Imprimir este capítuloImprimir este capítulo

STIS 2011

Setembro: Aprendizagem Situada

registro Setembro

Registro de Conferência em chat escrito, de 16 de setembro de 2011:

 

Aprendizagem Situada

Conferencita: Elizabeth Guzzo

moderador: Equipe STIS


16 de setembro de 2011/ sala #evidosol-1 da rede Freenode de IRC

[14:06] <belcoimbra> Olá para todos vamos dar inicio ao nosso STIS de hoje.
[14:07] <acris> Olá! boa tarde!
[14:07] <Beth> Boa tarde!
[14:08] <belcoimbra> Bas Vindas a nossa paletrante de Hoje.Bem Vinda Beth
[14:08] <acris> :)
[14:08] <Beth> :)
[14:08] <belcoimbra> Bem vindos a todos!
[14:09] <belcoimbra> Vamos dar inicio ao nosso STIS com a Palavra da Professora Beth
[14:10] <belcoimbra> Beth sera que v poderai se apresentar? e Logo deposi iniciar sua paletsra.
[14:11] <belcoimbra> Termos at[e 60 min de apresentação e depois abriremos para  o bate papo
[14:11] <Beth> Sou doutoranda em Linguística Aplicada na FALE/UFMG e professora da Faculdade de educação da FaE
[14:12] <Beth> O objetivo didático dos STIS (Seminários Teóricos Interdisciplinares do Semiotec http://stis.textolivre.org/ ) é discorrer sobre um tópico teórico de uma das áreas de atuação e pesquisa do Programa Texto Livre de Semiótica
[14:12] <Beth> e Tecnologia visando um público interdisciplinar como o próprio grupo.
[14:13] <Beth> A partir dessa proposta, hoje focalizaremos a concepção de aprendizagem situada tendo como princípios a teorização de Jean Lave e Etienne Wenger
[14:13] <Beth> Dividiremos a apresentação em três partes: (1) a contextualização da teoria;
[14:13] <Beth> (2) a apresentação da teoria e
[14:13] <Beth> (3) aprendizagem situada e pesquisas recentes.
[14:14] <Beth> Então
[14:14] <Beth> 1.	Contextualização da teoria
[14:14] <Beth> Para Daniels (2003) os estudos de teorias tradicionais em cognição ignoram o contexto ou têm uma visão muito restrita sobre a relação entre a cognição e o contexto.
[14:14] <Beth> Embora algumas dessas teorias considerem os fatores sociais, a aquisição de conhecimento é vista como um processo individual.
[14:15] <Beth> Por outro lado, houve um crescimento de abordagens que buscam investigar a cognição em contexto como a aprendizagem situada (Lave, 1991) e a cognição distribuída (Salomon, 1993).
[14:15] <Beth> Ambas têm raízes nos estudos vygotiskianos e entendem que o conhecimento, pensamento e significado  são produções de atividades sociais.
[14:16] <Beth> Os estudos sobre a aprendizagem situada (para alguns autores cognição situada) iniciam-se a partir da década de 80 na antropologia. Uma obra de destaque é Cognition in practice de Jean Lave com sua primeira publicação em 1988.
[14:16] <Beth> Essa pesquisa de cunho etnográfico se desenvolveu em um projeto de Matemática para Jovens e Adultos nos EUA cujo objetivo foi
[14:16] <Beth> “investigar o uso da matemática in situ, observando os mesmos indivíduos em diferentes contextos em sua vida cotidiana” (Lave, 1991.p.14. Tradução nossa).
[14:17] <Beth> Este estudo focalizou situações que não são consideradas “acadêmicas”, fora da sala de aula como, por exemplo, a utilização da matemática no ato de fazer uma compra no supermercado, no ato de cozinhar ou no ato de fazer dietas
[14:17] <Beth> Com esse trabalho a autora buscou desenvolver um marco analítico alternativo para enfocar o estudo da prática cotidiana com raízes em Marx, Bourdieu, Giddens entre outros.
[14:17] <Beth> Posteriormente, essa autora publica juntamente com Etienne Wenger a obra mais conhecida Situated Learning: peripheral legitimate participation (1991).
[14:18] <Beth> Nessa obra, eles desenvolvem o conceito de aprendizagem situada a partir de um descritor analítico de engajamento de participação na prática e que será mais explorado na próxima seção.
[14:18] <Beth> passaremos agora ao ponto 2
[14:18] <Beth> 2.	Apresentação da teoria
[14:18] <Beth> A visão de aprendizagem situada se contrapõe à tradição funcionalista, essa abordagem inclui a separação da cognição do mundo social e se baseia também
[14:19] <Beth> na ideia de que o conhecimento consiste em unidades coerentes e isoladas cujas fronteiras e estrutura interna existem independentes do indivíduo. (Lave, 1991. p. 59)
[14:19] <Beth> Os trabalhos iniciais de cognição não consideravam o contexto ou forneciam uma perspectiva muito parcial da relação entre contexto e cognição. (Daniels, 2003. p.93)
[14:19] <Beth> A aprendizagem situada investiga o desenvolvimento da cognição (a aprendizagem) no contexto se apropriando de abordagens socioculturais como já mencionado anteriormente.
