Imprimir este capítuloImprimir este capítulo

STIS 2019

AGOSTO: Pesquisas em Educação do Campo e TDICs

registro de agosto/19

Registro da Conferência em chat escrito, de 14 de agosto de 2019:

 

Pesquisas em Educação do Campo e possíveis articulações com as TDICs.

Prof Dr. Carlos Henrique Silva de Castro

Prof Msc. Wester Francisco de Almeida

 

 

 

[18:20] <WesterAlmeida> Boa Noite!
[18:20] <Paulo_Soares> Boa noite, Wester!
[18:21] <WesterAlmeida> Sinto-me fruto da Educação do Campo, pois sempre estudei em escolas situadas no campo, em 2006 ingressei em um curso Técnico em Agropecuária em uma Escola Família Agrícola, que trabalha a partir dos
[18:21] <WesterAlmeida> podemos ir fazendo assim né?
[18:21] <Paulo_Soares> isso que ia falar mesmo, tenta testar se dá pra enviar 3 ou 4 linhas
[18:21] <Paulo_Soares> porque o chat mudou
[18:22] <WesterAlmeida> Sinto-me fruto da Educação do Campo, pois sempre estudei em escolas situadas no campo, em 2006 ingressei em um curso Técnico em Agropecuária em uma Escola Família Agrícola, que trabalha a partir dos princípios da Educação do Campo. Em 2009 ingresso no Curso de Licenciatura em Educação do Campo – com Habilitação em Ciências da Natureza e Matemática
[18:22] <WesterAlmeida> , na Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
[18:22] <WesterAlmeida> 4 linhas
[18:22] <Paulo_Soares> Deu certo
[18:22] <WesterAlmeida> sim
[18:22] <WesterAlmeida> Paulo_Soares
[18:22] <Paulo_Soares> Pode enviar 4 linhas então
[18:23] <Paulo_Soares> Era só essa a sua dúvida?
[18:23] <WesterAlmeida> o uso do @ é em caso de responder alguem?
[18:24] <Paulo_Soares> @WesterAlmeida, ChanServ
[18:24] <WesterAlmeida> de acordo que as perguntas são feitas, nos respondemos
[18:24] <Paulo_Soares> sim
[18:24] <WesterAlmeida> beleza então
[18:25] <Paulo_Soares> Mas pode agir com naturalidade, é bem tranquilo
[18:25] <WesterAlmeida> beleza
[18:25] <Paulo_Soares> bem no final abrimos para o público fazer perguntas
[18:25] <WesterAlmeida> um bate papo
[18:25] <Paulo_Soares> no máximo uns 15 minutos finais
[18:25] <Paulo_Soares> ok?
[18:26] <WesterAlmeida> entendido
[18:26] <Paulo_Soares> Beleza então... Daqui a pouco retorno à sala
[18:26] <WesterAlmeida> beleza meu amigo
[19:06] <CarlosCastro> Boa noite!
[19:06] <CarlosCastro> Alguém aí?
[19:06] <WesterAlmeida> Boa Noite!
[19:12] <Hellen_Fernandes> Boa noite
[19:15] <CarlosCastro> Bos noite, Wester, Hellen e demais!
[19:19] <CarlosCastro> Boa noite, Elianepiske e Paulo_Soares!
[19:19] <CarlosCastro> biancamartins é da UFVJM?
[19:19] <CarlosCastro> bem-vinda, mmaharishi!
[19:19] <Elianepiske> Boa noite!
[19:19] <Paulo_Soares> Boa noite, Carlos! Em alguns minutos começaremos, ok?
[19:19] <CarlosCastro> =D
[19:20] <CarlosCastro> Ok, Paulo_Soares! Como vai ser? Vocês colocam uma pergunta e os dois respondem?
[19:20] <Suzane> Boa Noite
[19:21] <KleideFerreira> boa noite à todos, sou de Campo Grande/MS
[19:22] <Paulo_Soares> Sim, CarlosCastro! Será essa a dinâmica.
[19:22] <Alyson> Boa Noite a Todxs.
[19:22] <luzivania> Boa Noite
[19:22] <Paulo_Soares> Boa noite, KleideFerreira! Bem-vinda!
[19:23] <Paulo_Soares> Boa noite, Alyson e luzivania.
[19:23] <biancamartins> sim,sou da UFVJM
[19:24] <Layane> Boa noite!
[19:24] <biancamartins> Boa noite
[19:24] <Marcosroberto> Boa noite
[19:26] <Paulo_Soares> Pessoal, durante a fala dos conferencistas, pedimos que não haja intervenções do público no chat, ok? Ao final, abriremos para a participação e interação dos participantes, tudo bem?
[19:26] <CarlosCastro> legal, biancamartins!
[19:26] <mmaharishi> Boa noite! Obrigada pelas boas vindas!
[19:27] <Paulo_Soares> Iniciaremos a conferência desta noite em 5 min.
[19:27] <CarlosCastro> ok
[19:28] <SuzaneMarques> Ok
[19:28] <WesterAlmeida> ok
[19:28] <Marcosroberto> Ok
[19:28] <biancamartins> ok
[19:29] <isac_neto> ok
[19:29] <FernandaAntonina> ok
[19:29] <CarlosCastro> Todo mundo preencheu o formulário para receber certificado?
[19:30] <Hellen_Fernandes> Sim
[19:30] <CarlosCastro> <http://textolivre.org/site/formulario-para-inscricao-no-stis/>,
[19:30] <CarlosCastro> Hellen_Fernandes também é da UFVJM?
[19:30] <mmaharishi> já preenchi. ;D
[19:31] <biancamartins> já preenchi.
[19:31] <isac_neto> tudo certo
[19:31] <CarlosCastro> (y)
[19:32] <Paulo_Soares> Ok, vamos começar agora. Pedimos que não haja intervenções do público durante a fala dos conferencistas.
[19:32] <Hellen_Fernandes> Sou sim :)
[19:32] <Paulo_Soares> ===================================================================
[19:32] <Paulo_Soares> ♫♫Eu quero uma escola do campo / Que não tenha cercas, que não tenha muros
[19:33] <Paulo_Soares> Boa noite! Sou o Paulo Soares, colaborador do Grupo Texto Livre (Fale/UFMG) e coordenador do bloco Pesquisas em Educação do Campo: Múltiplos enfoques. Em nome do Grupo, agradeço a presença de cada um, em especial os conferencistas Carlos e Wester e a coordenadora dessa mesa-redonda, Eliane.
[19:33] <Paulo_Soares> O Grupo Texto Livre dedica-se desde 2006 a promover a integração de atividades acadêmicas com o Software Livre e suas comunidades, sempre no melhor espírito da Cultura Livre e da Ciência Aberta.
[19:34] <Paulo_Soares> STIS é uma troca, de pessoas para pessoas interessadas em interdisciplinaridade.
