STIS 2016

2. Março: Tecnologias Abertas no Ensino de Línguas

2.1. registro março

Registro da Conferência em chat escrito, de 19 de março de 2016:

 

 O uso de de tecnologias digitais abertas no ensino de línguas: relatos de experiências na UNILA e na UFMG
conferencistas: Jorgelina Ivana Tallei e Carlos Henrique Silva de Castro

 

 

moderador: Equipe STIS

 

 

[13:57] <adelmaa> É com imensa alegria que venho, em nome do Grupo STIS - SEMINÁRIOS TEÓRICOS INTERDISCIPLINARES DO SEMIOTEC e da profª Drª Ana Cristina
[13:58] <adelmaa> Fricke Matte, dar boas -vindas a todos vocês que nos honram com sua presença: conferencistas e participantes
[13:58] <adelmaa> O Stis é um programa de conferência realizado na penúltima semana de cada mês de março a dezembro, congregando pesquisadores do Brasil e do exterior em torno do
[13:58] <adelmaa> tema educação livre e democrática. O STIS, a Revista Texto Livre, o UEADSL e o EVIDOSOL/CILTEC são pés do
[13:58] <adelmaa> programa polvo denominado TEXTO LIVRE do CNPq, coordenado pela Profª Drª Ana Cristina Fricke Matte
[13:58] <adelmaa> Ao longo desta caminhada o STIS tem se firmado como um canal democrático de divulgação das pesquisas relevantes que estão sendo desenvolvidas no Brasil e no exterior
[13:58] <adelmaa> Na verdade, nós do grupo STIS, temos muito que comemorar, pois, neste curto período de tempo, o STIS já promoveu 24 eventos, com a presença de ilustres pesquisadores
[13:58] <adelmaa> tais como: Carla Viana Coscarelli, Luiz Tatit, Maria Lucia Castanheira, Alemida Filho, dentre outros nomes do Brasil e do exterior como o Brian Street (Kings College/Londres)  e o Julio Paz (Argentina).
[13:59] <adelmaa> Também divulgamos o STIS em dois eventos internacionais ocorridos: CLAFP / Brasília e no 19º Intercâmbio de Pesquisa em Linguística Aplicada (19º InPLA) e 5º Seminário
[13:59] <adelmaa> Internacional de Linguística (5º SIL), este último como convidados do Prof. Marcelo Buzzato.
[13:59] <adelmaa> Para que este trabalho se concretize a cada mês contamos com a colaboração voluntária de uma equipe fantástica de seres humanas altruístas
[13:59] <adelmaa> que compartilham da mesma concepção de que as mudanças na nossa sociedade só acontecerão através do acesso a educação para todos.
[13:59] <adelmaa> Assim, mais um ano de trabalho, de conferências extraordinárias, de encontros de saberes e rica de experiência se inicia hoje no STIS. Com ele, novas ideias,  novos projetos, novos expectativas, anseios e vontade de compartilhar o fazer
[13:59] <adelmaa> educação de forma democrática, ou seja, com acesso gratuito a todos os interessados. Este ano o GRUPO STIS tem desejos que almejamos concretizar: ampliar ainda mais nossas parceiras com instituições
[13:59] <adelmaa> educacionais e não educacionais que queiram, como a gente, dar acesso ao conhecimento a quem desejar recebê-lo.
[14:00] <adelmaa> Para que o STIS apresente a vocês as melhores conferências e os melhores conferencistas (claro!), contamos com uma equipe formada por 12 membros voluntários, que trabalham
[14:00] <adelmaa> incansavelmente com amor, consciência e dedicação a uma só causa: fazer a diferença no mundo por meio da educação
[14:00] <adelmaa> Quero agradecer publicamente à Profª Drª Ana Cristina Fricke Matte, idealizadora de todo Projeto Texto Livre, do qual o projeto STIS é uma de suas crias. Agradeço pela confiança em
[14:00] <adelmaa> mim depositada para coordenar este valioso projeto e ao meus/minhas  membros da equipe STIS, nominalmente:  Profª Drª Daniervelin Renata Marques Pereira (UFTM),Profª
[14:00] <adelmaa> Drª Elizabeth Guzzo de Almeida (UFMG/FAE), Prof  Dr Carlos Henrique Silva de Castro (UFVJM), Profª Aline Resende Pereira Marinho , Profª Fernanda Silva (UFMG), Profª Maria do Carmo Ferreira dos Santos (UFOP), Profª Thalita Santos Felício de Almeida (UFMG),
[14:00] <adelmaa> Profª Drª Margareth de Souza Freitas Thomopoulos  (UFTPR), profª mS. Marina Pontes , Profª Drª Rivânia Maria Trotta Sant'Ana (UFOP), Prof Dr Danilo Rodrigues César (UFTM),Prof. Hugo Leonardo Canalli e Prof Dr Woodson Fiorini de Carvalho.
[14:00] <adelmaa> Farei agora uma breve apresentação de nossos conferencistas convidados. Nossos dois conferencistas convidados são:
[14:00] <adelmaa> a profª Jorgelina Ivana Tallei, que possui Licenciatura em Letras pela Universidad Nacional de Rosario (2003), Mestrado em Letras - Língua Espanhola e
[14:01] <adelmaa> Literatura Espanhola e Hispano-Americana pela Universidade de São Paulo (2010) e Mestrado Profissionalizante na Área de Novas Tecnologias, pelo Instituto Universitario de Posgrado (Espanha). Doutoranda na área de Educação, no Doutorado
[14:01] <adelmaa> Latinoamericano no Programa de Pós-Graduação de Educação (FAE) da Universidade Federal de Minas Gerias (UFMG). Atualmente é Professora Assistente I de Língua
[14:01] <adelmaa> Espanhola como língua adicional na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA).
[14:01] <adelmaa> E coordena o Núcleo de Tecnologia a Distância da UNILA. Foi Professora na Universidade Tiradentes, em Sergipe, participando da área de educação a distância, e Professora da Faculdade Pio X, também em Sergipe
[14:01] <adelmaa> Foi professora doensino médio no Centro Federal de Minas Gerais (CEFET MG). Participa como pesquisadora do Centro del Espanhol como Língua Estrangeira da Universidade de
[14:02] <adelmaa> Rosario, na Argentina, do Grupo Recursos didáticos para as aulas de ELE, da USP, e do Grupo de Pesquisa GEMALE: Elaboração e Análises de Material para ELE, da UFS.
[14:02] <adelmaa> Elabora material didático de espanhol como segunda língua destinado a estudantes brasileiros.