[14:20] <Beth> Lave (1991. p. 17) afirma que a cognição se distribui na mente, no corpo, na atividade e nos ambientes organizados culturalmente, no indivíduo, em outras pessoas, e em vários artefatos, tais como ferramentas físicas e simbólicas (Salomon, 1993).
[14:20] <Beth> Assim, a aprendizagem está distribuída entre os participantes, não no ato de uma pessoa, a distribuição do conhecimento está organizada socialmente.
[14:20] <Beth> A teoria da aprendizagem situada oferece um referencial analítico que enfoca o estudo da prática cotidiana.
[14:20] <Beth> Lave e Wenger (1991) afirmam que “podemos entender a aprendizagem situada como algo contínuo de nossa participação no mundo sendo a aprendizagem um aspecto integral e inseparável da prática social” (Lave; Wenger. p.31. Tradução nossa.).
[14:21] <Beth> Na medida em que para Lave e Wenger a aprendizagem está relacionada com o participar no mundo, os autores caracterizam essa participação como Participação Periférica Legítima (PPL).
[14:21] <Beth> O conceito de PPL implica na ideia de que os aprendizes participam de comunidades profissionais e que o domínio do conhecimento e da prática exige dos novatos que se direcionem à plena participação nas práticas socioculturais de uma comunidade. (Lave; Wenger. p.29).
[14:21] <Beth> Os autores relatam exemplos de pessoas envolvidas na solução de problemas relativos à sua participação em atividades  como as parteiras de Yucatec (México), alfaiates da Libéria (África), oficiais intendentes, açougueiros e alcoólicos anônimos
[14:22] <Beth> Os relatos demonstram pessoas agindo no mundo como membros de uma comunidade sociocultural acentuando a relação entre a atuação (dessas pessoas) e os ambientes, mostrando que o aprendizado está em consonância com diversas formas de produção.
[14:22] <Beth> Há relações importantes entre os membros da comunidade e o processo de participação e conhecimento. (Lave e Wenger, 1991. p.84)
[14:22] <Beth> Apesar de enfocar a aprendizagem em contextos não formais, esse estudo possibilitou levantar questões desafiadoras sobre aprendizagem e muitos autores (detalhados na seção seguinte)
[14:23] <Beth> têm se dedicado a pesquisar suas implicações no âmbito da educação dentro e fora da escola.
[14:23] <Beth> Os autores apreendem essa nova visão de aprendizagem a partir da PPL. Esta categoria é proposta como um descritor de engajamento na prática social que molda a aprendizagem como um constituinte integral.
[14:23] <Beth> Para Lave e Wenger (1991) “a participação periférica diz respeito a estar localizada no mundo social. Lugares e perspectivas em mudança fazem parte das trajetórias de aprendizagem dos atores, das identidades em desenvolvimento e formas de afiliação”. (Lave; Wenger. p. 36)
[14:24] <Beth> Assim, na PPL a aprendizagem é o processo do sujeito de tornar-se um membro pleno, engajando-se socialmente nas comunidades de prática. Lave e Wenger argumentam que a aprendizagem situada é, normalmente,
[14:24] <Beth> não-intencional e se dá quando indivíduos participam cada vez mais em “comunidades de prática”. O sujeito iniciante adquire conhecimentos, comportamentos e crenças estabelecidos na comunidade de prática e isso ocorre à medida em que ele participa mais e mais de uma comunidade.
[14:25] <Beth>  Mas o que seriam as comunidades de prática?
[14:25] <Beth> "A comunidade de prática é um conjunto de relações entre pessoas, atividade e mundo, ao longo do tempo e em relação com outras comunidades de prática tangenciais e sobrepostas (Lave; Wenger. p. 98).”
[14:25] <Beth> Desse modo, a participação em comunidades de prática se configura como o princípio da aprendizagem denominado por Daniels (2003) como “produção colaborativa” e que ocorre em conjunto com diversas práticas que possibilitam a participação periférica legítima.
[14:25] <Beth> Dizendo de outro modo, ela se “relaciona a uma maneira de ser no mundo social e não de vir a saber sobre ele.”
[14:26] <Beth> No artigo The practice of learning, Lave (1993) discute a questão do contexto, uma vez que aprendizagem situada diz respeito
[14:26] <Beth> às pesquisas da prática cotidiana de pessoas agindo nos cenários, a autora relata que esse fenômeno deve ser analisado no “the socially material world of that activity”.
[14:26] <Beth> Esse artigo é o de abertura da obra Understanding of practice em que vários autores escrevem sobre contextos múltiplos das atividades como
[14:27] <Beth> Huchins “aprender a navegar”, Engeström sobre a prática médica na Finlândia, e também em contexto escolar como o trabalho de Säljö e Wyndhamn.
[14:27] <Beth> Nesse texto, Lave reitera a ideia de que a aprendizagem é, então, um processo de mudança de compreensão na prática:
[14:27] <Beth> “Atividade situada sempre envolve mudanças no conhecimento e na ação (...) [e tais] mudanças (...) são centrais para o que nós chamamos de “aprendizagem.” (Lave, 1993. p.5-6)
[14:28] <Beth> Assim, o foco da aprendizagem situada se dá nos sistemas de interação os quais incluem
[14:28] <Beth> os sujeitos como participantes e as mudanças no conhecimento e na ação.
[14:28] <Beth> passaremos para a parte 3
[14:29] <Beth> 3. Aprendizagem situada e pesquisas recentes
[14:29] <Beth> Muitas pesquisas sobre a aprendizagem situada consistem em estudos principalmente na área de matemática, como demonstram os trabalhos da própria Lave (1984, 1991, 1993, 1996).
[14:29] <Beth> Atualmente, no Brasil, alguns estudos também têm como enfoque essa abordagem no âmbito da educação matemática como Frade (2003), Tomaz e David (2008), Miguel; Vilela (2008), Góes (2010), Oliveira (2010) e Rodrigues (2010).
[14:30] <Beth> No campo da sociologia educacional citamos Faria (2008), e Bergo (2011);
[14:30] <Beth> na linguística aplicada, temos Fontana (2010); e Paiva (2011) e Martins (2008) o último focaliza a complexidade, mas há menção sobre a aprendizagem situada
[14:31] <Beth> Também na linguística aplicada tendo em vista aspectos do uso da tecnologia e a aprendizagem situada podemos citar trabalhos estrangeiros como Herrington; Oliver, 2000a; Herrington; Oliver; Sparrow, 2000b;
[14:31] <Beth> Egbert, 2006; Krumsvik, 2008; Develotte; Mangenot; Zourou, 2005, Mills, 2011; Hannafin, 2008; Kim e Hannafin (2010), etc.
[14:31] <Beth> Apesar da diversidade temática apresentada acima, há poucos estudos que focalizam a aprendizagem do professor, com a criação de experiências situadas que considerem o aprender do docente (Putnam; Borko, 2000) a partir de uma perspectiva reflexiva e crítica.
[14:32] <Beth> Assim, explorar novas questões sobre a aprendizagem do professor (pré serviço) e sua formação para o letramento digital à luz da perspectiva teórica da aprendizagem situada é o nosso foco.
[14:32] <Beth> Em nossa pesquisa de doutorado, investigamos, sob a perspectiva da teoria da aprendizagem situada (Lave, 1991; Lave; Wenger, 1991), os letramentos digitais na formação inicial de professores de espanhol.
[14:32] <Beth> Para tanto, adotamos uma perspectiva etnográfica e busco analisar variados eventos de letramentos durante um ano nas disciplinas Análise da Prática e Estágio de Espanhol I e II.
[14:33] <Beth> Vale ressaltar que estou na fase inicial de análise dos dados.
[14:33] <Beth> Para Lave e Wenger (1991) “a análise da aprendizagem escolar como situada requer uma visão multifacetada de como o conhecimento e a aprendizagem são parte da prática social.” (Lave; Wenger, 1991. p. 40.)
[14:33] <Beth> No contexto de nossa pesquisa, a perspectiva situada aliada à perspectiva reflexiva e crítica da formação inicial do professor de espanhol possibilitam uma compreensão mais ampla do aprender a ensinar.
[14:33] <Beth> (com o uso de tecnologias)
[14:34] <Beth> Além disso, evidenciamos as questões sobre a integração das tecnologias no programa das duas disciplinas de estágio supervisionado do curso de graduação em letras (licenciatura em espanhol)
[14:34] <Beth> onde os alunos não somente usam as ferramentas tecnológicas, mas o fazem em atividades situadas.
[14:34] <Beth> As formas e os processos institucionais da formação do professor estabelecem como a profissão responde aos processos básicos de aprender a ensinar.
[14:35] <Beth> A formação de professores tem que integrar as realidades culturais do ensino/aprendizagem e, como parte dessa realidade, a tecnologia e seus papéis têm que ser amplamente explorados (Egbert, 2006. p. 168).
[14:35] <Beth> Sob essa perspectiva, buscamos enfocar o letramento digital e a percepção dos alunos do ponto de vista didático pedagógico, bem como analisar a participação desses aprendizes em pré-serviço
[14:35] <Beth> tendo em vista que “pessoas, ações e mundo estão implicados em todo pensar, falar, conhecer e aprender”. (Lave; Wenger. p. 167-168)
[14:36] <Beth> A teoria da aprendizagem situada ajuda-nos a entender como os letramentos digitais das participantes se constituem nas práticas sociais “digitais”.
[14:36] <Beth> Acreditamos que o letramento não é um processo monolítico que ocorre na cabeça dos sujeitos ou que se configura da mesma maneira para todas as pessoas em qualquer contexto (Street, 1984).
[14:36] <Beth> O “letramento é um processo dinâmico em que o significado da ação letrada é continuamente construído e reconstruído por participantes,
[14:36] <Beth> quando se tornam membros de um grupo social (turmas escolares, grupos profissionais e sociais diversos)”. (Castanheira; Green; Dixon, 2007. p.9)