[19:34] <Paulo_Soares> Promovido desde 2011 pelo grupo Texto Livre, o STIS privilegia a interação no chat escrito em virtude da abertura de acesso que o registro das conferências, após as mesmas, garante.
[19:35] <Paulo_Soares> A média de acessos, se comparadas as páginas de divulgação, que ficam em destaque no site, e as páginas de LOGs (registros) é, em média, 20% maior nos logs, não sendo raro registrar mais de 1500 (e, em algumas dezenas de casos, mais de 2000 até agora) acessos após a conferência.
[19:35] <Eliana> olá boa noite
[19:35] <EmesonPorto> Boa Noite.
[19:36] <Paulo_Soares> Lembretes bons de lembrar: a) para receber o certificado de participação, além da presença é necessário preencher o formulário disponível na página do STIS. http://textolivre.org/site/formulario-para-inscricao-no-stis/
[19:36] <Eliana> Já começou a Live?
[19:36] <Paulo_Soares> b) cole frases curtas, no máximo 2 linhas A4, para que o chat não corte sua mensagem. c) use preferencialmente um nick do tipo nomeSobrenome para evitar confusões.
[19:37] <Paulo_Soares> O evento ocorre por meio de chat escrito, Eliana!
[19:37] <Paulo_Soares> Já começamos... Solicitamos aos participantes que não postem mensagens agora.
[19:37] <Paulo_Soares> Ao final da conferência, abriremos para a participação do público.
[19:37] <Paulo_Soares> O certificado será encaminhado por e-mail no decorrer da semana. Lembre-se que é necessário preencher o formulário do site para receber o certificado, o que deve ser feito no máximo hoje.
[19:38] <Paulo_Soares> É sempre bom lembrar também que a sala ficará moderada: somente quem tiver voz ou op poderá enviar mensagens no chat enquanto o canal estiver moderado. As intervenções do público ficarão silenciadas até o final das apresentações, quando abrimos para a interação até às 21h.
[19:38] <Paulo_Soares> Para dar início às atividades, convido para coordenar esta mesa a professora Eliane Lima Piske.
[19:39] <Elianepiske> Boa noite, pessoal! Obrigada Paulo! É um imenso prazer começar a conversa via chat escrito, em que serão lançadas algumas questões, apenas os professores Carlos e Wester respondem. Certo? Sejam bem-vindos! Agradecemos a presença de todos! Aproveito a oportunidade para as apresentações dos professores:
[19:39] <Paulo_Soares> Eliane é graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), mestra e doutoranda em Educação Ambiental, também pela FURG. Participa do grupo ECOinfâncias (FURG) e é colaboradora do Grupo Texto Livre (Fale/UFMG).
[19:39] <Paulo_Soares> Nós é que agradecemos, Eliane!
[19:39] <Elianepiske> Carlos Henrique Silva de Castro é doutor em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atua como professor no Ensino Superior pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) no curso Licenciatura em Educação no Campo, habilitação em Linguagens e Códigos.
[19:40] <CarlosCastro> Boa noite a todos!
[19:40] <Elianepiske> Wester Francisco de Almeida é mestrando em Educação do Campo pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). É graduado em Educação do Campo (habilitação em Ciências da Natureza e Matemática) pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e atua como professor de Matemática e Física na Escola Família Agrícola Jacyra de Paula Minig
[19:40] <Elianepiske> uite, em Barra de São Francisco/ES.
[19:40] <WesterAlmeida> Boa Noite a Todxs!
[19:41] <POLLIANEOLIVEIRA> BOA NOITE
[19:41] <Elianepiske> Boa noite, professores! As perguntas serão lançadas, desde já agradecemos aos professores pela interação.
[19:41] <Elianepiske> como você se situa na Educação do Campo?
[19:41] <CarlosCastro> Boa noite, Elianepiske!
[19:42] <CarlosCastro> Quem responde primeiro e quem responde segundo?
[19:42] <Elianepiske> Podemos começar com o professor Carlos
[19:42] <CarlosCastro> Primeiramente, eu é que agradeço a oportunidade de falar dos nossos projetos, dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri, Rio Doce e Norte de Minas.
[19:43] <CarlosCastro> Obrigado a todos os presentes, aos vários estudantes da Educação do Campo da UFVJM que estão aqui, ao colega Wester por dividir esse espaço de trocas.
[19:43] <CarlosCastro> Muito bom saber que Wester trabalha em uma EFA, pois eles têm objetos de aprendizagem magníficos.
[19:43] <CarlosCastro> Vamos à pergunta...
[19:43] <CarlosCastro> Tenho origem campesina, apesar de estar na grande BH desde 1994. Então eu tive professoras do campo, em escolas do campo. Minha mãe também foi professora do campo, mesmo sem formação.
[19:44] <CarlosCastro> Se hoje temos uns 30% de professores com formação inadequada nas salas de aula, quando eu era criança minhas professoras eram, em grande maioria, as chamadas professoras leigas, mas com letramentos incríveis para repassarem e com uma disposição imensa para construir novas aprendizagens.
[19:44] <CarlosCastro> A inserção na educação do campo se deu por meio de concurso público em 2015. A aprovação me emocionou muito e o trabalho continua me emocionando.
[19:44] <CarlosCastro> Os estudantes da nossa universidade são bastante diversos, coloridos e cheios de experiências diferentes que contribuem muito para nossas aulas. São campesinos e também quilombolas em muitos casos. Estão espalhados por Minas Gerais no norte e nos vales do rio Jequitinhonha, rio Mucuri e rio Doce.
[19:45] <CarlosCastro> Estou falando da UFVJM em Diamantina.
[19:45] <Eliana> Qual código da palestra?
[19:45] <CarlosCastro> Vocês podem acompanhar os slides com o código agosto2019
[19:45] <CarlosCastro> digite agosto2019 na caixa de texto do lado superior direito e em MOSTRAR
[19:46] <Elianepiske> Que lindo, professor! Obrigada pelo relato e vamos continuar a conversa!
[19:46] <WesterAlmeida> Boa Noite! Primeiramente gostaria de agradecer o convite, dizer da minha satisfação de está participando deste debate.
[19:46] <CarlosCastro> Sou professor do curso superior Licenciatura em Educação do Campo, que chamamos LEC, aqui na UFVJM
[19:47] <CarlosCastro> Vou dar espaço para o Wester se apresentar e daqui a pouco falo um pouco do curso.
[19:47] <Elianepiske> Professor Wester, como você se situa na Educação do Campo?
[19:47] <WesterAlmeida> Boa Noite Elianepiske e CarlosCastro!
[19:48] <WesterAlmeida> gratidão pela possibilidade da partilha nesse chat!
