Imprimir este capítuloImprimir este capítulo

STIS 2014

9. Novembro: Omissões Ortográficas e Dialogia

cartaz STIS novembro 2014

STIS - Seminários Teóricos Interdisciplinares do SEMIOTEC

Regina Célia Fernandes Cruz e Anna Christina Bentes

Conferência STIS NOVEMBRO 2014

Dia 28 de novembro das 14 às 16:00, na Sala de Conferências do STIS

 

Levantamento das Omissões Ortográficas na Escrita Infantil

Profª Drª Regina Célia Fernandes Cruz (UFPA/CNPq)

Resumo

Divulgam-se aqui os primeiros resultados obtidos com a execução de um projeto institucional da UFPA, em andamento, intitulado Levantamento, Diagnóstico e Análise das Omissões Ortográficas na Escrita Infantil com perspectiva de intervenção pedagógica (PAPIM-14560131023). A investigação das omissões ortográficas na escrita infantil nas escolas públicas do Pará foi motivada pela leitura dos trabalhos de Chacon (2010) e Amaral et al. (2011) que empreenderam uma metodologia destinada à investigação de aspectos relacionados à incidência recorrente de omissões, tanto de grafemas como de sílabas completas, na escrita de crianças ainda no processo de aquisição da escrita. Neste projeto, aplicaram-se, portanto, os mesmos procedimentos metodológicos de Chacon (2010) e Amaral et al (2011). A coleta de dados foi realizada em uma escola pública da rede estadual de ensino de Belém (PA) e compreendeu seis etapas que foram aplicadas de forma lúdica em quatro turmas, sendo duas do 3º ano e duas do 4º ano do ensino fundamental. Ao todo obteve-se amostra de produção de escrita de 100 alunos, com idade entre 7 e 12 anos. Nesta palestra, destacar-se-á a natureza das 6840 omissões registradas no corpus formado que ainda se encontram em análise.

 

A dialogia nas práticas escolares

Profª Drª Anna Christina Bentes (IEL – UNICAMP/ Campinas)

Resumo

A apresentação busca compreender as relações de comunicabilidade (usando esse termo de forma bem ampla) entre a Universidade e a Educação Básica. Para tanto, vou procurar relatar, em um primeiro momento, um pouco da minha experiência, de já algum tempo, de procurar estabelecer uma relação mais significativa entre os saberes produzidos no campo de estudos da linguagem, mais especialmente os saberes produzidos pelos estudos do texto e pelos estudos sociolinguísticos, os eventos de formação de professores de que participei e, mais recentemente, o meu envolvimento no programa de iniciação à docência (PIBID), financiado pela CAPES, do qual sou uma das colaboradoras, juntamente com os professores Marcos Lopes e Márcia Mendonça, ambos da UNICAMP. Em um segundo momento, falarei um pouco sobre os impactos que essa experiência contínua têm em mim e no meu fazer profissional, pedagógico e acadêmico, elaborando algumas reflexões sobre o papel da oralidade no estabelecimento do diálogo e da confiança mútuos entre professores da escola básica e professores do ensino superior.