Imprimir este capítuloImprimir este capítulo

STIS 2017

6. Agosto: Memória Campanária e Precarização do trabalho docente

cartaz STIS agosto 2017

STIS - Seminários Teóricos Interdisciplinares do SEMIOTEC

Maria do Carmo e Marcelo Donizete

Conferência dupla STIS

Agosto-2017

Dia 23 de agosto às 19:30 horas, na Sala de Conferências do STIS

 

MEMÓRIA CAMPANÁRIA: edição e análise de fontes confrariais da freguesia de Antônio Dias de Ouro Preto – MG.

(Prof. Ms. Maria do Carmo Ferreira dos Santos – Rede Pública de Ensino de Ouro Preto/UFOP) 

Resumo: Esta pesquisa parte de princípios filológicos e aborda fontes confrariais relacionadas aos símbolos sonoros da cristandade – os sinos –, buscando delinear uma história da presença campanária na Freguesia de Antônio Dias, situada em Ouro Preto, Minas Gerais. Ela tem por finalidade revelar um conjunto de manuscritos produzidos no interior de cinco confrarias que se estabeleceram na Freguesia. Para isso, buscou-se compreender o modo como as irmandades decidiam quando os sineiros deveriam tocar os sinos; quais deliberações sobre a prática campanária eram registradas em seus livros; quem, na irmandade, produzia tais documentos; em qual contexto eram produzidos; e, por fim, a forma como eles eram estruturados. Em primeiro momento, procedeu-se à localização e à edição diplomática a partir dos microfilmes do arquivo da Casa dos Contos. Em seguida, com o apoio das fontes primárias arquivadas no Museu do Aleijadinho, fac-similarmente reproduzidas, foi feita a edição semidiplomática segundo Cambraia et al. (2006), agrupando os manuscritos de acordo com as tipologias documentais propostas por Bellotto (2002). O corpus totaliza 129 manuscritos que foram produzidos por diferentes punhos dos irmãos ao assumirem cargos nas respectivas mesas diretivas, entre os anos 1726 e 1966. Pelo caráter conservador de sua edição, a pesquisa interessa a linguistas, e pelo tema tratado na diversidade documental, interessa os historiadores.

Palavras-chave: manuscritos confrariais; memória campanária; distinção social; filologia na EJA.

Precarização do Trabalho Docente: um estudo sobre as políticas e seus impactos na transformação do trabalho nas escolas de Mariana-MG

(Prof. Dr. Marcelo Donizete da Silva – ICHS/UFOP) 

Resumo: Esse trabalho tem como objetivo analisar a problemática da precarização do trabalho docente no contexto das escolas da microrregião dos Inconfidentes. Percebe-se que a docência no Ensino Básico nacional tem passado por um processo de transformação, que tem seu início pós-promulgação da LDB 4024/61 e se estende até os dias atuais. Como objetivo, a pesquisa buscará analisar o movimento das transformações políticas e educacionais que ocorreram no Brasil do período ditatorial até a reforma do Estado e das políticas públicas nos anos de 1990 a 2010. Entende-se que, com a mudança no cenário político brasileiro para educação, essa influenciou e tem influenciado professores/as e futuros/as professores/as em avaliar negativamente a condição real da profissão, fato que externaliza o problema da precarização. Com base na análise bibliográfica e documental, no sentido de coletar informações acerca do objeto, essa pesquisa terá como referencial metodológico o caráter qualitativo da produção. Entende-se que essa proposta metodológica é fundamental porque auxiliará na análise das fontes do período em questão e na produção acadêmica acerca do tema, para demonstrar o processo histórico e as medidas que possibilitaram a reformulação do trabalho docente. Para responder sobre essa transformação do ensino básico, busca-se analisar o panorama histórico da educação brasileira, no sentido de demonstrar que as mudanças nas políticas públicas impactam diretamente na realidade escolar de Mariana e Ouro Preto, no que tange a atuação dos/das professores/professoras no contexto escolar da região.

Palavras-chave: Precarização Docente; Políticas Públicas; Resistência do Trabalhador