[14:02] <adelmaa> Nosso segundo conferencista convidado é o prof Dr. Carlos Henrique Silva Castro. Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011-2015), é mestre em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local pelo Centro
[14:02] <adelmaa> Universitário UNA de Belo Horizonte (2009-2010). É bacharel e licenciado em Letras/Português pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000-2005). É Especialista em
[14:02] <adelmaa> Projetos Editoriais Impressos e Multimídia pelo Centro Universitário UNA de Belo Horizonte (2007-2008)
[14:02] <adelmaa> e em Design Instrucional para EaD Virtual pela Universidade Federal de Itajubá (2008-2009). É professor adjunto do curso de Licenciatura da Educação do Campo, habilitação Linguagens e Códigos, da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Interessa-se
[14:02] <adelmaa> pela formação de comunidades virtuais de aprendizagem, pelo uso das novas Tecnologias de Informação e Comunicação na educação e pelo ensino de Português.
[14:03] <adelmaa> É uma honra recebê-los profª  Jorgelina Tallei  e prof. Carlos Henrique, como conferencistas convidados,  em nossa sala virtual. Sejam vem-vindos!
[14:03] <adelmaa> A todos os participantes do Brasil e do exterior, gostaria de agradecer em nome de toda a equipe pela suas honrosas presenças. É um prazer tê-los conosco
[14:03] <CarlosHCastro> Muitíssimo obrigado pela oportunidade, adelmaa
[14:03] <adelmaa> nesta tarde de sexta-feira. Obrigada por nos ajudar a fazer do STIS uma ação concreta de democratização da educação de todos e para todos.
[14:03] <adelmaa> Passarei a palavra neste momento a moderadora deste evento, a profª Daniervelin, que explicará em detalhes o funcionamento de nossa conferência virtual. Obrigada, sejam bem vindos e um ótimo evento a todos!
[14:03] <marcosuemg_> OBRIGADO
[14:03] <daniervelin> Boa tarde a todos!
[14:03] <daniervelin> para quem participa pela primeira vez, explicamos que teremos 30 minutos de apresentação para cada conferencista
[14:03] <CarlosHCastro> É um prazer trazer um pouco do nosso trabalho pro STIS
[14:03] <daniervelin> a apresentação acontece apenas por escrito, no chat, ou seja, não há vídeo nem áudio
[14:03] <debora> boa tarde
[14:04] <daniervelin> durante esse tempo, a sala estará moderada
[14:04] <daniervelin> após as duas conferências, abriremos a sala para perguntas, sugestões e discussão geral das ideias expostas nas duas conferências
[14:04] <daniervelin> os conferencistas de hoje não utilizarão slides. Então, por favor, desconsiderem o campo ao lado para inserir código, pois ele não será necessário
[14:04] <daniervelin> vocês podem regular o tamanho do chat ajustando a coluna vertical entre as partes (ao meio desta página de internet)
[14:04] <daniervelin> desejamos um ótimo seminário a todos!
[14:04] <daniervelin> Profa. Jorgelina Tallei, pode começar, por favor. Obrigada por aceitar o convite do STIS
[14:04] <CarlosHCastro> Obrigado, daniervelin
[14:04] <Jorgelina> Boa tarde! Em primeiro lugar agradecer o convite e um prazer estar com vocês! Peço licencia para escrever em espanhol.
[14:05] <Jorgelina> Não fiz slides, mas penso que está claro para poder ir acompanhando. Queria também comentar que o primeiro projeto não trabalha de forma totalmente com recursos educativos abertos, mas estamos na fase de planificação para que todos os recursos educativos nas aulas sejam abertos.
[14:05] <Jorgelina> Vamos lá!
[14:05] <Jorgelina> Este trabajo explica algunos de los proyectos en el área de Lenguas en la UNILA. En especial el trabajo realizado en las clases de español y las clases invertidas.
[14:05] <Jorgelina> Para contextualizar: la UNILA (Universidad Federal de Integración Latinoamericana)  tiene el llamado Ciclo Común de Estudios que es cursado por todos los alumnos de la Universidad en tres semestres.
[14:05] <Jorgelina> En esos tres semestres los alumnos cursan: Lenguas Español o Portugués, Fundamentos de América Latina y Filosofía.
[14:06] <Jorgelina> La UNILA es una universidad bilingüe, cuya vocación es la integración latinoamericana, el bilingüismo y la interculturalidad.
[14:06] <Jorgelina> Y cuenta com alumnos de muchas nacionalidades: colombianos, ecuatorianos, brasileros, paraguayos, argentinos, haitianos, cubanos, entre ellos.
[14:06] <Jorgelina> Está localizada estratégicamente en la Triple Frontera, en la ciudad de Foz de Iguazú, Paraná. Para quien quiera conocer más: https://www.unila.edu.br/
[14:07] <Jorgelina> Comenzaré a relatar mi experiencia con TIC y español.
[14:07] <Jorgelina> Para trabajar el concepto que refiere a las tecnologías de la información y la comunicación me gustaría iniciar definiendo los conceptos con los cuales he trabajado durante todo el semestre con los estudiantes de español. El primero de ellos se refiere al concepto de “clases invertidas”.
[14:07] <Jorgelina> El concepto “clases invertidas” toma prestado el término del inglés flipped classroom que significa invertir la lógica de la organización en una clase.
[14:07] <Jorgelina> El mismo surge en algunas escuelas de enseñanza secundaria de la provincia de Colorado en los Estados Unidos (EEUU) y parte de una idea de los profesores Jonathan Bergman y Aaron Samns, comienza porque sus alumnos tenían que ausentarse regularmente de las clases
[14:08] <Jorgelina> ya que muchos de ellos eran atletas.
[14:08] <Jorgelina> De esta forma, los profesores pensaron que una buena forma de resolver ese problema era grabar videos con explicaciones cortas y que luego los estudiantes lo pudieran ver en cualquier momento y el momento en que estuvieran presente en la clase lo dedicarían apenas a debatir
[14:08] <Jorgelina> y discutir las ideas a partir de esos videos.
[14:08] <Jorgelina> A medida que iban grabando las clases se dieron cuenta que los videos ayudaban a los estudiantes en el proceso de aprendizaje, así decidieron ponerlo en práctica con todo el grupo y fueron perfeccionando la técnica.
[14:09] <Jorgelina> Fue así como descubrieron un software para grabar presentaciones de power point, y grabaron más videos llevando esa metodología para todos los congresos que participaban, posibilitando de esa manera que otros profesores también la pongan en práctica.
