferência virtual.
[19:53] <acris> Obrigada, sejam bem vindos e um ótimo evento a todos!
[19:53] <acris> bem, agora com vocês... eu mesma :D
[19:53] <acris> Boa tarde, a todos!
[19:53] <acris> para quem participa pela primeira vez, teremos 30 minutos de apresentação
[19:53] <acris> a apresentação acontece apenas por escrito, no chat, ou seja, não há vídeo nem áudio
[19:53] <acris> durante esse tempo, a sala estará moderada, ou seja,
[19:53] <acris> Isso quer dizer que ao darmos voz aos apresentadores tudo o que as outras pessoas escreverem não será visto pelos conferencistas, mas apenas pelos pelo operador, o que impede interrupções para quem está acompanhando a comunicação.
[19:54] <acris> Mas após a conferência, abriremos a sala para perguntas do s participantes, sugestões e discussão geral das ideias expostas
[19:54] <acris> Caso o conferencista façá uso de slides em sua apresentação o código para os slides será indicado no início de cada apresentação
[19:54] <acris> Basta inserir o código à direita da janela, depois de escolher o tipo de atendimento: “apresentação de slides”
[19:54] <acris> Vocês podem regular o tamanho do chat e slides ajustando a coluna vertical entre as partes (ao meio desta página de internet)
[19:54] <acris> Esse STIS está, se me permitem a liberdade, um tesão:)
[19:54] <acris> Desejamos excelentes conferências a todos!
[19:54] <acris> a professora uciana já chegou?
[19:54] <acris> Luciana
[19:55] <acris> ok,
[19:55] <acris> Para começar,
[19:55] <acris> vamos assistir a conferencista Débora Denise Dias Garofalo, com o trabalho "Inovação na Educação: Como usar as tecnologias abertas e a Robótica Livre na sala de aula".
[19:55] <acris> professora debora, pode começar, por gentileza.
[19:55] <acris> Obrigada, de antemão por ter aceito o convite do STIS
[19:55] <debora> Muito obrigada, é uma honra estar aqui.
[19:56] <acris> pode começar, debora
[19:56] <debora> Para iniciarmos, gostaria de escrever uma frase do grande Parpet
[19:56] <debora> Como lidar com desafios [...] Precisamos adquirir habilidades necessárias para participar da construção do novo ou então nos resignarmos a uma vida de dependência. A verdadeira habilidade competitiva é a habilidade de aprender. Não devemos aprender a dar respostas certas ou erradas, temos de aprender a solucionar problemas”. Seymour Papert
[19:57] <debora> E baseada nesse mestre. Eu tinha um problema social com os meus alunos.
[19:57] <debora> o Lixo e do outro lado a tecnologias.
[19:57] <debora> E como agregar ambos para resolver?
[19:58] <debora> Sem recursos de materiais de alta tecnologia?
[19:58] <debora> A resposta veio do lixo?
[19:58] <debora> E assim começa a minha prática pedagógica em sala de aula.
[19:59] <debora> Para contextualizar, irei brevemente relatar a comunidade onde leciono.
[19:59] <debora> A E.M.E.F Almirante Ary Parreiras, está inserida em uma comunidade muito carente, com ausência de saneamento básico, onde constantemente existem alagamentos, ocasionados pelo descarte de lixo em local impróprio, sendo esse, um dos grandes problemas sociais da comunidade.
[19:59] <debora> Em paralelo, os discentes do Ensino Fundamental II, apresentavam grande defasagem na área do conhecimento de matemática, revelada por avaliações externas e internas.
[20:00] <debora> A ideia de desenvolver o projeto surgiu das reflexões acima, e de oportunizar o aluno a encontrar uma solução para o problema do lixo, através do uso reflexivo das tecnologias, propiciando sensibilização da reciclagem e da reutilização de materiais, exercitando o ensino de matemática na prática, ao transformar o lixo em robótica com sucata, usando as tecnologias como estratégia, ao reconhecer nela o poderoso instrumento par
[20:00] <debora> ofertado em forma de experimentação, através da mão na massa em busca da autoria e do protagonismo juvenil e da construção da sua própria aprendizagem.
[20:01] <debora> Os objetivos estabelecidos foram conceituar o ensino de matemática na prática, através de um detalhado diagnóstico, para verificar as dificuldades das turmas, oportunizando sensibilização dos alunos e dando voz a eles, para que pudessem esclarecer aos moradores da comunidade
[20:01] <debora> a importância de reciclar o material ao invés de descartar no córrego e ou as margens dele, associando o currículo ao desenvolver protótipos com funcionalidades especificas ao tirar esses materiais da rua e trazê-lo para dentro da sala de aula, transformando em objetos de aprendizagem, criatividade e inventividade.