[14:37] <Beth> Nosso intuito na pesquisa é analisar os letramentos digitais como práticas inscritas a partir da perspectiva da aprendizagem situada uma vez que essa concepção de aprendizagem
[14:37] <Beth> se dá por meio do engajamento dos sujeitos nas práticas sociais
[14:38] <Beth> e envolvem problemas, resistências, estratégias de aprendizagem e negociações de significado durante o processo de participação
[14:38] <Beth> e de mudança de identidades com a integração das tecnologias digitais durante um ano do estágio supervisionado.
[14:39] <Beth> Palavras finasi
[14:39] <Beth> *finais
[14:39] <Beth> Nossa proposta aqui foi contextualizar a teoria da aprendizagem situada, a partir do seu surgimento bem como os estudos relevantes.
[14:40] <Beth> Também buscamos apresentar aspectos chave da teoria como a participação periférica legítima, comunidades de prática, abordando os aspectos socioculturais dessa abordagem.
[14:40] <Beth> Por fim, indicamos algumas pesquisas no Brasil em diversas áreas sobre a Aprendizagem Situada e, no exterior, estudos na linguística aplicada com ênfase no uso de tecnologias e apresentamos um recorte dos aspectos
[14:40] <Beth> que pretendemos focalizar em nossa pesquisa de doutorado: a aprendizagem situada, letramentos digitais e a formação inicial de professores de espanhol.
[14:41] <Beth> Obrigada!
[14:41] <belcoimbra> Muito Bom! Beth
[14:41] <Beth> ;)
[14:41] <belcoimbra> Obrigada!
[14:42] <Junia> gostei demais
[14:42] <AnaMatte> adorei, Beth
[14:42] <Beth> Obrigada, Júnia, Ana
[14:42] <Luciana_> muito bacana, Beth
[14:42] <belcoimbra> POdemso abrir agora para questoes
[14:42] <belcoimbra> ou comentários..
[14:43] <AnaMatte> tenho uma pergunta
[14:43] <Beth> sim
[14:43] <AnaMatte> pelo menos uma :)
[14:43] <Beth> rss
[14:43] <AnaMatte> Beth, durante sua palestra, fiquei pensando na aprendizagem que acontece nas comunidades de software livre. É muito interessan tque as pessoas lá não são distintas por grau formal de escolaridade ou idade e um guri de 13 anos pode ensinar um doutor com a mesma propriedade com que esse mesmo doutor vai ensinar esse mesmo guri sobre outro assunto que conheça melhor. É esse tipo de situação que sempre busco trazer para de
[14:43] <adelmaa> Prezadas, tive uma renião em OP e na volta teve um acidente na estrada o que me atrasou a passage dos carros. Desculpe-me! Mas lerei com todo o prazer do mundo toda sua apresentação, viu Beth!
[14:44] <Beth> Ok, Adelma :)
[14:44] <Beth> nos estudos da Lave
[14:44] <Beth> ela foca mais na aprendizagem que no ensino
[14:45] <belcoimbra> Beth, v acha que podemos dizer pelo olhar da A Situada que a a aprrendizagem é coletiva?
[14:45] <Beth> o que vc chama de aprendizagem coletiva?
[14:46] <Beth> nas comunidades de prática
[14:46] <Beth> os novatos aprendem com os mais velhos
[14:46] <Beth> e os veteranos aprendem com os novatos
[14:46] <AnaMatte> beth, dizer que lave focaliza mais aprendizagem que ensino é tua resposta a minha pergunta? nao entendi...
[14:47] <AnaMatte> pra mim, ensino e aprendizagem são só dois lados da mesma moeda
[14:47] <belcoimbra> qdo v disse que  o letramento não é um processo monolítico que ocorre na cabeça dos sujeitos ou que se configura da mesma maneira para todas as pessoas em qualquer contexto
[14:48] <Beth> o ensino vejo como algo mais formalizado
[14:48] <AnaMatte> entao refraseio: A educação formal foge da prática porque a prática pode ameaçar hierarquia formal; eu vejo como muito saudável a recuperação do valor do conhecimento em si, ultrapassando e até desmistificando essa hierarquia, pois isso estimula um crescimento coletivo, fortalecendo a ideia freiriana de que quem ensina também aprende. Voce acha possivel trazer essa perspectiva para dentro do ambiente formal de ensino
[14:49] <Beth> e a aprendizagem segundo a concepção da Lave se define a partir da participação dos sujeitos nas práticas
[14:50] <acris> bom, insisto nas perguntas
[14:50] <Beth> acho que é possível, Ana
[14:50] <belcoimbra> qdo pensei na aprendizagem coletiva seria no sentido de que todos sempre aprendem alguma coisa juntos
[14:50] <Beth> e já alguns estudos
[14:50] <belcoimbra> o professor qdo ensina tb aprende
[14:50] <Beth> na área da matemática
[14:50] <Beth> bem interessantes
[14:50] <Beth> na FaE a professora Vanessa Sena
[14:50] <AnaMatte> :)
[14:51] <Beth> desenvolveu sua tese na educação matemática e a aprendizagem situada
[14:51] <Beth> e a interdisciplinaridade
[14:51] <Beth> um trabalho sobre a "água"
[14:51] <adelmaa> Beth, para Vygotsly a aprendizagem (o conhecimento) se da primeiro a nivel social e depois no individual. Como é que a aprendizagem situada concebe esta perspectiva?