[14:09] <Jorgelina> En relación a la metodología, las clases invertidas trabajan desde su base teórica con el concepto de las inteligencias múltiples y el pensamiento crítico. Las clases invertidas también propician pensar en una metodología mixta, o mejor dicho, la llamada “enseñanza híbrida”, que resulta de la
[14:09] <Jorgelina> combinación de dos modalidades de enseñanza, en este caso la presencial y a distancia o con diferentes usos de diversos medios digitales. Otra de sus características fundamentales es trabajar con el concepto de autonomía, que lo trabajé desde el concepto de Paulo Freire.
[14:10] <Jorgelina> Para realizar el trabajo, en un primer momento tuve en cuenta un análisis de las necesidades de los alumnos. El análisis de necesidades siempre estaba relacionado a la metodología y a los objetivos que luego serían desarrollados en la clase.
[14:10] <Jorgelina> Este análisis tuvo en cuenta el contexto de enseñanza y los objetivos que se pretendían alcanzar. Fue realizado mediante un cuestionario aplicado el primer día de clases. En el mismo se les preguntaba sobre sus intereses en el aprendizaje de la lengua y que metas querían lograr, así como, cuáles serían las herramientas que según ellos les permitiría alcanzar las metas.
[14:11] <Jorgelina> El resultado del cuestionario apuntó que el 80% de los estudiantes prefería trabajar con videos en las clases, ya que los ayudaba en el aprendizaje de la otra lengua por contener imágenes, fuentes de información y ser de corta duración.
[14:11] <Jorgelina> A partir de ese análisis decidí entonces trabajar con la pedagogía basada en proyectos, ya que a partir de varias reuniones y trabajos en grupos se tomó la decisión con el conjunto de profesores de lenguas de la UNILA de seguir esa metodología por considerarla la más adecuada dada el perfil de los estudiantes y el contexto de estudio.
[14:12] <Jorgelina> La pedagogía por proyectos trabaja a partir de temas y apuesta a un aprendizaje significativo y al trabajo colaborativo realizado en grupos. Esta metodología está ligada a la llamada Escuela Nueva, corriente de la Pedagogía.
[14:12] <Jorgelina> Propone como una de sus principales características el trabajo integrado e interdisciplinar. En el proyecto busqué trabajar con las áreas en las cuales impartía las clases, estas son: Historia y Antropología, trabajando además con los contenidos de Fundamentos de América Latina que los estudiantes aprenden em el primer semestre.
[14:12] <Jorgelina> El objetivo final es que los estudiantes trabajando en cooperación puedan crear un proyecto que apunte a temas relacionados a sus estudios. En esta metodología, los estudiantes trabajan con pequeñas tareas durante todas las clases que tienen como fin prepararlo para la realización de la investigación final.
[14:13] <Jorgelina> La autora Gloria Rincón (2003) determina algunos pasos que sigue esta metodología y que fueron seguidos en este proyecto. Según esta autora:
[14:13] <Jorgelina> Hoy, son múltiples las acepciones y usos de este término. Josette Jolibert (1994) lo define así: “es una de las estrategias para la formación de personas que apunta a la    eficiencia y eficacia de los aprendizajes y a la vivencia de valores democráticos, a través de un trabajo cooperativo, de co-elaboración del plan, de co-realización, de co-teorización que debe involucrar a todos los actores: maestros-alumnos”. (2003:2
[14:13] <Jorgelina> Los pasos para realizar trabajos adoptando esta metodología son:   La planificación colectiva: qué vamos aprender, cuál es el tema propuesta, con quién voy a realizar el trabajo y cómo lo voy a conseguir, cómo será evaluado el trabajo final.
[14:14] <Jorgelina> El desarrollo del proyecto: todas las tareas que se llevarán a cabo para la tarea final propuesta. Estas tareas deben tener un objetivo y guiar a los estudiantes para la ejecución del trabajo final. Es importante en esta etapa, que el profesor guie a los estudiantes en las fuentes de informaciones, le indique sitios donde buscar la información.
[14:14] <Jorgelina> La evaluación final: en la evaluación final se deben tener en cuenta todos los pasos elaborados para llegar al trabajo final.
[14:14] <Jorgelina> En este proyecto, para determinar los temas que se trabajarían en la clase se distribuyó un cuestionario al inicio del semestre y se tuvieron en cuenta los contenidos que se trabajarían en Fundamentos de América Latina, materia que dialoga en todo momento con lenguas adicionales en el ciclo común
[14:14] <Jorgelina> Los temas para los proyectos que se realizarían se dividieron de la siguiente manera:
[14:15] <Jorgelina> Diversidad, contato y fronteras lingüísticos culturales. Movilidad moderna y contemporánea Retratos culturales de América Latina Medioambiente, biodiversidad y desarrollo sostenible
[14:15] <Jorgelina> Todos los temas deberían ser trabajados en las clases y a partir de allí, los estudiantes debían escoger un tema para desarrollar un proyecto final y el profesor grabaría los videos con contenidos de la clase. Así, se tuvieron en cuenta los conceptos antes citados.
[14:15] <Jorgelina> Yo hacía la grabación de un video por clases explicando los contenidos que se trabajarían em la siguiente clase y los alumnos iban a la clase a debatir y discutir lo que ya habían visto e investigado a partir del video.
[14:16] <Jorgelina> Desde esta perspectiva pude ver que:  El estudiante perfila su diseño curricular según el interés y la necesidad que le origina su entorno y su experiencia.
[14:16] <Jorgelina> El estudiante aprende haciendo.  El estudiante se plantea objetivos mínimos a cumplir.  El estudiante es el protagonista de todo el proceso de aprendizaje, el profesor apenas actúa como un guía, como veremos al exponer el uso de los videos en la clase.
[14:16] <Jorgelina> Es importante considerar también que hay diferentes fases en la pedagogía por proyectos que los alumnos deben seguir para llegar con éxito a cumplir su objetivo final. La primera de ellas refiere al trabajo en equipo: durante un tiempo estipulado por el profesor, en este caso el tiempo fue de 2 meses, los estudiantes deben recopilar información sobre el tema escogido por el grupo.
[14:16] <Jorgelina> La segunda parte es la de planificación, es en esta fase donde cada uno de los participantes define que tarea específica va a realizar. Y la fase de realización del proyecto, es la parte de la investigación y la puesta en práctica del proyecto. También es aquí donde los estudiantes revisan entre todos el proyecto, se consultan y corrigen entre ellos y finalmente con el profesor.