[20:01] <debora> A ideia foi construir um fazer pedagógico que privilegiasse a dificuldades dos alunos mencionadas, e que beneficiasse o entendimento desse currículo na prática, promovendo a interdicisplinaridade através da criatividade e inventividade baseada em projetos, na investigação cientifica
[20:02] <debora> ao envolver as tecnologias para a construção de protótipos, de forma envolvente e significativa e que despertasse o protagonismo. Como reza a Base Nacional Comum Curricular em uma de suas competências “Utilizar Tecnologias digitais de comunicação e informação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas do cotidiano (incluindo as escolares) ao comunicar, acessar e disseminar informações, produ
[20:02] <debora> O projeto foi estruturado em quatro pilares: sentir, imaginar, o problema, encontrando uma solução a ele fazer, aplicar solução através da reciclagem e construção de protótipos e compartilhar os aprendizados em feiras e exposições, extrapolando os tirocínios ao ocupar outros territórios educativos.
[20:03] <debora> Oferecer condições para que os alunos aprimorem as suas habilidades e competências ligadas ao currículo de matemática e ao uso das tecnologias. Sensibilizar e mobilizar os alunos para mudança de hábito referente ao lixo e a reciclagem.
[20:03] <debora> Capacitando-os para serem multiplicadores de boas práticas junto à comunidade. Introduzir e ampliar o conhecimento da matemática ao trabalho de robótica, elaborando construções robóticas, de maneira a realizar experimento, levantando e testando hipóteses, aguçando a curiosidade, trabalhando com resolução de problemas ao alavancar criatividade e inventividade com trabalho de equipe.
[20:05] <debora> E novamente me aprofundando de Parpet e Resnick
[20:05] <debora> Analogamente, ser digitalmente fluente não é apenas saber como usar ferramentas tecnológicas, mas também saber como construir coisas significativas com elas”
[20:06] <debora> Era necessário construir coisas significativas na escola, usando a tecnologia como uma estratégia de ensino.
[20:07] <debora> De forma a proporcionar interesse pelas aulas e pela construção da própria aprendizagem.
[20:07] <debora> Na sequência foi estruturar as etapas de trabalho.
[20:08] <debora> Onde o projeto foi realizado, junto às séries do 6º ao 8º ano, dentro da disciplina de Informática Educativa.
[20:08] <debora> Minha disciplina na PMSP.
[20:09] <debora> Vale dizer que é uma disciplina do currículo da PMSP, sem avaliações e conceitos, mas que existe para apoiar as áreas do conhecimento.
[20:09] <debora> E conceber a aprendizagem de uma forma diferenciada.
[20:10] <debora> Acredito muito que a tecnologia é uma propulsora a aprendizagem, quando a utilizamos contextualizada com a realidade dos discentes.
[20:10] <debora> Dessa forma foram realizada 6 etapas:
[20:11] <debora> 1º Etapa: Diagnóstico inicial, que consistiu em três etapas: observação, roda de conversa sobre o uso das tecnologias e a questão social do lixo, permitindo que eles se colocassem, para mediar essa conversa foi estabelecido um roteiro, realizado por mim e avaliação diagnóstica de matemática, para conhecer os conhecimentos prévios
[20:11] <debora> envolvendo questões norteadoras de matemática e aplicado através do google forms, de forma online, que permitiu que todos os alunos respondessem, gerando de maneira instantânea o resultado para conversa e próximos passos
[20:12] <debora> Dessa forma, realizarmos algumas aulas externas, pela comunidade, da Vila Babilônia, para que os alunos pudessem sentir e imaginar o problema. Fotografamos pontos críticos da comunidade e recolhemos materiais reciclados como: garrafa plástica, tampinhas, canudos, palitos, brinquedos quebrados, papelão, rolinhos, levamos estes materiais para a escola para que pudessem sentir e imaginar qual a intervenção poderia realizar
[20:12] <debora> Conversamos com moradores da comunidade, sensibilizando-os sobre a questão de descartar o lixo em lugar adequado e realizamos um ofício a Prefeitura Regional do Jabaquara para cuidar e zelar pelas áreas públicas necessitadas do bairro, utilizando carta formal e os conhecimentos de Língua Portuguesa
[20:12] <debora> exercendo, dessa forma, a cidadania através do uso social da língua. Elegemos um grupo de alunos para acompanhar as reivindicações junto ao poder público.
[20:12] <debora> Trabalhamos os conteúdos de ciências, ao estudar o meio ambiente, e o problema do lixo, os danos causados com alagamentos e doenças, pensando em soluções para melhorar essa situação, criando campanhas, e se apoiando ao uso dos canais de comunicação da escola e das redes sociais, além da conversa realizada pessoalmente.
[20:13] <debora> Enfatizamos as pessoas a importância dos 3R (reciclar, reutilizar e reciclar). Em geografia, trabalhamos a questão do córrego e também da mina de água existente, estudando o que é um lençol freático e os cuidados com a água e especificamente com a mina de água, já que ao visita-la, presenciamos uma grande quantidade de lixo ao entorno.