[14:52] <Beth> a Aprendizagem Situada tem raízes vygotskianas
[14:52] <Beth> e se dá em um nível social tb
[14:53] <Beth> é uma visão contrária às linha cognitivistas (iniciais)
[14:54] <AnaMatte> é muito interessante mesmo
[14:54] <Luciana_> Nossos trabalhos de doutorado podem dialogar bastante, Beth.
[14:55] <adelmaa> Existe elemtnos da perspctiva Frerianan na AS. Se existe, quais são eles?
[14:55] <Beth> sim, Luciana
[14:55] <Luciana_> eu não sabia que vc estava trabalhando com AS tb
[14:55] <Junia> gosto muio da questão apontada por Ana
[14:56] <belcoimbra> V disse qua a A S é um estudos da pratica cotidiana e isso é muio interessante para pensar em todas as areas que envolvem o ensino
[14:56] <AnaMatte> o que eu noto é que, sempre que se consegue que os alunos participem das tarefas de aula como quem faz um trabalho muito mais amplo do que a própria aula, um trabalho para o mundo, para sua vida, a aprendizagem é muito mais rica. Claro que os alunos, acostumados com o ensino formal, tem dificuldades em engajar-se em projetos assim, que, no fim das contas, sempre dão mais trabalho
[14:57] <belcoimbra> fiquei penasndo no ensino de praticas corporais, de musica, ate de receitas de bolo rsrs
[14:57] <Luciana_> Quanto ao que a Bel comentou acima, o aprendiz se engaja em um processo de transformação sócio-cultural,
[14:57] <Beth> mas acho que é nesse trabalho engajado que a aprendizagem ocorre
[14:57] <Beth> na participação
[14:57] <Luciana_> em um contexto aproximado com o real. Essa é a PPL, como a Beth disse.
[14:57] <Luciana_> a coletividade se dá aí, não é ?
[14:58] <Beth> sim
[14:58] <Luciana_> essa transformação não é individual
[14:58] <AnaMatte> a cozinha é sempre a comunidade mais gostosa, belcoimbra  :D
[14:58] <belcoimbra> kkkkkk
[14:59] <belcoimbra> tem gente que na cozinha noa gosta de ninguem dando pitaco....
[14:59] <Luciana_> em termos de Complexidade, podemos dizer que a cozinha é um atrator
[14:59] <Junia>  acho a relação PPL e central em Lave um pouco linear
[14:59] <AnaMatte> exato, concordo: nunca é individual. é, por outro lado, constitutivo do sujeito no mundo
[14:59] <AnaMatte> exato, Luciana_
[14:59] <Beth> concordo Júnia
[14:59] <Beth> e a Lave quando veio aqui
[14:59] <Beth> em abril
[15:00] <Beth> disse que após 20 anos
[15:00] <Beth> do Situated Learning
[15:00] <Beth> pensa que poderia se PP e PL
[15:00] <Beth> Participação Periférica e Participoação Legítima
[15:00] <belcoimbra> desculpa o que é PP..
[15:00] <belcoimbra> okk
[15:01] <Beth> ela questionou várias coisas na obra...
[15:01] <Beth> no trabalho que citei da Vanessa ela questiona a PPL e utiliza a Teoria da Atividade para
[15:01] <Beth> dar conta de analisar os seus dados
[15:02] <belcoimbra> se voce fosse dar um exemplo de PP e PL para uma professora de ensino fundamental o que v diria...
[15:02] <Junia> pois é
[15:03] <Beth> acho que posso pensar
[15:03] <Beth> a partir dos dados da minha pesquisa, Isabel
[15:04] <Beth> posso denominar PP de uma participante que não se integrava nos eventos de letramentos digitais que propunha
[15:05] <Beth> e uma outra que estava sempre participando e inclusive apresentou um trabalho no Evidosol
[15:05] <Beth> é só uma hipotese que ainda não desenvolvi
[15:06] <Luciana_> eu tb entendo assim, Beth. Sou membro da CVL, mas tenho uma PP.  Participo pouco, observo e assimilo os que têm PL, que estão sempre interajindo, discutindo
[15:06] <Luciana_> interagindo, desculpem...
[15:07] <AnaMatte> é quase, numa redução grosseira, dizer que PP é o mau aluno e PL o bom aluno rs
[15:07] <Luciana_> ah, Ana, não vejo assim
[15:07] <AnaMatte> eu sei, eu disse que é uma redução grosseira
[15:07] <Luciana_>  o PP pode estar inseguro, a princípio
[15:07] <adelmaa> Beth, assim a análise da PP e do PL dessa sua participante você fez a partir da sua participação na atividades que você propôs, não é?
[15:07] <Luciana_> sim, entendi...rs
[15:08] <AnaMatte> claro. e tem gente cuja forma de participar é bem mais reservada
[15:08] <Beth> e nem por isso não está participando... não está aprendendo...
[15:08] <Luciana_> à medida em que o PP avança, ele pode se tornar PL
[15:08] <Luciana_> e pode até voltar a ser PP em algum momento
[15:08] <AnaMatte> é... mas sempre tem quem não se interesse, e por isso nunca vai virar PL
[15:09] <AnaMatte> não existe um método de ensino que consiga ser igualmente eficiente para todos os alunos
[15:09] <belcoimbra> penso que na "transição" tem-se que ir vivendo dasduas abordagens.. o que acham...
[15:09] <Junia> não acho que é o caso de avançar , mas dacompetencia que está sendo moblizada
[15:10] <adelmaa> Mas, como ficaria aquela participante que nõa tinha uma PP digamos ativa em sala , mas que tinha uma PL fora dela?