[14:17] <Jorgelina> Y por último la fase de evaluar y valorar, es la presentación del proyecto final ante el grupo, debate y comentarios entre todos. Al finalizar el proyecto los estudiantes evaluaron el proceso en el siguiente cuestionario:  https://unila.typeform.com/to/tXxJc8
[14:17] <Jorgelina> De acuerdo a los resultados los estudiantes se sintieron más identificados con los videos por considerarlos más próximos a la cultura digital y su día a día. También pude observar que al principio de las actividades, los estudiantes prestaban más atención a los videos, dando menos
[14:17] <Jorgelina> atención hacia el final del proyecto. Entre los comentarios apuntados por los estudiantes podemos ver que uno de los problemas enfrentados refería a la elaboración de los videos; dado que los mismos eran simples y por ese motivo se tornaron monótonos al final del proyecto.
[14:18] <Jorgelina> Más del 60¨% del grupo afirmó haber visto todos los videos. Eso se vio reflejado en las clases, puesto que quien no veía los videos no participaba de manera efectiva en las clases. Todo el grupo concordó que los videos ayudaron para comprender mejor los contenidos de la clase, así como el 90% buscó material complementario a partir de los videos para luego debatir en las clases.
[14:18] <Jorgelina> Un 45% afirmó que aprende tanto en casa como en la Universidad, y un 9% afirmó que el aprendizaje de la lengua no resulta apenas de asistir las clases en la Universidad.
[14:18] <Jorgelina> Los videos además ayudaron a organizar mejor el estudio y que el trabajo con un manual y con videos sería lo ideal.
[14:18] <Jorgelina> Para acompañar todo este proceso y para reflexionar sobre las funciones y contenidos establecidos en el programa de estudios, fueron utilizados video clases, grabados cada semana. Así, los estudiantes de español trabajaron de la siguiente manera:
[14:18] <Jorgelina> Los lunes se grababan los videos con los contenidos que se trabajarían en las clases del día martes y del día jueves, exponiendo ejemplos y usando diferentes recursos. Los estudiantes a su vez veían los videos y realizaban preguntas y debates en el grupo de Facebook.
[14:19] <Jorgelina> El grupo pertenece al curso de Antropología, de la UNILA y se encuentra disponible en el siguiente enlace: https://www.facebook.com/groups/1406608309603550/?fref=ts.
[14:19] <Jorgelina> Todos los videos están disponibles aquí: https://www.youtube.com/user/Jorgelinat1
[14:19] <Jorgelina> Algunos de los trabajos finales presentados por los alumnos fueron los siguientes:  Blog: http://integrandolaslenguas.blogspot.com.br/
[14:19] <Jorgelina> En el siguiente trabajo los estudiantes trabajaron presentando la diversidad de lenguas y culturas presente en la ciudad de Foz de Iguazú. La propuesta era por un lado acercar a los estudiantes a la realidad de su contexto de estudio y trabajar con el tema sobre fronteras y lenguas.
[14:20] <Jorgelina> Página Rede Social: https://www.facebook.com/pages/UNILA-biling%C3%BCe-cuenta-la-historia-de-Foz-de-Iguaz%C3%BA/682616085082077?ref_type=bookmark
[14:20] <Jorgelina> Este grupo escogió presentar la historia de Foz de Iguazú elaborando una página en la red social Facebook. Para ello tuvieron en cuenta aspectos trabajados en la clase sobre la estructura principal de las páginas en redes sociales. Y los temas de contenidos trabajados son sobre intercambio. La página es bilingüe, español y portugués.
[14:20] <Jorgelina> Video: https://www.youtube.com/watch?v=kTag92TfgLU&feature=youtu.be   Por último, este grupo realizó un video contando de forma breve algunas peculiaridades de la vida en la frontera. Para ello contaron también con entrevistas locales. Los estudiantes realizaron la guía del video en la clase, corregían y se evaluaba conjuntamente con la profesora como sería realizar la filmación.
[14:21] <Jorgelina> Los videos que yo realizaba  fueron grabados con la cámara del celular o de la Tablet de manera casera, no fueron editados. Es importante para dar continuidad al proyecto que la grabación de videos requiera edición y guion de todos los que serán grabados durante el semestre.
[14:22] <Jorgelina> El contexto actual de enseñanza y aprendizaje de lenguas se “re significa” todos los días y es en este contexto el papel del profesor también debe re significarse. Y es en este lugar donde las tecnologías desempeñan un rol importante en la conformación de nuevos espacios y nuevos medios de colaboración e integración.
[14:22] <Jorgelina> El proceso educativo tiene en cuenta las nuevas formas de aprender e interactuar de la sociedad informacional que afecta tanto a los profesores, a través del dominio de la didáctica específica de su formación y desarrollo profesional
[14:23] <Jorgelina> como a los aprendices que se ven en la obligación de desarrollar nuevas habilidades nuevas habilidades, a partir de las cuales, puedan codificar y decodificar mensajes, formar un pensamiento crítico y potenciar su desarrollo personal y cultural, pudiendo de este convertirse en usuarios preparados para el uso de las nuevas tecnológicas que demanda la
[14:23] <Jorgelina> sociedad.
[14:23] <Jorgelina> Así, no podemos dejar de mencionar la importancia del compromiso institucional con relación a la formación del profesorado y a la gestión y organización de recursos y herramientas necesarias para que se cumplan tales retos educativos en respuesta a los desafíos actuales de las escuelas.
[14:24] <Jorgelina> Sabemos desde hace tiempo ya que las TIC no salvarán a la educación mucho menos a la enseñanza de idiomas. Ahora bien, no podemos negar que muchas herramientas tecnológicas nos permiten la creación de nuevos espacios de aprendizaje y la inclusión de nuevas propuestas en las clases.
[14:25] <Jorgelina> Las clases invertidas han posibilitado que se trabaje en la clase utilizando diferentes herramientas atendiendo a las necesidades de los estudiantes. De igual manera, se ha trabajado con diferentes estilos de aprendizaje tratando de observar todos los estudiantes, ya que siempre son grupos heterogéneos.
[14:25] <Jorgelina> Creeamos además un material disponible en licencia abierta que está disponible en este enlace y es tán todas las actividades que trabajamos en este proyecto:  https://sites.google.com/site/unilacrea/manual-espanol-intercultural-2015
[14:26] <Jorgelina> El manual cuenta con la colaboración de muchos profesores que utilizan las actividades, es de licencia abierta. Además pueden encontrar videos, enlaces y la explicación detallada del proyecto.