[19:48] <WesterAlmeida> Sinto-me fruto da Educação do Campo, pois sempre estudei em escolas situadas no campo, em 2006 ingressei em um curso Técnico em Agropecuária em uma Escola Família Agrícola, que trabalha a partir dos princípios da Educação do Campo. Em 2009 ingresso no Curso de Licenciatura em Educação do Campo – com Habilitação em Ciências da Natureza e Matemática
[19:48] <WesterAlmeida> , na Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
[19:49] <WesterAlmeida> Em 2013 sou convidado a trabalhar como educador em uma EFA, e melhor: a que estudei, onde trabalho até o presente momento. Essa foi, então, a oportunidade de contribuir na luta em busca de uma educação própria e apropriada para o homem do campo, historicamente negada para a classe trabalhadora, sobretudo a do campo.
[19:49] <WesterAlmeida> Poder contribuir na luta pela Educação do Campo, é acima de tudo ter a clareza que além de educadores somos militantes, pois nossa luta é muito maior e vai além da educação, lutamos por um projeto popular e soberano de país, pois como diz nosso mestre Paulo Freire: “A educação sozinha não transforma sociedade, mas sem ela tão pouco a sociedade muda
[19:49] <WesterAlmeida> ”.
[19:49] <WesterAlmeida> Em 2018, sou aprovado no Mestrado Profissional em Educação do Campo da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), tendo a clareza que essa não era uma vitória individual, e sim resultado de acúmulos adquiridos ao longo da história, na troca de conhecimentos com os espaços, onde estive inserido.
[19:49] <WesterAlmeida> Assumo essa nova empreitada, tendo a clareza do trabalho árduo, que enfrentarei durante essa caminhada, mas, certo que o retorno à Educação do Campo será uma gratificação sem igual.
[19:50] <mauricioedocampo> (y)
[19:51] <WesterAlmeida> Nesse movimento dinâmico vamos nos forjando, enquanto sujeito de luta e resistência.
[19:51] <CarlosCastro> Linda história, WesterAlmeida!
[19:52] <CarlosCastro> Posso contar um pouco sobre o nosso curso agora...
[19:52] <Elianepiske> Sem fôlego ao ler as contribuições dos professores, obrigada! Resistir sempre! Vamos para a segunda pergunta:
[19:52] <Elianepiske> com relação a projetos de pesquisa e/ou extensão em Educação do Campo, você pode definir sinteticamente o principal trabalho em que está envolvido atualmente?
[19:52] <Elianepiske> Pode sim, professor Carlos
[19:52] <CarlosCastro> Elianepiske e demais, vou explicar o curso e os projetos na sequência.
[19:53] <CarlosCastro> A LEC é ofertada em regime de alternância forma professores para a educação do campo
[19:53] <WesterAlmeida> Será um prazer conhecer Prof. CarlosCastro
[19:53] <CarlosCastro> O primeiro
[19:53] <Elianepiske> Será um prazer conhecer, obrigada!
[19:53] <CarlosCastro> O segundo grupo, em seu turno, é habilitado para as
[19:53] <CarlosCastro> O regime
[19:53] <CarlosCastro> universidade, nos quais os futuros educadores cursam cerca de 80% de toda a carga
[19:54] <CarlosCastro> Nesses momentos formativos nas comunidades, o curso promove dois
[19:54] <CarlosCastro> A duração de cada encontro é de 16 horas divididos, geralmente, em três dias nos quais ocorrem as citadas
[19:55] <CarlosCastro> Então, neste contexto descrito, sou o professor de língua portuguesa, especificamente disciplinas mais pedagógicas como Metodologia do Ensino do Português, Gêneros Textuais e Discursivos e Ensino de Português e Novas Tecnologias e algumas disciplinas interdisciplinares como Diversidade e educação e, eventualmente, Didática.
[19:55] <CarlosCastro> Minha participação nas práticas de ensino nas comunidades dos estudantes normalmente parte de uma problematização de situações significativas que os estudantes identificam previamente, uma vez que eles estão nas comunidades, a exemplo do que nos ensina Freire em sua Pedagogia do Oprimido.
[19:56] <CarlosCastro> Buscamos sempre uma troca de saberes e a colaboração nas nossas leituras de mundo, tanto das pessoas dessas comunidades com o nosso, da universidade.
[19:56] <CarlosCastro> Minhas experiências no campo, nas periferias, nas cidades pequenas, certamente me ajudam muito nesse diálogo, mas tudo é novo, pois a área é extremamente nova. Em um texto que publiquei no blog da parábola Editorial expliquei um pouco o início de investimentos na formação do professor voltado para as questões do campo da seguinte forma:
[19:56] <CarlosCastro> Em dissertação de mestrado de 2017, Carolina Vanetti Ansani ressalta que na história da luta por uma educação do campo mais democrática, nasce em 2008 o Programa de Apoio à Formação Superior em Licenciatura em Educação do Campo (PROCAMPO) que promove a abertura de cursos piloto para formação de professores do campo como reflexo de iniciativas como
[19:56] <CarlosCastro> o curso Pedagogia da Terra da UFMG e parcerias entre a Escola Nacional Florestan Fernandes e universidades federais.
[19:57] <CarlosCastro> O PROCAMPO, então, torna-se uma iniciativa importante para a educação de ensino superior voltada para as especificidades do campo, como pressupõe as orientações calcadas epistemologicamente no interacionismo, como aponta a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) de 1996.
[19:57] <CarlosCastro> O programa vem se consolidar com a elaboração do Programa Nacional de Educação do Campo (PRONACAMPO), no ano de 2012, já no governo Dilma Roussef.
[19:57] <CarlosCastro> O divisor de águas para o crescimento das iniciativas foi um edital do Ministério da Educação que selecionou 45 instituições federais de ensino superior para a criação de cursos regulares de licenciatura em Educação do Campo na modalidade presencial
[19:57] <CarlosCastro> O edital, também, promoveu a abertura de novas turmas nos cursos em andamento pelo PROCAMPO e garantiu a essas instituições a contratação de 15 professores para cada curso e o acesso a recursos oriundos diretamente da União no âmbito do Plano de Ações Articuladas, sem onerar então, o caixa das universidades, o que se mostrou uma política acertada d
[19:57] <CarlosCastro> iante do que se construiu a partir de então.
[19:58] <CarlosCastro> Nessa época, a UFVJM já oferecia a Licenciatura em Educação do Campo pelo PROCAMPO e, assim, trouxe essa experiência para o novo curso que, hoje, conta com pouco mais de 200 estudantes, uma turma de egressos pelo projeto piloto e outra turma de egressos pela nova LEC.
[19:58] <CarlosCastro> E tem vários desses 200 estudantes aqui hoje <3 <3 <3
[19:58] <CarlosCastro> Agora sobre Pergunta 2: Com relação a projetos de pesquisa e/ou extensão em Educação do Campo, você pode definir sinteticamente o principal trabalho em que está envolvido atualmente?
[19:58] <CarlosCastro> Como nosso curso tem um corpo docente pequeno, 15 professores para duas habilitações, estamos sempre envolvidos em mais de um projeto e vou tentar falar de dois que são minha principal preocupação no momento.