[20:13] <debora> Dessa forma, em cima de um problema social, consegui realizar o link com a realidade e trabalhar a interdisciplinariedade na prática
[20:14] <debora> ao transformar tudo isso em robótica livre
[20:14] <acris> (10 minutos)
[20:14] <debora> Não tendo a necessidade de utilizar kits especializados.
[20:15] <debora> A tecnologia é isso, ela é livre.
[20:15] <debora> 2ª Etapa: Consistiu em estimular e aguçar a criatividade dos alunos, trabalhando o currículo de matemática com os materiais arrecadados na comunidade, ao trabalhar o conceito de robótica com sucata.
[20:15] <debora> E baseado nessa experiência, Indaguei a eles o que era possível construir, provocando-os chegarem ao carrinho. O interessante desta atividade foi ver que nenhum carrinho ficou igual e ao finalizarem, foram imediatamente para o chão testar os protótipos.
[20:15] <debora> 3º etapa: Esta etapa iniciou com desafio, de aguçar os discentes a serem protagonistas, a fazerem os seus próprios protótipos, um dos princípios que orientou a sistematização e a operacionalização do projeto foi à crença no protagonismo dos alunos, elevando dessa forma a autoestima.
[20:16] <acris> ele tava falando comigo antes
[20:16] <debora> Participamos de feiras, apresentações, abrimos a portas das escolas, ganhei parceiros.
[20:16] <debora> O resultado foi a integração da escola e da comunidade.
[20:17] <debora> 4º etapa: Foi aprofundado com os alunos noções de elétrica, circuito aberto, circuito fechado para que eles pudessem ampliar os conhecimentos adquiridos e avançar na aprendizagem e que continuasse a desenvolver o protagonismo, ao iniciar a realizar trabalhos fora a escola, trazendo apenas para dúvidas nas aulas.
[20:17] <debora> 5º Etapa: Nessa etapa, foi aumentando os desafios na elaboração dos protótipos e das quatro operações matemáticas, envolvendo também sucata de eletrônicos como fonte de inspiração.
[20:18] <debora> 6º Etapa: Esta etapa foi uma retomada das anteriores para refletir e analisar os trabalhos realizados, e se aprofundar nos conhecimentos científicos, verificando como o projeto vem transformando a realidade e com as crianças conseguiram atingir os objetivos de matemática e também como podemos ampliar o trabalho.
[20:18] <debora> Realizamos novas aulas externas e fomos verificar a questão do lixo que reduziu, mas que ainda continua sendo descartado em local inapropriado, onde alunos resolveram fazer nova ação na escola, traduzindo em números a quantidade de material retirado da comunidade, convidando a população a refletir sobre esta questão.
[20:18] <acris> (5 minutos para terminar)
[20:19] <debora> O Resultado disso
[20:19] <debora> Ao colocar em prática a aprendizagem através da experimentação, os alunos puderam exercitar a criatividade, inventividade, autonomia, raciocínio lógico e capacidade de resolver problemas. O projeto proporcionou de maneira simples e acessível que a educação aconteça em diversas áreas do conhecimento. Em especifico, no caso da nossa comunidade, ajudou a dar voz a 600 alunos e a realizar conexões em trabalhos interdisciplinare
[20:19] <debora> reconheçam e assumam o seu lugar na sociedade, despertando para uma aprendizagem prática e desenvolvendo o pensamento cientifico crítico e criativo ao ocupar territórios educativos e espaços na sociedade.
[20:20] <debora> Esse ano participei da SXSWedu
[20:21] <debora> o maior evento de inovação e tecnologia que ocorre nos EUA.
[20:21] <debora> Onde o recado era claro.
[20:21] <debora> Ted Fujimoto, consultor em inovação na Educação, defendeu que é possível fazer grandes coisas com baixos recursos durante o painel Computer Sciences Best Practices (“Melhores práticas em ciência da computação”)
[20:21] <debora> É isso que acredito, que podemos fazer muito com pouco
[20:22] <debora> e abrir portas através da tecnologia, concebendo uma aprendizagem com experimentação e mão na massa.
[20:22] <debora> Muito obrigada.
[20:22] <acris> que lindo!
[20:23] <acris> Muito obrigada, Débora, seu trabalho é incrível! Quisera eu ter sido tua aluna :)
[20:23] <acris> por favor, guardem suas perguntas para o final.
[20:23] <debora> Muito obrigada, estou emocionada!
[20:23] <acris> Continuando, a professora Luciana Oliveira vai apresentar o trabalho " Formação de professores e o uso de softwares livres na Rádio Faced Web".
[20:23] <acris> LucianaOliveira: podemos começar?
[20:23] <LucianaOliveira> Sim!