[14:27] <Jorgelina> Otro de los proyectos desarrollados en la UNILA y que será lanzado en el segundo semestre es un curso en español y portugués en el formato MOOCs, abierto para todos los que tengan interés en aprender español y portugués
[14:28] <Jorgelina> Así como también un test online de nivel en formato electrónico para estudiantes en movilidad académica.
[14:29] <Jorgelina> Muchas gracias! Peço desculpas em um momento que fui mais rápido mas não queria atrapalhar o tempo ;-) Obrigada e gracias por estar aqui!
[14:29] <daniervelin> Gracias, Profa. Jorgelina Tallei!
[14:29] <daniervelin> Passamos a voz ao professor Carlos Henrique Castro! Obrigada por aceitar o convite do STIS!
[14:29] <CarlosHCastro> Olá a todos!
[14:30] <CarlosHCastro> É um prazer estar aqui hoje, sobretudo porque compartilho esse espaço com a professora Jorgelina Tallei, profissional que engradece a universidade brasileira com sua larga experiência linguística e cultural.
[14:30] <CarlosHCastro> Agradeço aos organizadores do STIS pelo espaço de debate, tão necessário para essa troca de experiências que resulta, invariavelmente, em crescimento para todos nós.
[14:30] <CarlosHCastro> Como a gente curtir o STIS, não deixem de ir até a página deles no Facebook e dar um joinha: https://www.facebook.com/stis.lingtec/?fref=ts&ref=br_tf&__mref=message_bubble.
[14:31] <CarlosHCastro> ops... com a gente curtE o STIS...
[14:31] <CarlosHCastro> A apresentação de hoje consiste, então, em compartilhar com vocês os relatos de Jorgelina e meu sobre nossas experiências com software livre na universidade. O título da conferência é O uso de de tecnologias digitais abertas no ensino de línguas: relatos de experiências na UNILA e na UFMG .
[14:33] <CarlosHCastro> A Jorgelina trouxe a experiência dela na UNILA e eu vou falar um pouco da minha experiência  na UFMG, instituição que fiz pesquisa de doutorado..
[14:33] <CarlosHCastro> Minha pesquisa teve o grupo Texto Livre como corpus e a interação do grupo como objeto de estudo.
[14:34] <CarlosHCastro> Meu foco aqui vão além das questões teóricas que envolveram a pesquisa (etnografia e complexidade) e concentram-se na cultura livre como o principal motivador para a existência do Texto Livre
[14:34] <CarlosHCastro> Texto Livre a partir de agora será só TL, ok?
[14:36] <CarlosHCastro> Quando falo de cultura livre, trata-se de um movimento no qual seus sujeitos assim o chamam por trabalharem no desenvolvimento e promoção de Software Livre (SL)
[14:36] <CarlosHCastro> O movimento é, antes de tudo, de uma preocupação política.
[14:36] <CarlosHCastro> De acordo com os seus fundadores e entusiastas da cultura livre, o viés político e social pode ser notado na medida em que o SL garante liberdades que resultam em aprendizagem e melhoria coletiva.
[14:37] <CarlosHCastro> O movimento surgiu em 1985 e é amparado por uma comunidade internacional de programadores e usuários dedicados à causa
[14:37] <CarlosHCastro> mais infos em http://www.fsf.org/about/
[14:37] <CarlosHCastro> Os princípios da cultura livre resumem-se em compartilhamento, colaboratividade e meritocracia
[14:38] <CarlosHCastro> Os princípios da cultura livre, em conjunto com a importância da cultura livre no projeto educacional, são apresentados, por dois membros do TL da seguinte forma:
[14:38] <CarlosHCastro> [c]om partilhamento de conhecimento: na educação e na cultura livre, compartilhar conhecimento é imprescindível. Trata-se não só da disponibilização do conhecimento pelo professor numa via de mão única, mas da possibilidade de troca entre professor e aluno e entre aluno e outros alunos. Isso só é possível se as ferramentas e técnicas escolhidas permitirem ao aluno uma participação ativa e consciente de seu papel[;]
[14:38] <CarlosHCastro> [c]olaboratividade: também de suma importância, o estímulo à colaboratividade é uma forma de fortalecer o princípio de compartilhamento de conhecimento e acelera a transmissão do conhecimento. Cabe notar que o conhecimento, justamente em virtude dos avanços tecnológicos da nossa época, desenvolve-se numa velocidade sempre crescente.
[14:39] <CarlosHCastro> Se, por um lado, isso significa que a quantidade de informação disponível aumenta exponencialmente, por outro lado, significa que o conhecimento confiável não é mais uma palavra final sobre um assunto, é uma resposta dinâmica, contextualizada e passível de superação.
[14:39] <CarlosHCastro> O trabalho em equipe é uma forma plausível para enfrentar esse problema e a colaboratividade é a única forma de trabalho em equipe que permite a todos os membros do grupo um crescimento individual[;]
[14:40] <CarlosHCastro> [m]eritocracia: Um sistema meritocrático é aquele no qual as pessoas são valorizadas por suas ações, por aquilo que constroem e ajudam a construir. O mérito de uma ação depende do ato em si, de seus resultados e da contextualização adequada.
[14:40] <CarlosHCastro> Esses conceitos são de Matte e Castro, 2012
[14:40] <CarlosHCastro> A cultura livre, então, aparece como motivadora das experiências a serem apresentadas a seguir e pano de fundo para um trabalho educacional, de cunho social, não só pelo fato de ser um projeto educacional, mas, adicionalmente, por levar em consideração uma cultura de compartilhamento, colaboração e reconhecimento.
[14:41] <CarlosHCastro> Uma vez contextualizada a apresentação, passo para o relato de algumas experiências do Texto Livre
[14:41] <CarlosHCastro> Em relatos que compõem o corpus de pesquisa do citado trabalho sobre o TL, é possível identificar que o grupo originou-se da busca em se estabelecer um diálogo entre a academia e a cultura livre por parte de uma pesquisadora da FALE que direcionou, desde sua criação, todas as suas atividades para a promoção do uso de tecnologias livres no ensino.
[14:42] <CarlosHCastro> O TL possui vários projetos, sustentados por uma rede de voluntariado, dedicados desde a manutenção de cursos de graduação e pós-graduação, desenvolvimento de materiais didáticos e documentação sobre software livre, promoção de congressos e seminários on-line, manutenção de um periódico, entre outros.