[15:10] <belcoimbra> A Pl demanda mais autonomia.. .. as vezes o alunou professor nao conegue se libertar tao facil dos padroes..
[15:10] <adelmaa> Por isto penso que na verdade a gente pode fazer me termos de gradação + ou _ PP ou PE, entende?
[15:11] <Luciana_> talvez, Adelma, se considerarmos fora e dentro da sala como um só contexto de aprendizagem, ele possa ser PL
[15:11] <AnaMatte> nossa, agora assutei com minha própria colocação: um método igualmente eficiente só seria viável com robos. E nenhum método decente de ensino atual admitira pensar nos alunos como um conjunto de unidades iguais
[15:11] <Luciana_> mas classificar é reduzir demais, não é, gente ?
[15:11] <AnaMatte> tambem acho, Luciana_
[15:11] <Beth> é polarizar....
[15:12] <Luciana_> essa participação não é linear
[15:12] <Junia> concordoLu
[15:12] <Beth> ela é mutante
[15:12] <belcoimbra> tb
[15:12] <belcoimbra> principalmente hoje com a super corrida de velocidade de informações em todo lugar..
[15:12] <woodsonfc> O problema parece ser dos termos PP e PL principalmente do último "legítima" como se outra fosse o contrário!
[15:13] <belcoimbra> hummm ...
[15:13] <Luciana_> desmerece a participação
[15:13] <belcoimbra> verdade
[15:13] <AnaMatte> é
[15:13] <Luciana_> ela acontece, mas não é "em alto e bom som"
[15:14] <Luciana_> Beth, vc trabalha com os conceitos de affordance e constraints na sua pesquisa, tb ?
[15:14] <Beth> bom, estou na fase inicial de análise
[15:14] <Junia>  estar em posição central ou periférica depende do que está sendo mobilizado
[15:14] <Luciana_> como eu..
[15:15] <Beth> e penso  em trabalhar com affordances
[15:15] <Beth> no trabalho que apresentei no Inpla utilizei o conceito
[15:15] <AnaMatte> isso, Junia
[15:15] <Junia> vejo isso no exemplo da Ana
[15:15] <Luciana_> vc conhece o trabalho de Greeno ?
[15:15] <Beth> sim, conheço
[15:15] <belcoimbra> me lembrei e uma historinha em que na escola a professora pediu para a criança desenhar uma flor de petalas vernelhas, caule e dua s folhinhas
[15:15] <Beth> ele é da matemática
[15:15] <Luciana_> sim
[15:16] <Beth> é interessante ver no Gibson tb
[15:16] <Luciana_> vc vai disponibilizar bibliografia da sua apresentação de hj ?
[15:16] <Luciana_> sim, concordo
[15:16] <belcoimbra> qdo a criança mudou de escola a prof pediu p que ela desenhasse uma flor da amniara mais criativa
[15:17] <Beth> sim se quiser posso colocar agora
[15:17] <belcoimbra>  a craiança desenho a flor de petalas vermelhas um caule e dua folhinas verdes..
[15:17] <Luciana_> ótimo
[15:18] <Beth> Referências
[15:18] <Beth> CASTANHEIRA, M. L.  GREEN, J. DIXON, C. N. Práticas de letramento em sala de aula: uma análise de ações letradas como construção social. Revista Portuguesa de Educação, 20(2), 2007. p. 7-38.
[15:18] <Beth> DANIELS, H. Vygotsky e a pedagogia. São Paulo: Loyola, 2003. DEVELOTTE, C. MANGENOT, F. ZOUROU, K. Situated creation of multimedia activities for distance learners: motivational and cultural issues. ReCALL, 17 (2) p. 229-244, 2005.
[15:18] <belcoimbra> desculpem divaguei, mas minha cabeça foi longe com essa teoria... que eu nao conhecia..obrigadaBeth
[15:18] <AnaMatte> nossa, belcoimbra
[15:18] <Beth> EGBERT, J. Learning in context: Situating language teacher learning in CALL. In: P. Hubbard & M. Levy (Eds.). In: Teacher education in CALL.  Amsterdam: John Benjamins. 2006. p. 167-182.
[15:18] <Beth> FARIA, E. L. A aprendizagem da e na prática social:   um estudo etnográfico sobre as práticas de aprendizagem do futebol em um bairro de Belo Horizonte . Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.
[15:18] <Beth> FONTANA, Beatriz. Tarefas colaborativas como prática social situada: uma abordagem sociointeracionista para o ensino-aprendizagem de línguas em sala de aula. VI COLÓQUIO DE PESQUISA Disponível em <http://www.uniritter.edu.br/eventos/sepesq/vi_sepesq/arquivosPDF/27978/2366/com_identificacao/Tarefas%20colaborativas%20como%20pr_tica%20social%20situada.pdf> Acesso 16 de set. de 2011.
[15:19] <Beth> FRADE, C.  Componentes tácitos e explícitos do conhecimento matemático de áreas e medidas. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.
[15:19] <Beth> GÓES, Marisa. A educação no projeto e o projeto na educação [manuscrito] : um estudo sobre o ensino e a aprendizagem de projeto na Arquitetura . Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Minas Gerais, Belo Horizonte,  2010.]
[15:19] <Beth> HERRINGTON, J.; OLIVER, R. An instructional design framework for authentic learning environments. Educational Technology Research and Development, 48 (3), p. 23-48, 2000a.