[20:24] <acris> Pode começar, professora e agradeço, desde já, ter aceito compartilhar conosco sua experiência.
[20:24] <LucianaOliveira> Boa noite! Peço desculpas pelo atraso, mas aqui na Bahia não tem horário de verão, por isso ainda são 19:25!
[20:24] <acris> :) acontece
[20:25] <acris> nós invertemos a ordem, está tudo bem
[20:25] <LucianaOliveira> O presente texto versa sobre o uso de software livre na formação de professores.
[20:25] <LucianaOliveira> O objetivo geral é analisar o uso de softwares livres nos processos de formação de professores dentro da Rádio Faced Web e ÉduCANAL.
[20:25] <LucianaOliveira> Os objetivos específicos são: Destacar aspectos relevantes sobre o uso do software livre para a formação a educação; revelar as possibilidades das formações usando SL na Rádio Faced Web.
[20:26] <LucianaOliveira> Primeiro vou fazer uma introdução ao tema Software Livre:
[20:27] <LucianaOliveira> Na década de 1970, Richard Stallman tentou ter acesso ao código fonte para solucionar o problema enfrentando com um software de uma impressora, mas ele não conseguiu, com isso criou um código para essa impressora e colocou ele disponível na internet.
[20:27] <LucianaOliveira> Depois disso, ele criou a Free Software Foundation ou Fundação para o Software Livre (FSF), uma organização sem fins lucrativos, para garantir a liberdade de todos os usuários de computadores e defender os direitos de todos os usuários de software livre.
[20:28] <LucianaOliveira> O endereço dessa fundação é: http://www.fsf.org.
[20:28] <LucianaOliveira> Software livre (SL) é qualquer programa de computador que possui as liberdades de ser usado, estudado, copiado e redistribuído sem nenhuma restrição.
[20:29] <LucianaOliveira> O SL ou Free Software é geralmente licenciado como a licença General Public License (GPL) ou a Berkeley Software Distribution (BSD).
[20:29] <LucianaOliveira> Para ser livre, seu código-fonte deve ser disponibilizado para que desenvolvedores possam estudar e modificar os programas de acordo com as suas necessidades.
[20:29] <LucianaOliveira> Desenvolvedores desses softwares adotam a filosofia do trabalho em comunidade, pois acreditam que a construção do conhecimento deve ser de modo colaborativo e é por isso que eles promovem a abertura do código-fonte incentivando a troca de conhecimentos livres.
[20:30] <LucianaOliveira> Vejam como alguns autores fundamentam o SL:
[20:30] <LucianaOliveira> […] softwares livres que têm sua filosofia centrada na livre troca de conhecimentos e de pensamentos que podem tradicionalmente ser encontrada no campo científico. (GREVE, 2007)
[20:31] <LucianaOliveira> […] Tal como as ideias, os programas de computador não são tangíveis e podem ser copiados sem perda. A sua distribuição é a base de um processo de evolução que alimenta o desenvolvimento do pensamento. (GREVE, 2007)
[20:31] <LucianaOliveira> Nessa mesma linha:
[20:31] <LucianaOliveira> Brant fala que o software livre ''quebra a lógica da informação como mercadoria e desfaz a possibilidade de sua apropriação comercial'' (2008, p. 71).
[20:32] <LucianaOliveira> Então a pergunta é: qual a relação do SL com a educação?
[20:33] <LucianaOliveira> É necessário refletir sobre a educação contemporânea diante da perspectiva diferenciada de trato com o conhecimento defendida pelo SL.
[20:33] <LucianaOliveira> A filosofia, pautada na colaboração, alterar a lógica de transmissão e reprodução de conhecimentos da educação tradicional.
[20:34] <LucianaOliveira> Agora vou responder a pergunta que fiz:
[20:34] <LucianaOliveira> A apropriação da filosofia do SL pela educação pode ajudar na reformulação das práticas de ensino.
[20:34] <LucianaOliveira> Com isso, o professor passará a ser o “animador da inteligência coletiva dos grupos que estão a seu encargo” (LÉVY, 1999, p. 171).
[20:35] <LucianaOliveira> E os estudantes começam a expressar “o seu próprio pensamento e estabeleçam diálogo reflexivo recíproco para que, dessa forma, o conhecimento e cultura possam ser criados e recriados junto a cada indivíduo” (MALDANER, 2000, p. 30. Apud BOFF.).
[20:35] <LucianaOliveira> Esses softwares devem fazer parte de novas propostas contra hegemônica de educação, cuja finalidade será a participação ativa de professores e estudantes nos processos de construção do conhecimento e de tomada de decisão.
[20:36] <LucianaOliveira> Neste novo contexto, os sujeitos citados anteriormente “[...] saem da posição passiva de meros espectadores e consumidores de informação para tornarem-se ativos na produção de conhecimentos e culturas.” (ALMADA et. al., 2009, p. 9-10).