[14:43] <CarlosHCastro> Dentre essas diversas atividades, relato aqui a experiência com três projetos específicos, a saber: (1) a disciplina “Oficina de leitura e produção de textos” (LPT);
[14:43] <CarlosHCastro> (2) o congresso on-line internacional EVIDOSOL (Encontro Virtual de Documentação em Software Livre)/CILTEC (Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Livre); e (3) a revista científica “Texto Livre: Linguagem e Tecnologia”.
[14:44] <CarlosHCastro> Daqui a pouco falarei especificamente de cada uma dessas trÊs experiências que, enfatizando, não são todos os projetos do TL.
[14:44] <CarlosHCastro> A interação on-line é a majoritária em todos os projetos do grupo, possibilitando-lhe importantes contatos e alcance internacional com participações oriundas das Américas e Europa, além de instituições nacionais de outros estados como a UFMS e UFBA.
[14:44] <CarlosHCastro> No entanto, alguns eventos – como o Dia da Cultura Livre, contam com interação presencial. No site do TL, encontramos informações de que os eventos do grupo atingiram dezenas de milhares de pessoas, ao longo de 7 (sete) anos (até 2013), e que o grupo ainda possui grande quantidade de SL produzidos.
[14:45] <CarlosHCastro> Sobre a produção de SL, parte importante dos projetos do TL, destacamos a produção de alguns como o CoTrato, direcionado ao trabalho com traduções; PapersWP para gerenciamento de eventos on-line; os aplicativos Crases, Vírgulas e Linha do Texto que são parte do projeto Português Livre; ChatSlide que serve como apoio para as apresentações on-line, dentre outros.
[14:46] <CarlosHCastro> Essa produção atende ou à necessidade das práticas do grupo ou à demandas externas, como a necessidade de professores ligados de alguma forma ao grupo.
[14:46] <CarlosHCastro> Sobre as ferramentas que mediam toda a cadeia interativa, são de origem diversa, de acordo com o projeto específico e suas necessidades
[14:47] <CarlosHCastro> Vou falar dessas ferramentas de acordo com cada um dos 3 projetos que pretendo usar de eXemplo do trabalho do TL.
[14:47] <CarlosHCastro> O primeiro projeto é a disciplina Leitura e Produção de textos (só LPT a partir de agora)
[14:47] <CarlosHCastro> A disciplina, de acordo com os registros que aqui faço uso – de 2011 a 2013 - oferece, para toda a universidade, semestralmente, 500 (quinhentas) vagas divididas em duas turmas on-line voltadas para alunos de ensino na modalidade presencial da universidade.
[14:48] <CarlosHCastro> O trabalho desse curso era realizado pela coordenação, por cinco tutores mestrandos ou doutorandos e por oito monitores estudantes de graduação. Há, ainda, outros papéis importantes nessa cadeia de práticas que suportam o curso em questão, como suporte técnico e voluntariado.
[14:48] <CarlosHCastro> Em 2016, essa mesma disciplina que hoje está com outro professor ofertou 650 vagas.
[14:49] <CarlosHCastro> A cultura livre aparece na disciplina como tema dos debates e das produções dos textos, bem como nas ferramentas utilizadas nas práticas que envolvem o cotidiano do curso.
[14:49] <CarlosHCastro> Os alunos sempre iniciam os debates discutindo que é cultura livre, seus benefícios para a cidadania, os SL mais comuns em suas áreas, dentre outros.
[14:50] <CarlosHCastro> Ao final da disciplina, como atividade obrigatória, os alunos devem apresentar um artigo científico produzido em co-autoria em um congresso nacional on-line que debates os temas universidade, educação a distância e SL, bem como outros temas transversais com a legislação internacional e brasileira sobre liberdade na internet.
[14:50] <CarlosHCastro> Esse evento da disciplina pode ser conferido no link http://ueadsl.textolivre.pro.br/
[14:51] <CarlosHCastro> No caso da cadeia interativa da LPT, a interação é mediada, sobretudo, por e-mails e pelo ambiente virtual de aprendizagem Moodle, que também é um SL. Os e-mails são destinados à comunicação entre a equipe e o Moodle, à comunicação entre os alunos e a equipe.
[14:51] <CarlosHCastro> No que se refere aos e-mails, há três listas específicas. A primeira é de monitores e coordenação, e a segunda é de tutores e coordenação. Os dois grupos se comunicam por meio de uma terceira lista de e-mails, visando promover a discussão de tópicos de interesse comum de todos os sujeitos envolvidos na oferta da LPT.
[14:52] <CarlosHCastro> Além das listas de e-mails, nos casos de necessidade de uma comunicação que vá além dos textos escritos, o grupo se reúne de outras formas. Por exemplo: se um dos colaboradores necessita de auxílio com um software que pode ser dado a partir da tela do computador, ele e o colaborador que o auxiliar podem se encontrar em uma videoconferência.
[14:53] <CarlosHCastro> ara tanto, usam um aplicativo livre denominado Big Blue Button1 direcionado, como descrito no site desse aplicativo, à comunicação com suporte de voz, gráficos e/ou vídeos
[14:53] <CarlosHCastro> Esse aplicativo está disponível em http://bigbluebutton.org/
[14:53] <CarlosHCastro> Os alunos, por sua vez, são sempre encorajados a usarem SL a partir do embasamento político da importância da cultura livre que é tema de discussão durante o semestre.
[14:54] <CarlosHCastro> Os textos finais produzidos e disponibilizados no congresso online já chegaram a ter cerca de 18 mil acessos em um único dia, de acordo com registros do próprio grupo.
[14:55] <CarlosHCastro> Os outros dois projetos citados – Congresso Internacional EVIDOSOL/CILTEC e Revista Texto Livre – não contam com orçamento direcionado à contratação de colaboradores. O fomento recebido obedece às regras das agências e, normalmente, é aplicado exclusivamente em outro tipo de necessidade, como suprimento de materiais diversos.
[14:55] <CarlosHCastro> Para que todos os projetos ocorram, então, conta-se com serviço voluntário de pesquisadores, professores, estudantes, profissionais de tecnologia de informação, entre outros.
[14:56] <CarlosHCastro> Agora passo para a experiência do EVIDOSOL, um o evento científico que  pode ser acessado pelo link http://evidosol.textolivre.org/site/.
[14:56] <CarlosHCastro> O Evidosol foi iniciado no ano de 2007 com o objetivo inicial de discutir o diálogo possível entre academia e cultura livre. Tal relação inicial parte da importância da documentação em SL, no que se refere ao código1  até  a  produção de documentos para divulgação e usabilidade desse tipo de suporte lógico.
