STIS 2020

03/JUNHO - Canção, Educação e Tecnologia

Bloco 2: Interdisciplinaridade em Debate

Coordenação: Eliane Lima Piske e Paulo Soares Batista

Mediação: Ana Cristina Fricke Matte (UFMG)

Data: 03/06/2020 - das 19:30h às 21h

STIS20junho2020

Sala de Conferências: clique aqui para acessar

Logo do STIS

prof.a Iara Rosa Farias Matheus Mafra
Ana Caroliina Noronha Iara, Ana e Matheus -- GESUSP

Mesa: Canção, Educação e Tecnologia: Interdisciplinaridade Semiótica

Nome: Iara Rosa Farias*, Ana Carolina Cortez Noronha** e Matheus Henrique Mafra**

Instituição: *Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e **Universidade de São Paulo (USP). Membros do GESUSP (Grupo de Estudos Semióticos da USP).

Resumos:

Em quarentena e-juntos! Pensemeando o mundo com a Semiótica francesa

Profa. Dra. Iara Rosa Farias/EFLCH/UNIFESP

Ouça a prof. Iara:


RESUMO: O conceitual da Semiótica francesa é um bom instrumento para entender os textos dos mais diversos tipos (canção, cinema, fotografias, poesias, notícias etc) e até mesmo as TIs. Nesta quarentena, apesar da distância, temos a oportunidade de discutir o livro de Ana Fricke Matte que nos aponta sobre o como as Tecnologias e a teoria francesa nos auxiliam a pensar, a semear e a refletir o mundo que deverá se transformar forçosamente. Em tempos de distanciamento físico, aproveitaremos para estarmos cognitiva e virtualmente juntos!

Educação, Semiótica e Tecnologia:  continuando diálogos

Profa. Ana Carolina Noronha/FFLCH/USP
Ouça a prof. Ana:
RESUMO: Quando se pensa a semiótica como um ferramental teórico com o qual se busca apreender os sentidos por meio de relações, tem-se que ela possibilita o estabelecimento de um campo propício ao diálogo entre diferentes disciplinas e às interações entre sujeitos de diversas áreas do saber.  O diálogo entre a semiótica e a educação estabeleceu-se há longa data, e nossa tarefa, como semioticistas e pensemeadores de ideias no mundo, é de nos apresentar como continuadores dessa interlocução, acrescentando a ela as tecnologias digitais como o meio pelo qual se dão uma parte cada vez mais importante das interações educativas contemporaneamente.  Nossa apresentação busca refletir sobre essa relação importante e necessária entre: educação, tecnologia e semiótica.

"Paixão por música": uma leitura; alguns apontamentos

Prof. Matheus Mafra/FFLCH/USP

Ouça o prof. Matheus:

No terceiro capítulo de seu mais recente livro, Ana Cristina Fricke Matte propõe uma reflexão sobre dois modos complementares de se entender a canção: primeiramente como um objeto que manifesta estados passionais e, em seguida, como objeto inserido em distintos sistemas de valores que, em última análise, revelam modos opostos de conceber e de se relacionar com a canção. Assim, em sua argumentação, a autora abre discussões num nível de pertinência diferente daquele ao qual a semiótica da canção sempre se propôs a examinar, sem contudo jamais perder de vista a concepção teórico-metodológica de Luiz Tatit. Ao fazê-lo, abre interessantes vias de reflexão sobre esse objeto, tão caro ao quadro brasileiro de semiótica. Esta apresentação busca dialogar com a reflexão de Matte, comentando alguns dos principais tópicos do mencionado capítulo e tentando trazer, se possível, alguma contribuição para desenvolvimentos futuros.

capa do livro Pensamentos em Semiótica: canção, educação e tecnologia

Baixe o livro aqui