[19:59] <CarlosCastro> Voltando aos slides, acesse o código agosto2019 por favor
[19:59] <Eltonlr> Como faço para fazer a inscrição
[19:59] <CarlosCastro> O slide 2 tem a linha de tempo que citei anteriormente, do Procampo ao início do curso
[20:00] <CarlosCastro> O slide 3 explica a carga horária e objetivos a divisão dos tempos e espaços
[20:00] <CarlosCastro> O slide 4 traz o primeiro projeto que vou falar sobre
[20:01] <CarlosCastro> O primeiro é meu projeto de pesquisa que inclui meu pós-doutoramento e intitula-se Culturas de letramentos digitais no campo: um estudo de práticas que envolvem novas tecnologias em comunidades dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri.
[20:01] <CarlosCastro> Os objetivos desse projeto são:
[20:01] <CarlosCastro> (2) Identificar, à luz dos estudos sobre letramento digital (DUDENEY, HOCKLY e PEGRUM, 2013, dentre outros), os níveis de letramento descritos nas histórias de aprendizagem e de uso da tecnologia.
[20:01] <CarlosCastro> Sobre esses dois objetivos, as histórias de aprendizagem já estão em fase final de edição e já foi objeto de estudo de um artigo acadêmico deste professor que está no prelo.
[20:01] <CarlosCastro> Como as histórias fizeram parte das nossas aulas de novas tecnologias, os estudantes também produziram reflexões em formato de artigos que poderei falar um pouco mais posteriormente.
[20:02] <CarlosCastro> Atualmente conto, neste projeto, com 11 graduandos voluntários e 1 bolsista.
[20:02] <CarlosCastro> a Hellen_Fernandes é uma voluntária
[20:02] <CarlosCastro> o isac_neto é outro
[20:02] <CarlosCastro> isaclopes tb
[20:03] <CarlosCastro> Os voluntários, nesse prjeto de pesquisa, preparam suas pesquisas a serem apresentadas em novemnvro de 2019 no evento aqui do Texto Lire chamado UEADSL (Universidade, EaD e Software Livre)
[20:04] <CarlosCastro> Outro produto marcante dos nosso projetos de pesquisa foi a produção de um livro artesanal, que pode ser visto no slide 5
[20:05] <CarlosCastro> Que em um processo editorial colaborativo deu origem ao ebook "Memórias de letramentos: vozes do campo"
[20:05] <CarlosCastro> Ver slide 6
[20:06] <CarlosCastro> No slide 7 pode ser vista a tela do congresso nacional UEADSL, o qual levamos estudantes com suas produções desde 2006
[20:06] <CarlosCastro> No slide 8 há a sequência didática da produção desses artigos
[20:07] <CarlosCastro> No slide 9 há o trabalho com editor de texto
[20:07] <CarlosCastro> Nesse congresso, a interação é online e as possibilidades de letramentos em ferramentas digitais é grande
[20:08] <CarlosCastro> Pois devem participar de chats sobre o próprio material e, pelo menos, 3 outros
[20:08] <CarlosCastro> Vamos ao segundo projeto
[20:08] <CarlosCastro> No slide 14 pod ser vista a página do Olhares do Campo
[20:08] <CarlosCastro> Quem mantém essa página é o voluntário mauricioedocampo, que tb está aqui
[20:09] <CarlosCastro> Trata-se de um projeto de ensino, na nossa instituição recebem a sigla PROAE, que já teve uma outra versão no passado, nas qual eu também atuei, e basicamente é uma proposta de escrita de notícias e reportagens sobre as comunidades a serem distribuídas on-line e em boletins impressos para afixação em escolas, associações, sindicatos... algo que nun
[20:09] <CarlosCastro> ca aconteceu na verdade, mas no formato on-line podemos considerar o projeto bastante ativo, produtivo e com bons resultados.
[20:09] <CarlosCastro> O projeto Olhares do Campo atual acaba de ser renovado e, por ora, temos 1 bolsista para mais um ano e 4 graduandos voluntários e os colegas Luiz Henrique e Luiz Otávio, professores do mesmo curso, como colaboradores.
[20:09] <CarlosCastro> O projeto propôs-se a ser um laboratório de comunicação comunitária, trazendo foco no caráter experimental da atividade e nos processos educativos envolvidos, bem como no uso das tecnologias disponíveis e acessíveis nas comunidades envolvidas.
[20:09] <CarlosCastro> Abrangendo bolsistas e voluntários, uma rotina de publicação semanal de textos de teor jornalístico em site próprio <http://olharesdocampo.org> se consolidou como o motor da operacionalização do projeto e também divulgadas em uma fan-page no Facebook <http://facebook.com/olharesdocampo/>.
[20:10] <CarlosCastro> No slide 15 tem mais imagens do site
[20:10] <CarlosCastro> Ou vcs podem acessar o próprio site
[20:10] <CarlosCastro> http://olharesdocampo.org
[20:10] <CarlosCastro> Bimestralmente, as principais notícias passaram a ser sintetizadas em um boletim, posteriormente enviado para o canal interno de notícias da LEC-UFVJM, bem como para as escolas do campo da região.
[20:10] <CarlosCastro> Por ora, é isso.
[20:10] <CarlosCastro> Vou dar a vez para o Wester
[20:11] <WesterAlmeida> Gratidão Prof. CarlosCastro, pela partilha!
[20:11] <Elianepiske> Obrigada professor Carlos! Vamos continuar a conversa com o professor Wester: com relação a projetos de pesquisa e/ou extensão em Educação do Campo, você pode definir sinteticamente o principal trabalho em que está envolvido atualmente?
[20:11] <WesterAlmeida> como é lindo ver trabalhos como esse tendo tantos frutos.
[20:12] <WesterAlmeida> sou fruto de uma turma piloto, de 2010 à 2014.
[20:13] <WesterAlmeida> sabemos o quanto é carente o estudo nas áreas específicas, quando se trata da Educação do Campo.
[20:14] <WesterAlmeida> Não tenho tantos projetos exitosos como o Prof. CarlosCastro.
[20:14] <Paulo_Soares> Wester, pode falar um pouco sobre a sua pesquisa no mestrado em Educação do Campo?
[20:15] <WesterAlmeida> Minha pesquisa tem como tema: O ENSINO DE MATEMÁTICA NA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA JACYRA DE PAULA MINIGUITE/ES: POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE CONHECIMENTO MATEMÁTICO ESCOLAR E O CONHECIMENTO MATEMÁTICO POPULAR
[20:15] <isaclopes> bom dia,, eu não consegui ver os slides, porque não sei qual o código que devo colocar no espaço que solicita.,, mas está bom ver a conversa aqui.
[20:15] <Paulo_Soares> código agosto2019
[20:15] <CarlosCastro> isaclopes, código agosto2019
[20:15] <WesterAlmeida> meu interesse em pesquisar o ensino da matemática, tem gênese na graduação e se prolongou para o Mestrado.