[14:56] <CarlosHCastro> A partir desse objetivo inicial, o que se constata é a emergência do evento científico ligado, ainda, à necessidade da academia de proporcionar experiências funcionais e reais de produção de escrita e leitura.
[14:57] <CarlosHCastro> No evento inaugural foi promovido o debate sobre os temas linguagem e tecnologia e, com o tempo, o debate foi subdividido em diversas outras trilhas que sempre priorizaram a relação academia e SL.
[14:57] <CarlosHCastro> De acordo com registros textuais do site do evento e e-mails trocados pelo grupo, o objetivo evoluiu para atender aos objetivos de uma área do conhecimento acadêmico, quais sejam, linguagem e tecnologia, e o público-alvo formado por alunos, professores, pesquisadores, comunidades de software livre e outros interessados no eixo temático do evento.
[14:57] <CarlosHCastro> As ferramentas de interação, e o espaço interativo do evento, são totalmente digitais. Trata-se de evento desse gênero pioneiro no país que, no início, apresentava palestras sincrônicas via IRC1. No início, o evento era semestral e, a partir de 2011, tornou-se anual além de acrescentar os debates assíncronos por meio de fóruns.
[14:58] <CarlosHCastro> utra grande mudança foi a transformação do evento, antes nacional, em internacional no ano de 2009. É aí que o EVIDOSOL para agregar o CILTEC-on-line.
[14:58] <CarlosHCastro> O surgimento do evento internacional se deu pelo fato de a rede se expandir de forma tal que aparece uma demanda internacional.
[14:58] <CarlosHCastro> Já as mudanças promovidas no ano de 2011 referem-se à consolidação do evento como encontro científico de pesquisadores com a saída dos alunos de graduação que passam, naquele ano, a apresentarem seus artigos produzidos na LPT no congresso nacional recém surgido e já citado, denominado UEADSL.
[14:59] <CarlosHCastro> Em 2016 o EVIDOSOL está em sua décima terceira edição e o CILTEC on-line está na décima.
[14:59] <CarlosHCastro> As  trilhas dos trabalhos a serem apresentados e debatidos a partir de 01/06/16 são: Hipertexto, Blogs e Wikis, Educação e Tecnologias, Mídia-educação, Cultura Livre, Divulgação de Software Livre, Documentação em Software Livre, Linguagem e Tecnologia, Produção Textual no Computador, Comunidades Virtuais, Jornalismo na Internet e  Inclusão digital.
[14:59] <CarlosHCastro> As modalidades de apresentação são chats e fóruns sendo que todo o gerenciamento do evento é feito com SL. Algumas das necessidades do evento motivaram a criação de SLs próprios como os já citados PapersWP e ChatSlide.
[15:00] <CarlosHCastro> Passo á parte final que refere-se à revista Texto Livre que pode ser acessada pelo site http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre/index
[15:00] <CarlosHCastro> Vou descrever um pouco da história do periódico aqui, de sua trajetória e do trabalho que está sendo realizado.
[15:00] <CarlosHCastro> A Revista Texto Livre emergiu a partir da necessidade de se publicarem os textos apresentados no EVIDOSOL, quando do seu surgimento.
[15:00] <CarlosHCastro> Tendo em vista que os debates on-line promovidos pelo evento nem sempre apresentavam a profundidade necessária a uma revista acadêmica, como exigem os órgãos de indexação de periódicos, os textos do evento passaram a ser publicados em anais, depois de serem devidamente avaliados por um grupo de pareceristas.
[15:01] <CarlosHCastro> Dessa forma, a revista, como veículo de circulação e promoção dos textos apresentados no evento, perdeu o sentido. Emerge, assim, a Revista Texto Livre acadêmica e indexada1 em diferentes áreas do conhecimento, parte de suas características atuais.
[15:01] <CarlosHCastro> Atualmente, a revista possui várias indexações, incluindo algumas internacionais. Na CAPES, a revista é indexada Qualis B2 na área de Linguística.
[15:01] <CarlosHCastro> Essa revista é publicada semestralmente em formato on-line. O espaço de interação entre o leitor, os autores e a equipe editorial acontece, de duas formas bem distintas.
[15:01] <CarlosHCastro> A primeira delas refere-se à interação entre leitor e autor, no âmbito dos limites do texto escrito e publicado na revista. A segunda forma de interação é a que acontece entre os membros encarregados das práticas que levam ao produto final.
[15:02] <CarlosHCastro> Toda essa interação é mediada pelo software do sistema de edição do periódico, via e-mails, com acesso a partir do website. Esse website funciona, também, como depósito dos arquivos digitais da revista.
[15:02] <CarlosHCastro> Os temas aceitos pela revista para avaliação - linguagem, tecnologia e cultura livre – são divididos em cinco gêneros textuais, que podem ser submetidos à avaliação para publicação no periódico em oito trilhas diferentes.
[15:02] <CarlosHCastro> Observa-se que o espaço para o diálogo com a cultura livre é privilegiado no gênero definido como “artigos descritivos sobre software livre” e na trilha “Licenças Livres”, além de poder ser contextualizado em todos(as) os(as) outros(as) gêneros e trilhas.
[15:03] <CarlosHCastro> A liberdade de acesso a e reprodução de conteúdos é garantida por meio de uma licença Creative Commons – acesso livre e gratuito, sem autorização para venda ou remixagem.
[15:03] <CarlosHCastro> Tais condições contribuem para o entendimento de todo o processo colaborativo da revista, que publica textos em licenças livres, com temas que envolvem tecnologias livres e cultura livre, para acesso livre ao conhecimento em constante construção.
[15:03] <CarlosHCastro> Ações específicas de incentivo à cultura livre também são encontradas nas condições de submissão ao periódico, detalhadas nas políticas editoriais.
[15:03] <CarlosHCastro> O incentivo ao uso de software livre e o acesso à cultura livre ficam claros, sobretudo, em trecho das referidas políticas que cita o padrão aberto de aplicativos de escritório como uma norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
[15:03] <CarlosHCastro> o uso de uma suíte de aplicativos livres para a submissão de trabalhos à revista, que gere documentos no formato livre .ODT,1 é obrigatório.
[15:03] <CarlosHCastro> Há, inclusive, a sugestão do software Libre Office e a enumeração de benefícios de se obter um SL, como a gratuidade, que inclui suporte técnico, o estar de acordo com as normas brasileiras para documentos editáveis, a maior acessibilidade e economia que resultam na contribuição para o combate à pirataria.
[15:04] <CarlosHCastro> Assim, podemos concluir que o discurso presente nessas páginas corrobora a motivação do TL, o diálogo entre a academia e a cultura livre.