[20:36] <LucianaOliveira> Mas para que isso aconteça: “É necessário resgatar o papel dos professores enquanto protagonistas privilegiados desses processos educativos, demandando uma posição ativista dos mesmos.” (PRETTO, 2012, p.96).
[20:37] <LucianaOliveira> O professor precisa ter conhecimento de que em: “Num cenário em que a informação é cada vez mais abundante, fica evidente que a questão central não é a simples disponibilização da informação [...].” (BRANT, 2008, p. 71-72).
[20:37] <acris> (10 minutos)
[20:37] <LucianaOliveira> Ele precisa entender que seu papel é de “[...] facilitação de processos de aprendizagem em que a seleção e a organização da informação brigam contra um déficit de atenção...
[20:38] <LucianaOliveira> ...Nesse contexto, o professor se torna essencial como facilitador, animador ou mediador de processos. (BRANT, 2008, p. 71-72).
[20:38] <LucianaOliveira> Para que isso tudo se torne realidade, é necessário que o professor conheça a filosofia de trabalho coletivo proposto pelo software livre. E a partir daí comece a criar suas redes para se ajudarem colaborativamente em todos os aspectos.
[20:39] <LucianaOliveira> Atenção:
[20:39] <LucianaOliveira> É necessário e urgente construir a uma cultura de colaboração na educação.
[20:39] <LucianaOliveira> Agora, para fechar, vou apresentar dois casos de uso do SL na formação de professores: Rádio Faced Web e ÉduCANAL
[20:39] <LucianaOliveira> Primeiro é necessário apresentar a Faculdade de Educação (Faced) da Universidade Federal da Bahia (UFBA).
[20:39] <LucianaOliveira> Possui 103 professores; 25 técnicos administrativos; 03 cursos de graduação: Pedagogia, Educação Física e Ciências Naturais; 01 programa de pós-gradução; 01 mestrado profissional; 23 grupos de pesquisa; 05 linhas; 13 atividades de extensão; forma 22 cursos de licenciatura.
[20:40] <LucianaOliveira> Com o objetivo de proporcionar autoria e colaboração na formação de professores, estudantes e técnicos, foram criados, dentro da Faced, os espaços Rádio Faced Web e ÉduCANAL.
[20:40] <LucianaOliveira> A Rádio Faced Web criada em 2005, como parte do projeto de pesquisa desenvolvido desde 2014 pelo GEC - Grupo de Pesquisa Educação, Comunicação e Tecnologias, esse recebe o nome de Do MEB à WEB: O Rádio na Educação. Coordenado pelo Prof. Nelson Pretto.
[20:41] <LucianaOliveira> O ÉduCANAL foi criado em meados de 2006, como um espaço de convergência entre a criatividade e tecnologias digitais. E vem se constituindo como espaço formativo ao qual se vinculam diversos projetos voltados à produção de conteúdo digital de modo colaborativo.
[20:41] <LucianaOliveira> Esse segundo projeto é um guarda-chuva que abriga, tanto a Rádio Faced Web, quanto outros diversos projetos de ensino, pesquisa e extensão da Faced.
[20:41] <LucianaOliveira> Para atender esse demanda, o ÉduCANAL possui uma infraestrutura tecnológica exclusiva para a produção de conteúdos de diversos gêneros como áudio, vídeo, animes, material artísticos impresso, artes digitais, etc.
[20:41] <LucianaOliveira> Tudo usando SL.
[20:42] <LucianaOliveira> Compõe essa estrutura: computadores para gravação, edição e produção de material audiovisual; Estúdio com isolamento acústico; Máquinas com sistema operacional livre; Gravadores; Chroma key; Mesas de som; Microfones; Câmeras filmadoras; Notebook, etc.
[20:42] <LucianaOliveira> As ações de ensino, pesquisa e extensão, tripé da universidade, dentro da Rádio Faced Web e ÉduCANAL, têm um ponto em comum, todas essas atividades convergem para a formação e todas usam softwares livres.
[20:42] <LucianaOliveira> A ideia é um espaço com o foco na formação de professores, estudantes e técnicos administrativos. Nesse espaço, busca-se a participação ativa desses sujeitos e preza por receber os interessados para produzirem de forma colaborativa.
[20:43] <LucianaOliveira> Mas a visão da Rádio como um espaço de formação não é consolidada na Faced, pois muitos discursos dentro da própria unidade de ensino consideram o espaço como um setor para a simples prestação de serviços.
[20:43] <LucianaOliveira> Como foi expostos, as demandas para serem atendidas por esses projetos são amplas. O fortalecimento deles depende do empenho de modo colaborativo de toda comunidade acadêmica.
[20:44] <LucianaOliveira> Agora vou fazer algumas considerações sobre os achados da minha pesquisa:
[20:44] <LucianaOliveira> É necessário pensar a educação de forma colaborativa e em redes. E a internet pode ser uma aliada nesse processo.