[15:19] <woodsonfc> E que é AFFORDANCES que não consigo traduzir aqui!
[15:19] <adelmaa> Não divagou não Bel você exemplificou o que a Júnia havia comentando acima: "posição central ou periférica depende do que está sendo mobilizado".
[15:19] <Beth> HERRINGTON, J.; OLIVER, R.; SPARROW, H.Towards a New Tradition of Online Instruction: Using Situated Learning Theory to Design Web-Based Units. Artigo apresentado em conferência no ASCILITE, Coffs Harbour, Queensland, 2000b. Disponível em <http://www.adelaide.edu.au/clpd/online/current/sitlearn/> Acesso 26 de setembro de 2010.
[15:19] <Beth> KIM, H. Exploring freshmen preservice teachers' situated knowledge in reflective reports during case-based activities. Internet and Higher Education, Volume 14, Issue 1, January 2011, 2010. p. 10-14.
[15:19] <Beth> KIM, H. HANNAFIN, M. Situated case-based knowledge: An emerging framework for prospective teacher learning. Teaching and Teacher Education Volume 24, Issue 7, October 2008, p. 1837-1845.
[15:20] <Beth> LAVE, J. La cognición en la práctica. Barcelona: Paidós, 1991. _____. The Practice of Learning. In: CHAIKLIN, S.; LAVE, J. (Ed.). Understanding practice: perspectives on activity and context. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. p. 3-32.
[15:20] <Beth> _____. Teaching, as Learning, in Practice. Mind, Culture, and Activity. v. 3, n. 3, p. 149-164, Summer 1996. LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: Legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press, 1991.
[15:20] <Beth> LAVE, J.; MURTAUGHT, M.; ROCHA, O. D. L. The dialectic of arithmetic in grocery shopping. In ROGOFF, B.; LAVE, J. (Ed.). Everyday cognition: Its development in social context. Cambridge: Harvard University Press, 1984. p. 67-94.
[15:20] <Beth> MARTINS, A. C. S. A emergência de eventos complexos em aulas on-line e face-a-face: uma abordagem ecológica . Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Faculdade de Letras, Universidade Federal Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.
[15:20] <Beth> MIGUEL, A. VILELA, D. S. Práticas escolares de mobilização de cultura matemática. Cad. Cedes, Campinas, vol. 28, n. 74, p. 97-120, jan./abr. 2008.
[15:20] <Junia> é isso aí
[15:20] <Beth> MILLS, N. Situated Learning through Social Networking Communities: The Development of Joint Enterprise, Mutual Engagement, and a Shared Repertoire. CALICO Journal, 28(2), 2011.  p. 345-368.
[15:21] <Beth> OLIVEIRA, G. G. N. O uso do hipertexto na aprendizagem de cálculo em um ambiente virtual. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Minas Gerais, Belo Horizonte,  2010.
[15:21] <Beth> PAIVA, V.L.M.O. Ilusão, aquisição ou participação. In: Diógenes Cândido de Lima. (Org.). Inglês em escolas públicas não funciona: uma questão de múltiplos olhares. São Paulo: Parábola, 2011,  p. 33-46.
[15:21] <Beth> RODRIGUES, A. J. Um estudo das identidades matemáticas de alunos do ensino médio da escola preparatória de cadetes do ar. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Minas Gerais, Belo Horizonte,  2010.
[15:21] <Beth> SALOMON, G. Distributed Cognitions: Psychological and educational considerations. Cambridge: CUP, 1993.
[15:21] <Beth> SILVA, R. Quando o santo chama: o terreiro de umbanda como contexto de aprendizagem na prática. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.
[15:21] <Beth> STREET, Brian V. Literacy in Theory and Practice. New York: Cambridge University Press, 1984.
[15:21] <Beth> Tomaz,V.S, & David,M.M. (2008) Interdisciplinaridade e aprendizagem da Matemática em sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica.
[15:21] <Beth> Foram essas
[15:22] <AnaMatte> muito bom, Beth!
[15:22] <Luciana_> Obrigada !
[15:22] <Luciana_> Nossa, tem muita coisa que eu não li
[15:22] <belcoimbra> eu nao conhecia essa teoria e achei muito proxima do venho desenvolvendo atraves dos caminhos da dança experimental voltado para  o ensino e vivencia da dança  no curso de educa ção fisica e posteriormente na escola
[15:22] <Luciana_> preciso providenciar isso JÁ !
[15:22] <Beth> Obrigada pela oportunidade de poder compartilhar com vcs
[15:22] <AnaMatte> :D
[15:22] <Beth> o que venho estudando...
[15:22] <belcoimbra> depois quero conversar mais comvs sobre isso..
[15:23] <Beth> acho que tem elos sim, Bel
[15:23] <Beth> vamos sim!!!
[15:23] <AnaMatte> nós é que agradecemos, Beth !
[15:23] <belcoimbra> Muito boa a palestraBEth!!
[15:23] <Luciana_> Bel, vc fez a disciplina da Carla Coscarelli e da Ana ? Lembro-me de alguém da dança lá.
[15:23] <Luciana_> Obrigada, Beth.
[15:23] <adelmaa> Parabéns Beth!
[15:23] <Luciana_> Foi uma excelente palestra !
[15:23] <Junia> Agradeço demais a oportunidade também