[20:16] <isaclopes> obrigado CarlosCastro
[20:16] <WesterAlmeida> Objetivo Geral: Apresentar uma proposta de articulação entre o conhecimento matemático escolar e o conhecimento matemático popular dos estudantes, para utilização no processo de ensino e aprendizagem de Matemática da Escola Família Agrícola Jacyra de Paula Miniguite.
[20:16] <WesterAlmeida> Essa pesquisa se ancora metodologicamente na abordagem qualitativa. Trabalharemos dentro da vertente da pesquisa-ação, sendo esta, um método onde há a relação dialética entre o conhecimento e ação, entre pesquisadores e pessoas envolvidas na situação investigada e destes com a realidade. Thiollent diz que pesquisa-ação “[...] é concebida e realizad
[20:16] <WesterAlmeida> a em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e os participantes representativos da situação da realidade a ser investigada estão envolvidos de modo cooperativo e participativo (1985, p.14).
[20:17] <WesterAlmeida> O caminho percorrido nesse trabalho, para atingir os objetivos, contará com a utilização de pesquisa bibliográfica. Nos centramos em livros, capítulos de livros e artigos acerca dos seguintes conteúdos: história da Matemática e do ensino da Matemática, Educação Matemática/Educação do Campo.
[20:17] <WesterAlmeida> Utilizar-se-á a pesquisa de campo que consiste em coletar os dados da realidade a fim de analisá-los (ANDER-EGG,1978). Realizaremos a pesquisa documental. Nesta parte, serão utilizados, o Projeto Político Pedagógico (PPP) e o Plano de Ensino da EFA, Planejamento de ensino anual, plano de aula.
[20:17] <WesterAlmeida> À partir de algumas análises já realizadas, percebemos que: A referida EFA trabalha na perspectiva da apropriação dos conhecimentos científicos produzido são longo da história, de modo apensar historicamente sua realidade e afim de reagir sobre elas e necessário. A aprendizagem na EFA se ancora na proposta metodológica da Pedagogia da Alternância,
[20:17] <WesterAlmeida> que tem como objetivo romper com a concepção de linearidade.
[20:18] <WesterAlmeida> O mecanismo da alternância se apresenta como potencializador na aprendizagem já que possibilita no movimento alternado entre sessão e estadia, uma organização pedagógica do tempo educativo na escola e na comunidade, a partir do fazer, do viver, do pensar, ação e transformação, relação entre teoria e prática, que não pode ser dissociada. A matemáti
[20:18] <WesterAlmeida> ca, neste contexto, é entendida como uma disciplina importante que ajuda a compreender e problematizar a realidade, é uma ciência indispensável na vida do estudante e não pode se limitar ao imediato.
[20:19] <Paulo_Soares> Muito interessante a sua pesquisa, WesterAlmeida!
[20:19] <WesterAlmeida> temos uma página no instagram @matemáticanoceffa
[20:19] <WesterAlmeida> onde postamos um pouco do trabalho desenvolvido na escola.
[20:19] <Elianepiske> Gratidão, professor Wester! Bela pesquisa! Obrigada! Agora, professor Carlos:
[20:19] <Elianepiske> ofessores. O que vocês podem nos dizer a respeito da articulação das TDICs às práticas docentes em Educação do Campo?
[20:19] <WesterAlmeida> convido a todos a conhecer.
[20:21] <CarlosCastro> Aqui a UFVJM, essa articulação acontece de diversas formas, pois é uma necessidade, é parte da prática deles, são ferramentas necessárias à produção deles na universidade e nas suas comunidades nas práticas de ensino e estágios. Adicionalmente aos momentos presenciais do curso, há orientações a distância que são realizadas ou via ambiente virtual d
[20:21] <CarlosCastro> e aprendizagem Moodle, ou via e-mail, ou via comunicadores instantâneos diversos, de acordo com as preferências dos envolvidos.
[20:21] <CarlosCastro> Usam muito WhatsApp e Moodle.
[20:21] <CarlosCastro> Assim, estamos falando de um curso presencial com momentos a distância de extrema relevância para a formação dos estudantes.
[20:22] <CarlosCastro> As experiências que trago se referem a momentos presenciais e a distância, com especial destaque às participações dos estudantes no congresso nacional Universidade, Educação a Distância e Software Livre (UEADSL), promovido pelo grupo Texto Livre, aqui da Faculdade de Letras (FALE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
[20:22] <CarlosCastro> Dentre as atividades desenvolvidas pelo estudante-autor no UEADSL, há a inscrição on-line, a escrita de resumos e de minicurrículos, escrita e reescrita do artigo conforme orientações e revisão do professor, submissão dos trabalhos no site do evento, e a interação com os leitores nas datas do congresso.
[20:22] <CarlosCastro> O evento traz, ainda, para o diálogo voluntários de diversas instituições do país que participam das coordenações das mesas e, consequentemente, do debate posto.
[20:22] <CarlosCastro> As apresentações ocorrem, então, com a exposição dos trabalhos (Título, resumo, palavras-chave, minicurrículos dos autores e texto completo em .PDF) e o debate que acontece nos espaços para os comentários, na página própria de cada artigo.
[20:23] <CarlosCastro> O que pode ser visto nos slides 10, 11 e 12
[20:23] <CarlosCastro> Os congressistas que não apresentam trabalhos, que em um evento presencial representariam categoria ‘ouvintes’, devem ler um número mínimo de três artigos e comentá-los para garantir a presença no evento e seu certificado de participação. Assim é alimentada toda a rede dialógica.
[20:23] <CarlosCastro> As turmas da LEC que participaram do UEADSL são da habilitação Linguagens e Códigos, das disciplinas Gêneros Textuais e Discursivos e Sintaxe da Língua Portuguesa, em diferentes turmas desde 2016.
[20:23] <CarlosCastro> Atualmente já apresentaram cerca de 40 artigos que também foram publicados em anais eletrônicos. Neste semestre, estamos contando com cerca de 20 apresentações a mais, incluindo estudantes de Iniciação científica.
[20:24] <CarlosCastro> Alguns dos nossos resultados podem ser vistos no slide 13
[20:24] <CarlosCastro> Ainda sobre o uso de TDICs, todo o trabalho de iniciação científica também é feito on-line via Edmodo, um ambiente de aprendizagem gratuito que usamos.
[20:24] <CarlosCastro> Lá têm acesso às instruções em texto escrito e alguns vídeos. As tarefas são desenvolvidas, na maioria das vezes, em editores de texto e de slides.
[20:24] <CarlosCastro> Da mesma forma, o já citado projeto Olhares do Campo também é todo feito à distância, mas este tem instruções e trocas via e-mail e as práticas ultrapassam o uso de editores de textos e imagens, pois tem um site e uma Fan Page que são mantidos pelos estudantes.
[20:24] <CarlosCastro> Outros projetos de colegas também funcionam da mesma forma, a exemplo de um projeto de programas de rádio e podcasts (www.comunidadesdocampo.com.br) e outro de vídeo-cartas no Youtube.