[20:44] <LucianaOliveira> Atuando em rede, uma ideia de um professor pode fortalecer a ideia do outro, assim o professor não precisa viver na tentativa de inventar novas práticas, mas sim aprimorar as existentes para o benefício seu e de seus pares.
[20:44] <LucianaOliveira> Além da troca de ideias, os produtos digitais produzidos também podem ser trocados, assim, a produção de um professor pode ser melhorado ou reinventado pelo outro.
[20:45] <LucianaOliveira> Agradeço ao convite! Mais uma vez peço desculpas, a todos e a todas, mas em especial a Débora e Ana!
[20:46] <LucianaOliveira> Débora, vou ler o seu trabalho! Pois quero aprender com vc!
[20:46] <acris> É isso que fazemos aqui, né, Luciana? Muito obrigada, Luciana, mais uma professora me fazendo querer ter 11 anos de novo, só pra ter o privilégio de uma aula assim, teria mudado pra melhor a minha vida.
[20:46] <debora> E eu com você! Parabéns!
[20:46] <LucianaOliveira> Obrigada!
[20:46] <acris> Daniervelin: você tira a moderação? Vamos abrir agora para perguntas, mas só por 15 minutos, pois atrasamos muito hoje, devido a problemas técnicos!
[20:47] <acris> vou começar com uma perguntona, aproveitando que a palestra da LucianaOliveira tá fresquinha, depois tenho uma pra ti, debora
[20:47] <acris> LucianaOliveira, já disse que adorei teu trabalho! Sabe, professor que usa software livre é um herói... e sempre gente muito do bem. Não tem como conseguir nenhuma vitória real no que diz respeito à sociedade, sem uma educação livre e aberta, sem a robótica livre da debora, sem o uso de softwares livres que você nos trouxe. Como é que a gente pode ter acesso a esses softwares pra produção de conteúdos de diversos gêneros como áudio, vídeo,
[20:47] <acris> animes, material artísticos impresso, artes digitais, etc.?? Seria muito legal criar um espaço para trocarmos informações a respeito e ajudar uns aos outros nesse uso. Tem, por exemplo, a wiki de softwares livres para educação do prof. Slomp, podíamos nos unir a ele para criar um fórum no qual os usuários desses softwares na educação pudessem compartilhar seus conhecimentos. Você tem ou conhece algo assim? Se não tem, que tal fazermos juntos?
[20:48] <acris> Pessoal, já está aberto para quem quiser perguntar ou comentar, ok?
[20:48] <LucianaOliveira> Pode responder já?
[20:49] <elaineteixeira> Muito bacana sua proposta e iniciativa, Luciana!
[20:49] <acris> sim
[20:49] <Heloisa> Renata, que competência querida... morri de inveja. Que vontade de estar junto, contribuir com a Poesia. Essa mesma, a da palavra que nos coloca em outro lugar, o da criatividade, inventividade, autonomia, raciocínio lógico e capacidade de resolver problemas. Sim porque, ser criativo é isso: ter a capacidade de resolver problemas. Vc já faz isso. Só estou puxando sardinha pra minha brasa – a da poesia. Tudo a ver. Trabalho redo
[20:49] <Daniervelin> Excelentes apresentações! Fico feliz de saber que há projetos tão interessantes por aí com uso de software livre
[20:50] <marinalda> que trabalhos bacanas, debora e LucianaOliveira! gostaria muito de ler, estão publicados?
[20:50] <Heloisa> E quem disse que não é possível ser inventivo com menos quando se tem gente inventiva e trabalhando no viés da potência e não da falta. Parabéns! Brilhante esse projeto.
[20:50] <Heloisa> Ah, minha nova frase pra ser materializada: “Ser digitalmente fluente não é apenas saber como usar ferramentas tecnológicas, mas também saber como construir coisas significativas com elas”
[20:50] <elaineteixeira> Incentivar e formar professores que usem software livres é de grande importância
[20:51] <debora> Só possuo publicações em revistas, posso encaminhar o material a vocês.
[20:51] <Daniervelin> adorei, Heloisa! Brilhante sua frase!
[20:51] <LucianaOliveira> Bom, essa é uma grande questão nossa, inclusive recebi sua pergunta na Campus Party-BA. Não temos reunido (tinhamos o Estúdio Livre) mas o meu grupo de pesquisa da UFBA aqui na Bahia está fazendo esse trabalho. www.gec.faced.ufba.br
[20:51] <debora> Gosto muito dessa frase, ela se tornou parte de mim!
[20:52] <LucianaOliveira> Marinalda, meu projeto está em desenvolvimento. Defenderei o mestrado em dezembro.
[20:52] <Maregito> Muito bom o trabalho!
[20:53] <AnaMatte> Vocês podiam passar pra gente a lista de referências?