[15:23] <Junia> adorei
[15:23] <belcoimbra> Acho que seu trabalho é uma grande contribuição!!
[15:24] <Beth> Obrigada, depois podemos continuar essa conversa
[15:24] <Beth> me interesso muito pelo tema pessoal!
[15:24] <Junia> joia!
[15:24] <belcoimbra> Oi Luciana fiz sim!!!
[15:24] <Beth> ;)
[15:24] <belcoimbra> que bom encontrar vpor aqui!!!
[15:24] <Luciana_> ah, então era vc mesmo. que bom te rever aqui. ;-)
[15:25] <AnaMatte> com certeza, uma grande contribuição. Vamos publicar o log da palestra na página do STIS e posteriormente deverá sair nos Cadernos Didáticos do STIS
[15:25] <belcoimbra> Sabe Beth fico feliz em ver v  taoa animada!!!!!
[15:25] <Beth> estou demais!!
[15:25] <adelmaa> Mais uma palestra de excelência do STIS para o mundo!
[15:25] <Beth> estou adorando trabalhar essa temática
[15:25] <AnaMatte> belcoimbra: eu tambem fico feliz :)
[15:25] <Beth> graças a abertura da Ana!
[15:25] <Luciana_> que ótimo, Beth.
[15:25] <Luciana_> fica mais fácil analisar os dados assim
[15:25] <belcoimbra> UHUUUUUUUU STIS STIS STIS!!!
[15:25] <Luciana_> eu tb estou amando trabalhar com AS, ainda mais junto com complexidade
[15:25] <Beth> sim, Luciana acho que nossos trabalhos dialogam
[15:25] <Luciana_> tudo a ver !
[15:26] <Luciana_> vamos nos falar mais, ok ?
[15:26] <Luciana_> vou te escrever
[15:26] <Beth> não conheço da complexidade
[15:26] <Beth> sim,
[15:26] <belcoimbra> quero fazer um estudo de aproximação essateoria com a dança experimental.. conto com v!!
[15:26] <Beth> talvez eu trabalhe com a Teoria da Atividade tb
[15:26] <Beth> mas não tenho nada definido...
[15:27] <adelmaa> Gosatríamos de convidar todos a nos ajudar propagar essa nossa ideia que se trnou realidade e bem fecunda - O STIS. alho
[15:27] <Luciana_> o texto do Greeno aborda complexidade, tb, sem nomeá-la
[15:27] <belcoimbra> sim !
[15:27] <Junia> contem comigo
[15:27] <Luciana_> contem comigo tb
[15:28] <Beth> comigo tb!
[15:28] <Luciana_> eu gostaria muito de colaborar...posso ?
[15:28] <Beth> claro
[15:28] <Luciana_> seria legal fazer uma palestra aqui tb
[15:28] <adelmaa> Com certeza!
[15:28] <belcoimbra> me aguardem que em breve falaremos de dança por aqui... hehehhe
[15:28] <Luciana_> aguardamos, Bel !
[15:29] <Luciana_> vai ser ótimo.
[15:29] <Beth> qual o seu tema de interesse, Luciana?
[15:29] <Luciana_> bem, a teoria da complexidade é que enche os meus olhos
[15:29] <Luciana_> e inunda meus ouvidos
[15:29] <belcoimbra> Beth, v teria mais alguma coisa para compartilha?
[15:29] <Beth> Legal!
[15:29] <adelmaa> Ja estamos trabalhando o calendário STIS/2012.
[15:29] <Beth> para mim, tá ok.
[15:30] <Luciana_> foi um prazer estar aqui com vcs
[15:30] <AnaMatte> obrigada a todos pela presença e participação masi do que legítima :D
[15:30] <AnaMatte> e muito obrigada mesmo pela excelente palestra, Beth
[15:30] <AnaMatte> sim
[15:30] <belcoimbra> Bem, como moderadora dessamsa quero dar parabens a nossa palestrante de hoje clap clap~
[15:30] <AnaMatte> clap clap clap
[15:30] <belcoimbra> digo dessa mesa
[15:30] <Luciana_> clap clap !
[15:31] <woodsonfc> clap clap
[15:31] <adelmaa> Parabéns a AnaMatte nossa grande mentora e orientadora. Estes espaços de trocas são idealizados por ela e foii abrilhantado hoje pela nossa querida Beth!
[15:31] <belcoimbra> Em nome do STIS agradecer a todos pela participacoa! clap clap
[15:31] <Beth> Obrigada, :)
[15:31] <Luciana_> Um abraço a todos e um ótimo fim de semana. Bye !
[15:31] <adelmaa> clap clap clap clap clap
[15:32] <belcoimbra> Clap clap para Ana!
[15:32] <AnaMatte> :)
[15:32] <AnaMatte> adelmaa: é para meu próprio deleite ;-)
[15:32] <Luciana_> Take a bow, Ana !! clap clap clap
[15:32] <belcoimbra> Obrigada Ana, por nos ajudar em nossos sonhos e soprar nossas bolinhas de sabao!!!
[15:32] <adelmaa> e clap para Beth e todos os ilustres presentes!
[15:33] <adelmaa> Bel um clap para você bem especial, viu!
[15:33] <belcoimbra> Pessoal vamos nos falando pelos corredores e organizando a proxima palestra!
[15:34] <belcoimbra> um bj pra v tb Adelma!
[15:34] <adelmaa> Com certeza! Até lá!
[15:35] <belcoimbra> Bj  a todos! Bom final de semana..
[15:35] <Beth> bjs

Como citar este texto:

GUZZO, Elizabeth. Aprendizagem situada. In: STIS - Seminários Teóricos Interdisciplinares do Semiotec. Ano I, 2011. Disponível em: <http://stis.textolivre.org/site/index.php/artigos/12-stis/registros-das-palestras-logs/30-log-aprendizagem-situada>. Acesso em: 27 fev. 2014.

 

Todos os trabalhos aqui publicados estão licenciados segundo a Creative Commons

Creative Commons TL Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Based on a work at Texto Livre.