[20:25] <CarlosCastro> O primeiro é coordenado pelo colega Diogo Neves Pereira e o segunda pela colega Ofelia Fraile
[20:25] <CarlosCastro> Todos esses projetos proporcionam o que podemos chamar de eventos de letramentos, na medida em que trazem práticas sociais de uso do texto escrito e envolvem a leitura não apenas nos aspectos fônicos, mas na construção de sentidos de forma ampla.
[20:25] <CarlosCastro> Em um país como o nosso, nem todos têm acesso às mesmas tecnologias e, quando têm, não necessariamente é de modo equivalente.
[20:25] <CarlosCastro> Há, porém, aquelas que se integram de forma decisiva à vida social de grande parte da sociedade – e, mais que isso, tornam-se muitas vezes marca de prestígio – passando, assim, a ser uma força orientadora de certas práticas dos mais diversos sujeitos.
[20:26] <CarlosCastro> São exemplos contemporâneos o uso do computador, do celular e dos gêneros textuais meme e e-mail.
[20:26] <CarlosCastro> Sabe-se que são instrumentos, recursos e práticas aos quais nem todo mundo tem acesso.
[20:26] <CarlosCastro> Por outro lado, sabe-se também que certos debates públicos, mudanças estéticas, formas de apreender o mundo, entre outros, são diretamente influenciados e mesmo pautados por essas novas realidades.
[20:26] <CarlosCastro> Nosso trabalho é pautado, nesse sentido, para o uso das tecnologias úteis aos letramentos, às leituras de mundo, aos usos da leitura e escrita enquanto práticas sociais mediadas, não apenas o uso da tecnologia pela tecnologia.
[20:26] <CarlosCastro> Nossos estudantes produzem “textos” no seu mais íntimo sentido, como conjunto de significados produzido na esfera discursiva, contextualizados no espaço, no tempo em diferentes esferas de atividade humana, de interação.
[20:26] <CarlosCastro> Acho que está respondido.
[20:26] <CarlosCastro> :]
[20:27] <Elianepiske> Obrigada, professor Carlos! Professor Wester: Texto Livre (Fale/UFMG) é um grupo de pesquisa, ensino e extensão que, entre tantos temas interdisciplinares, denota singular atenção às possibilidades e desafios na integração das tecnologias digitais da informação e da comunicação (TDICs) às práticas pedagógicas dos professores. O que vocês podem nos
[20:27] <Elianepiske> dizer a respeito da articulação das TDICs às práticas docentes em Educação do Campo?
[20:27] <WesterAlmeida> O uso da tecnologia educacional é uma importante ferramenta utilizada para contribuir no ensino-aprendizagem e cada dia vem ocupando espaço no debate sobre o ensino.
[20:27] <WesterAlmeida> Mas infelizmente ainda há, muitas escolas que não conseguem acessar totalmente essa ferramenta, sobretudo as escolas que estão localizadas no campo.
[20:28] <WesterAlmeida> Procuramos utilizar algumas ferramentas, como o uso de excel na construção de tabelas e gráficos, trabalho com matriz e determinantes, o GeoGebra é uma ferramenta muito importante no trabalho da geometria.
[20:28] <WesterAlmeida> Encontramos algumas dificuldades, pois o laboratório de informática da escola não atende as demandas das turmas, pois existem poucos computadores e um acesso fraco à internet. Outro fator limitante é que alguns estudantes por condições financeiras, ainda não tem acesso a computadores e celulares.
[20:29] <WesterAlmeida> nossa luta é para que todos tenham acesso à essa tecnologia, de forma plena.
[20:31] <Elianepiske> Nossa, professores! Obrigada! Vamos continuar a conversa professor Carlos?
[20:31] <CarlosCastro> A ausência de internet é nosso maior problema. Muitos dependem apenas de 3G
[20:31] <isaclopes> professor Carlos. como você vê o seu projeto refletindo na educação básica?
[20:31] <Paulo_Soares> WesterAlmeida, reconhecemos que há muitas dificuldades no processo. Você está de parabéns pelo engajamento e atuação docente na Educação do Campo.
[20:31] <WesterAlmeida> Paulo_Soares
[20:32] <WesterAlmeida> Tentamos usar as ferramentas que estão ao nosso alcance.
[20:32] <Paulo_Soares> isaclopes, ainda não abrimos para interação do público... Aguarde só mais um pouquinho.
[20:32] <CarlosCastro> isaclopes, te responderei junto à próxima questão da Elianepiske. :)
[20:33] <CarlosCastro> A próxima questão é: Como as práticas educativas nas escolas do campo contemplam a cultura campesina?
[20:33] <CarlosCastro> Podemos seguir, Elianepiske?
[20:34] <CarlosCastro> Acho que a pergunta do isaclopes, sobre o reflexo do nosso trabalho na universidade refletir na educação básica, tem muito a ver com essa questão.
[20:34] <CarlosCastro> Procuramos uma educação voltada para o protagonismo do estudante e para a autonomia.
[20:35] <CarlosCastro> Dessa forma, o processo de aprendizagem só pode ser significativo. Para isso, só mesmo contextualizando as experiÊncias de aprendizagem.
[20:36] <CarlosCastro> E para isso, utilizamos diferentes estrat´egias que ão desde os círculos de cultura de paulo Freire em alguns casos dos estágios a trabalhos específicos com gêneros textuais.
[20:36] <CarlosCastro> Vou dar alguns exemplos
[20:36] <CarlosCastro> Sobre a produção de gêneros textuais, por si só, contribui com a contextualização na medida que o conceito prevê um processo significativo e com propósito funcional, em cadeias dialógicas reais. Não promovo produção textual para gavetas, mas para leitores.
[20:37] <CarlosCastro> b) Nesse sentido, já produzimos textos memorialísticos diversos. Os primeiros foram organizados em um livro artesanal que serviu às reflexões sobre os processos de letramentos dos próprios estudantes, articuladas às reflexões teóricas.
[20:37] <CarlosCastro> Mais tarde, esses relatos memorialísticos das turmas de 2016 e 2017, antes reunidos em um livro artesanal, foram organizados em formato digital e lançado pela Editora UFVJM com o título Memórias de letramentos: vozes do campo (CASTRO; MAGNANI, 2017).
[20:37] <CarlosCastro> já dei esse exemplo antes e ele pode ser conferido no slide 6
[20:38] <CarlosCastro> Outro exempl são os cerca de 40 artigos já publicados foram todos sobre os próprios letramentos u sobre os letramentos que presenciaram no campo em estágios, na docência, em situações informais etc.
[20:38] <CarlosCastro> Os programas de rádio dos estudantes têm temas das comunidades como: um sujeito do campo; espaços educativos do campo; letramentos do campo etc.
[20:38] <CarlosCastro> e) As reportagens e matérias produzidas pelo Olhares do Campo são todas sobre as comunidades ou sobre um tema de interesse das comunidades.