[20:53] <debora> Claro!
[20:53] <Maregito> sonho com o dia em que a robótica começar a interagir com essas iniciativas
[20:54] <Maregito> altomatizando alguns processos ...
[20:54] <debora> Já estamos no caminho Maregito, aliás você é um exemplo disso.
[20:54] <AnaMatte> exato, debora
[20:54] <debora> Existe algum lugar que possamos encaminhar os materiais e as referências?
[20:54] <LucianaOliveira> AnaMatte, posso sim. Acris, devemos passar as referências por aqui?
[20:55] <Daniervelin> tenho a sorte de acompanhar um pouco do movimento da Robótica Livre. Acho que precisa ser mais difundida, especialmente na educação básica
[20:55] <AnaMatte> pode ser, LucianaOliveira
[20:55] <acris> debora, eu amei seu trabalho. O que mais me tocou foi a consciência em relação ao mundo ao redor, muito paulofreiriana, por sinal, essa sua ideia de que não basta levar o menino a ter consciência de seu papel sobre a reciclagem e outras questões de cidadania, mas que ele deve tornar-se um multiplicador dessas ideias. É genial! Você poderia nos dar o prazer de te ouvir falar mais sobre isso?
[20:55] <debora> Com certeza Daniervelin.
[20:55] <Maregito> Ainda focamos muito no fazer robôs, ..., ja pensou uma altomação que possa gerar musicas criadas através da captação de alguns sensores , que tocará online, e
[20:56] <AnaMatte> é o que eu estava pensando, Maregito
[20:56] <debora> Claro Cris!
[20:56] <Daniervelin> bacana a ideia, Maregito !
[20:57] <debora> O que eu quis construir com os alunos, foi transformar um problema real em currículo.
[20:57] <woodsonfc_> LucianaOliveira: parabéns por seu trabalho e fico feliz que tenha conseguido ser parte de um projeto que possui uma oficina tão equipada e com tantos recursos em S.L.
[20:57] <AnaMatte> eu vivo pensando em automatizar processos, mas com a meia duzia de tags html que conheço.. dá não. Precisamos nos unir
[20:57] <debora> E em cima disso, trazer as areas do conhecimento. As pessoas tem a falsa ideia para fazer robótica, é necessário um kit especializado e que não podemos fazer transformar.
[20:58] <debora> Fui muito criticada, muitos disseram que não estava fazendo robótica, até verem o resultado disso.
[20:58] <Maregito> Ana da pra fazer sim
[20:59] <debora> É necessário ir além, e usar as tecnologias abertas para construir de fato conhecimento significativo aos alunos.
[20:59] <LucianaOliveira> Obrigada, woodsonfc, mas é um sufoco manter tudo funcionando!
[20:59] <woodsonfc_> debora: concordo contigo quando diz que devemos ensinar resolvendo problemas e trazendo os meninos para pensá-los
[20:59] <debora> É isso, acho fundamental, eles passam por etapas.
[20:59] <LucianaOliveira> Isso, AnaMatte, precisamos nos unir! Essa é o ponto central do professor.
[21:00] <debora> é necessário sentir, imaginar, fazer e compartilhar.
[21:00] <debora> Pilares do software livre e tecnologias abertas.
[21:01] <debora> Fico feliz também da BNCC começar a trazer a tecnologia para sala de aula.
[21:01] <Heloisa> Essas críticas chegam sempre pra quem pensa fora da caixa e de maneira ampla, comprometida com o processo, o entorno, com a vida para além dos muros da escola e com foco no desenvolvimento humano. Ainda bem que vc não foi paralisada com essas coisas e seguiu.
[21:01] <LucianaOliveira> Isso mesmo, Debora, não cabe mais tradicionalismo!
[21:02] <acris> Pessoal, estamos terminando, vamos deixar a debora e a LucianaOliveira fazer uma última colocação?
[21:02] <acris> Antes, eu já aproveito para agradecer a cada um sua inestimável contribuição para esta bela noite de STIS e avisar que temos STIS toda última semana do mês, na quarta às 19:30. Apareçam. Se alguém não receber certificado, por favor entre em contato com secretaria@textolivre.org. Meninas, é com vocês
[21:02] <Heloisa> Desculpa, eu escrevi em cima da fala da Renata.
[21:02] <woodsonfc_> LucianaOliveira: deve ser mesmo difícil. Não deveria ser assim. Se está tão difícil, é porque não há recursos suficientes para realizar o projeto. Isso me entristesse como me incomoda ver meus alunos não renderem o que podem, não porque não se empenham, mas porque não posso me empenhar o suficiente para que eles possam aparecer e dar o seu melhor!
[21:03] <Daniervelin> debora: a BNCC menciona a robótica educacional? Você sabe me informar?