[20:39] <CarlosCastro> O que vemos na educação básica tem muitos reflexos de tudo que fazemos na universidade
[20:39] <CarlosCastro> Fazemos livros na universidade e os estudantes fazem livros nas escolas em que atuam
[20:39] <CarlosCastro> Promovemos a produção de gêneros textuais da realidade dos estudantes como notícias de jornais e os estudantes promovem novas atividades com os mesmos princípios
[20:40] <CarlosCastro> Então, no que diz respeito aos estudantes das escolas onde nossos graduandos estagiam e/ou já atuam, as sequências didáticas desenvolvidas para o estágio têm a mesma base teórica que estou citando, os mesmos entendimentos e articulam as novas tecnologias de forma contextualizada assim como propomos nos projetos citados.
[20:40] <CarlosCastro> Há discussões sobre uso de celular em sala, por exemplo, mas geralmente os estudantes não encontram grandes resistências.
[20:40] <CarlosCastro> A falta de equipamentos certamente atrapalha, mas estamos aprendendo a usar de forma mais eficiente o básico que temos, como o celular que nos auxilia na gravação de vídeos, de áudios e para tirar fotografias.
[20:40] <CarlosCastro> Respondido, Elianepiske?
[20:41] <Elianepiske> Obrigada, professor Carlos! Professor Wester: Como as práticas educativas nas escolas do campo contemplam a cultura campesina?
[20:41] <WesterAlmeida> Através do trabalho coletivo entre escola e comunidade, onde a presença da comunidade é efetiva nas atividades pedagógicas da escola.
[20:41] <WesterAlmeida> Outro elemento essencial para efetivação de uma educação contextualizada, própria e apropriada aos sujeitos campesinos é a implementação de um currículo pautado nos saberes dos povos campesinos, estimula uma outra compreensão de território, enquanto espaço de produção de saber que caracteriza-se pelo respeito às especificidades e diferenças.
[20:42] <WesterAlmeida> A realização de projetos transversais pautado nos saberes dos povos campesinos, estimula uma outra compreensão de território, enquanto espaço de produção de saber que caracteriza-se pelo respeito às especificidades e diferenças.
[20:42] <Paulo_Soares> Elianepiske, para não passarmos muito das 21h, talvez seja adequado suprimirmos a pergunta 5, de tal forma que o público possa interagir um pouco com os professores Carlos e Wester. O que você acha?
[20:43] <WesterAlmeida> Temos o Plano de Estudo como nosso método guia, e é através dele que conseguimos fazer a articulação entre a comunidades e a escola.
[20:44] <Paulo_Soares> Pessoal, parece que a Eliane Piske teve um probleminha de conexão com a Internet.
[20:44] <Paulo_Soares> Vamos abrir para a interação do público com os conferencistas.
[20:45] <CarlosCastro> Boa ideia, Paulo_Soares!
[20:45] <Paulo_Soares> Nesse momento, quem desejar fazer perguntas aos professores Carlos e Wester, estejam à vontade!
[20:46] <Paulo_Soares> Alguém?
[20:47] <Paulo_Soares> Ok, colocarei uma questão então para os professores.
[20:47] <Paulo_Soares> Considerando-se o momento que vivemos no Brasil, porque é tão importante empreender esforços em defesa da Educação do Campo?
[20:48] <CarlosCastro> Bem, posso tentar
[20:48] <CarlosCastro> A educação do campo é uma grande vitória dos movimentos sociais e sua importância vai além de oferecer qualquer educação aos povos campesinos.
[20:48] <CarlosCastro> Os materiais padronizados, quando funcionam bem é porque o estudante de certa esfera social se identifica com ele em alguma medida.
[20:48] <CarlosCastro> No entanto, as periferias não se enxergam, de maneira geral, no material, nem nas metodologias da sala de aula de padrão urbano.
[20:48] <CarlosCastro> . A questão da contextualização está diretamente ligada à construção de significados, ao que o estudante pode chamar de “utilidade” daquilo que se aprende.
[20:48] <CarlosCastro> Se o conhecimento não se aplica à realidade, ele será esquecido.
[20:48] <CarlosCastro> Dessa forma, uma educação voltada para o reconhecimento desses sujeitos e de suas culturas é essencial às suas formações.
[20:49] <CarlosCastro> Adicionalmente, há de se dar voz às populações campesinas para entendermos suas necessidades educativas e sociais, o que pouco acontece.
[20:49] <CarlosCastro> Como educador do campo, hoje conheço apenas 3 coleções de livros didáticos aprovadas pelo PNLD: Campo Aberto, Girassol e Juriti; sendo que essa última eu fiquei conhecendo em um congresso recentemente.
[20:49] <CarlosCastro> é muito pouco!
[20:49] <CarlosCastro> E se pensarmos o momento atual, de ataque à diversidade, às universidades e retiradas de direitos, empreender esforços na educação do campo nunca foi tão necessário.
[20:49] <CarlosCastro> Como um curso de Licenciatura em regime de alternância, com visitas às comunidades do campo onde os estudantes residem, além do período que os estudantes estão na universidade, precisamos de uma pequena verba extra, além do que os outros cursos necessitam.
[20:49] <CarlosCastro> Em momentos de contingenciamento e cortes de verbas, essas visitas que promovem a troca de saberes entre universidade e comunidade podem deixar e acontecer.
[20:49] <CarlosCastro> Para se ter uma ideia da gravidade da situação, nossas visitas agendadas para final de agosto ainda não têm recursos disponíveis para que se concretizem.
[20:49] <CarlosCastro> Em outras duas universidades mineiras, as reitorias atuais, segundo fontes seguras, já estão fazendo discurso de que os cursos podem ser substituídos por cursos a distância.
[20:49] <CarlosCastro> Definitivamente a educação a distância pode ser uma grande aliada da educação, mas tirar a única possibilidade de trocas sociais mais significativas entre comunidades e universidade definitivamente não é o caminho.
[20:50] <CarlosCastro> O quadro que se vê para o futuro é um tanto turvo, assim como a nossa situação política; então, as tendências autoritárias que se apresentam diariamente em nossas telas devem influenciar o destino da educação do campo em um futuro próximo.
[20:50] <CarlosCastro> É isso!
[20:50] <Mmaharishi> Primeiramente parabéns pela partilha feita de maneira tão agradável. Obrigada por nos inspirar! Seguimos por uma educação do campo, perene e de qualidade.
[20:50] <WesterAlmeida> A Educação do Campo representa tudo aquilo que está ameaçado no atual momento histórico, precisamos nos organizar enquanto classe, para lutarmos pela restistência da Educação do Campo, pois sabemos que em tempos como o que estamos vivendo, tudo o que coloca em risco o rompimento do sistema será ameaçado.
[20:51] <isac_neto> olá estive ausente por alguns minutos
[20:51] <GILMARMIRANDA92> Perfeitas suas colocações, Prof. Carlos
[20:51] <isac_neto> gostaria de saber sobre o voluntariado
[20:51] <CarlosCastro> Fiquem à vontade para as perguntas.
[20:51] <CarlosCastro> Obrigado, WesterAlmeida, GILMARMIRANDA e Mmaharishi!
[20:52] <CarlosCastro> isac_neto, sobre que voluntariado? Os que citei no projeto de pesquisa?
[20:52] <Paulo_Soares> Excelentes exposições de CarlosCastro e WesterAlmeida!
[20:52] <WesterAlmeida> Agora mais do que nunca precisamos esquecer as categorias e nos organizarmos en quanto classe, que está ameçada, sofrendo ofensivas a todo momento.
[20:52] <Layane> Gostaria de agradecê-los pelo compartilhamento de conhecimentos!
[20:52] <barbaramoraisd> Professores, visto que estamos vivendo em um retrocesso sobretudo em relação à educação e as minorias, qual é a frente de batalha mais importante para garantir acesso à informação à todos e como nós, que vivemos nos centros urbanos, podemos colaborar?
[20:52] <CarlosCastro> Se sim, são projeto s da universidade que os universitários paticipam. O Grupo Texto Livre, que promove site evento, sempre tem oportunidades de voluntariado.
[20:54] <isac_neto> vi que seria voluntario em um projeto
[20:54] <CarlosCastro> bem barbaramoraisd, o que se houve muito é de fazer política local, articular movimentos dos bairros, cidades, regiões para educarmos a população. Já vi exemplos lindos de estudantes com "agências de checagem" de fake news no bairro conferindo o WhatsApp de todo mundo. Veja que ideia ótima!
[20:54] <CarlosCastro> Acho que temos que ajudar com o que é possível, com o que está ao nosso alcance.
[20:55] <CarlosCastro> Votar direito, por exemplo, é um caminho.
[20:55] <WesterAlmeida> barbaramoraisd o processo de formação de consciência de classe, mais do que nunca se faz necessário, temos nos portar enquanto professores intelectuais orgânicos e aproveitarmos o espaço de formção o qual estamos inseridos, para formar a classe trabalhadora.
[20:56] <CarlosCastro> isac_neto, estou locanlizando um email de contato pra te dar. 1 minuto
[20:56] <Paulo_Soares> Foi uma bela apresentação! Alguém ainda tem algo a falar? Vamos terminar?
[20:57] <Paulo_Soares> Ok, CarlosCastro!
[20:57] <Mmaharishi> Enquanto professores qual foi o maior aprendizado de vcs nessa relação de alternância?
[20:57] <WesterAlmeida> Gostaria de agradecer por esse momento.
[20:57] <CarlosCastro> isac_neto, acris@textolivre.org
[20:57] <Emeson_Porto> Gostei muito. Parabéns à todxs.
[20:58] <CarlosCastro> Tabémq uero agradecer a presença de todos e o interesse por nossos projetos, pela educação do nosso povo.
[20:58] <Paulo_Soares> Muito bom! Quanta troca, quantas experiências em Educação do Campo partilhadas aqui.
[20:58] <GILMARMIRANDA> Parabéns professores!
[20:58] <Paulo_Soares> clap clap clap clap
[20:58] <CarlosCastro> =D =D =D
[20:58] <Elianepiske> Chegamos no horário final, mas com gostinho de quero mais, muito mais! Estou e permanecerei encantada pela construção de vocês, parabéns! Gratidão pela oportunidade de compartilhar conhecimentos com vocês! Boa noite!
[20:59] <GILMARMIRANDA> Boa noite a todos
[20:59] <KleideFerreira> obrigada, foi muito bom...ja até estou pesquisando o site das comunidadesdocampo
[20:59] <CarlosCastro> Agradeço mais uma vez a oportunidade, Paulo_Soares e Elianepiske!
[20:59] <Paulo_Soares> Convidamos você a deixar a sua AVALIAÇÃO sobre a conferência de hoje pelo link: http://stis.textolivre.org/site/2016-02-13-17-37-57
[20:59] <Mmaharishi> Fica essa pergunta no ar hehehhe Abraços colegas! Obrigada
[20:59] <isaclopes67> eu também gostaria de parabenisar os professores pelas exposições,, deixo minhas desculpas por ter colocado a questão fora do momento previsto,, mas vamos que vamos,,, foi bacana demais
[20:59] <WesterAlmeida> Mmaharishi o Alternância quando entendida como algo que extrapola o movimento de espaços alternados, é um excelente potencializador da aprendizadem, pois há a efetivação da práxis pedagógica.
[21:00] <Mmaharishi> ;)
[21:00] <Hellen_Fernandes> Parabéns a Todxs
[21:00] <Paulo_Soares> Reiteramos os nossos agradecimentos aos conferencistas Carlos e Wester e, também, à professora Eliane por sua atuação nesse evento.
[21:00] <WesterAlmeida> Foi um momento muito rico, aprendi muito. Gratidão!
[21:00] <Paulo_Soares> Só mais alguns recados...
[21:00] <CarlosCastro> Mmaharishi, o que alimenta as minhas aulas sã as experiências nas comunidades, além da minha bagagem anterior.
[21:00] <Paulo_Soares> Bem, pessoal! As apresentações do STIS 2019 não terminam por aqui... No dia 11 de setembro teremos a segunda mesa-redonda desse bloco.
[21:01] <Paulo_Soares> Na ocasião receberemos as coordenadoras do Mestrado em Educação do Campo, da UFRB, para uma conversa sobre a temática da interdisciplinaridade nas pesquisas desenvolvidas naquele Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu. Está imperdível!
[21:01] <Mmaharishi> Gratidão !
[21:01] <Paulo_Soares> Em outubro, iniciam-se os trabalhos do bloco 4: USO EDUCACIONAL DA INTERNET, sob a coordenação do professor Jader Luís da Silveira. Então é isso... Continuem participando das conferências do STIS.
[21:01] <CarlosCastro> Boa noite a todos!
[21:01] <Paulo_Soares> Desejo uma excelente noite a todos, um forte abraço, e até a próxima!
[21:01] <CarlosCastro> Nós é que agradecemos, Mmaharishi!
[21:01] <CarlosCastro> Até a próxima, Paulo_Soares!
[21:02] <jader_silveira> Isso aí Paulo!! Todos estão convidados para os seminários de setembro, outubro e novembro!!
[21:02] <WesterAlmeida> Boa Noite a Todxs!
[21:02] <jader_silveira> Até a próxima!! Boa noite a todos!!
[21:02] <Paulo_Soares> Sim, jader_silveira!
[21:02] <Paulo_Soares> Com certeza!
[21:05] <isac_neto> qual o prazo para o certificado e a forma de recebimento?
[21:05] <POLLIANEOLIVEIRA> e qual o link
[21:05] <jader_silveira> Em breve os certificados serão enviados via e-mail
[21:06] <jader_silveira> Em caso que precisar desse certificado mais rápido, entre em contato com a equipe do STIS
[21:06] <POLLIANEOLIVEIRA> ok


STIS - Seminários Teóricos Interdisciplinares do SEMIOTEC, Powered by Joomla!