[21:03] <Daniervelin> li a parte de língua portuguesa, mas não sei das outras áreas
[21:03] <debora> Quero agradecer essa oportunidade de estar aqui, dizer que estou a disposição de todos para conversarmos e trocarmos experiências.
[21:04] <debora> Daniervelin a BNCC infelizmente ainda não faz menção ao currículo de tecnologias, mas a coloca como uma competência de ensino.
[21:04] <Daniervelin> humm, interessante
[21:04] <LucianaOliveira> Gente, agradecer! E convidar vcs para serem militantes do SL, das soluções abertas e defensores do conhecimento livre!
[21:05] <Daniervelin> ainda há muito a avançar, né?
[21:05] <LucianaOliveira> O link direto para os SL que falei: https://blog.ufba.br/gec/?page_id=2521
[21:05] <debora> Aqui na cidade de São Paulo, sim , robotica e programação fazem parte do currículo, mas ainda depende dos professores serem capacitados.
[21:05] <debora> Muito a avançar!
[21:05] <Heloisa> Parabéns Profª Debora e Profª Luciana. Belíssimas contribuições.
[21:05] <Daniervelin> obrigada, LucianaOliveira e debora ! Adorei participar das apresentações de hoje!
[21:05] <debora> Quero deixar meus contatos para conversarmos. 11 98103 8089
[21:06] <debora> deboradenisedias@hotmail.com
[21:06] <LucianaOliveira> Meu Telegram 71 99289-2929
[21:06] <debora> Muito obrigada, foi um prazer enorme estar com vocês!
[21:06] <LucianaOliveira> Meu email lucianaoliveira@ufba.br
[21:07] <debora> O meu também é telegram
[21:07] <LucianaOliveira> Melhor ainda, Debora!
[21:07] <debora> Com certeza! Livre!
[21:07] <acris> para contatar o stis: stis@textolivre.org. Meu telegram 31997568746.
[21:08] <acris> Vamos concluir com uma salva de palmas!? clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:08] <Maregito> clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:08] <pliniors> clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:08] <AnaMatte> clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:08] <AnaMatte> clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:08] <debora> clap clap clap clap clap clap clap
[21:08] <pliniors> clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:09] <Heloisa> clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:09] <marinalda> clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:09] <marinalda> clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap
[21:09] <Rosali> clapclap
[21:09] <LucianaOliveira> clap clap clap clap clap clap clap
[21:09] <Daniervelin> clap clap clap clap clap clap clap
[21:09] <woodsonfc_> Tentei colocar o telegram, mas meu celular estava refugando novos programas. Como não queria comprar outro pra colaborar com mais lixo, tentei resolver com esse mesmo. Porém, acho que cheguei num termo que posso agora instalar o telegram sem ele estourar sua memória!
[21:10] <AnaMatte> :)
[21:10] <woodsonfc_> clap clap clap clap clap clap clapclap clap clap clap clap clap clapclap clap clap clap clap clap clapclap clap clap clap clap clap clapclap clap clap clap clap clap clap
[21:10] <AnaMatte> boa noite, pessoal e até a próxima!
[21:10] <Maregito> Até!!!!
[21:10] <woodsonfc_> ATé
[21:10] <debora> Até! :)
[21:10] <elaineteixeira> boa noite!!
[21:10] <Daniervelin> boa noite!
[21:10] <Daniervelin> até!
[21:10] <woodsonfc_> Boa Noite
[21:10] <Rosali> Até
[21:10] <LucianaOliveira> Telegram vai pra o cartão de memória ou memória interna!
[21:11] <woodsonfc_> blz. Isso vai ajudar
[21:11] <acris> que dez, muito obrigada mesmo, debora e LucianaOliveira
[21:11] <woodsonfc_> obrigado LucianaOliveira
[21:11] <acris> woodsonfc_: nós teemos grupo no telegram, quando entrar me avisa
[21:11] <Maregito> Avisei aqui pros meus meninos que toda ultima querta do mês tem né isso?
[21:11] <debora> Obrigada a vocês!
[21:12] <Maregito> assim me disse o Danilo! :)
[21:12] <acris> isso mesmo, Maregito
[21:13] <woodsonfc_> blz acris
[21:13] <woodsonfc_> Instalarei esses dias
[21:13] <acris> joia. depois me escreve contando como anda você?
[21:14] <woodsonfc_> Tá, estou precisando conversar
[21:15] <Maregito> Abraço a todos!
[21:16] <Maregito> vou voltar para o trabalho, amanhã medio a mesa de Danilo, Rodrigo e Jocemar!
[21:16] <Maregito> Abraços!!!!
[21:20] <acris> valeu, Daniervelin e woodsonfc_! boa boite proces
[21:20] <acris> boite=noite

 

Todos os trabalhos aqui publicados estão licenciados segundo a Creative Commons

Creative Commons TL Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Based on a work at Texto Livre.