[15:04] <CarlosHCastro> O alcance desse diálogo que a revista propõe pode ser parcialmente entendido a partir da análise de dados estatísticos disponíveis na página denominada “Estatísticas”.
[15:05] <CarlosHCastro> Conforme os dados de 2013, houve 172 (cento e setenta e dois) novos cadastros de usuários – cadastros necessários para autores e colaboradores – e 160 (cento e sessenta) novos cadastros como leitores.
[15:05] <CarlosHCastro> Já em 2014, com a publicação de apenas um número, mas com o segundo número do ano em vias de ser publicado, há 103 (cento e três) novos cadastros de usuários e 91 (noventa e um) novos cadastros de leitores.
[15:06] <CarlosHCastro> Considero esse números bastante interessantes.
[15:07] <CarlosHCastro> Busquei mostrar aqui um pouco desse trabalho de ensino, pesquisa e extensão na FALE/UFMG que envolve diretamente o diálogo entre academia e cultura livre.
[15:07] <CarlosHCastro> #0 minutos é um bom tempo, mas já estou passando um pouco.
[15:08] <daniervelin> Obrigada, prof. CarlosHCastro!
[15:08] <daniervelin> Informamos que a sala está aberta para a discussão em torno das duas belas conferências proferidas
[15:08] <CarlosHCastro> Apresentei brevemente esses três projetos que envolvem ensino, pesquisa e extensão, mas há outros no Texto Livre.
[15:08] <debora> Parabéns aos palestrantes!
[15:08] <CarlosHCastro> De nadaDe nada, daniervelin
[15:08] <debora> Que trabalho bacana!
[15:08] <CarlosHCastro> Eu que agradeço o espaço.
[15:09] <Jorgelina> De nada, Dani! Foi muito bom conhecer a pesquisa do Carlos, que é um excelente pesquisador!
[15:09] <Jorgelina> e foi ótimo compartilhar com vocês e todos os "leitores"!
[15:09] <CarlosHCastro> Fica o convite a todos: conheçam os projetos do TL e participem dos diálogos, voluntariem-se, pois a colaboração e o compartilhamento são questões caras à nossa sociedade com resultados positivos para todos.
[15:10] <Jorgelina> Eu não apresentei no inicio, embora tenha falado rápido, mas o contexto da UNILA é privilegiado, pois os alunos tem 6 horas de línguas por semana
[15:10] <CarlosHCastro> Eu também me encantei com a autonomia possível no projeto da escola invertida que a Jorgelina nos trouxe.
[15:10] <CarlosHCastro> Depois vou assistir os vídeos no Youtube, Jorgelina
[15:11] <adelmaa> Como falei na abertura de nossos trabalhos hoje, o STIS é uma das crias do Projeto Texto Livre.
[15:11] <Jorgelina> é isso não é comum nas universidades. Também é importante falar que as aulas invertidas não "traen" conceitos novos
[15:11] <RenanCardozo_> O trabalho da Jorgelina eu já conhecia e como sempre fico encantado; a sala de aula invertida é uma ótima proposta. Queria deixar registado o quanto eu fico motivado e empolgado em seguir minhas pesquisas. Parabéns aos palestrantes!! Quaria saber da Jorgelina onde posso encontrar mais materiais referentes a sala de aula invertida, você poderia me passar algo??
[15:11] <adelmaa> Parabéns a ambos os conferencistas. Brilhantes exposições!
[15:11] <lourdinha> Só consegui abrir a página agora. Fiquei sem internet
[15:11] <CarlosHCastro> Todos os semestres até a formatura, Jorgelina ?
[15:11] <Jorgelina> Obrigada, Carlos ;-)
[15:12] <Jorgelina> Olá, Renato!!!
[15:12] <manuelalvaross> Jorgelina, sua apresentação foi fantástica, me identifiquei mt, pois trabalho com texto multimodal
[15:12] <Jorgelina> Carlos, tem 3 semestre com 6 horas por semana de línguas
[15:12] <Jorgelina> além de Fundamentos da America Latina e Filosofia
[15:12] <Jorgelina> Obrigada, Manuela!
[15:12] <marcosuemg_> Bom!! fiquei encantado também com esse conceito de inversão de aulas
[15:12] <Jorgelina> Renato, estou copiando aqui a bibliografia!
[15:13] <CarlosHCastro> Obrigado, adelmaa
[15:13] <marcosuemg_> disponibilize pra gente ai
[15:13] <manuelalvaross> o texto multimodal contempla as diversas estruturas cognitivas, viabilizando, assim, o processo de aprendizagens múltiplas.
[15:13] <adelmaa> Peço a ambos que deixem seus contatos, e-mails, possibilitando assim aos interessados uma troca efetiva de informações. Obrigada!
[15:13] <Jorgelina> O primeiro que vou colocar
[15:13] <RenanCardozo_> Adelma, você poderia me explicar como receberei o atestado, daqui a pouco tenho que trabalhar e, infelizmente, terei que sair
[15:13] <Jorgelina> e uma critica do Pacheco, muito boa
[15:14] <Jorgelina> porque a gente ve a aula invertida como se foram novos conceitos e não são, na verdade é um novo olhar
[15:14] <Jorgelina> http://revistaeducacao.uol.com.br/textos/205/sala-de-aula-invertidapor-que-nao-reagem-os-pedagogos-brasileiros-311344-1.asp
[15:14] <marcosuemg_> maredumig@gmail.com
[15:14] <Jorgelina> http://porvir.org/sala-de-aula-invertida-da-autonomia-ao-aluno/
[15:14] <CarlosHCastro> Meu contato: ccastrobr@gmail.com .
[15:14] <RenanCardozo_> renancardozoo@gmail.com
[15:14] <Jorgelina> este último é um relato que eu fiz mais detalhado
[15:14] <daniervelin> Para solicitar certificado: http://stis.textolivre.org/site/certificados
[15:15] <CarlosHCastro> Vou olhar tudo, Jorgelina .
[15:15] <Jorgelina> Manuela! quero conhecer seu trabalho!
[15:15] <Jorgelina> Vou gostar de trocar figurinhas com você e vocês!
[15:15] <Jorgelina> Meu email caso queram pensar sobre as aulas invertidas todos juntos e eu também! jtallei@gmail.com
[15:16] <adelmaa> RenanCardoso, você deverá nos escrever pelo o e-mail que está na nossa página dizendo seu login , nome completo e data da sua participação,ok!  Fique de olho na nossa programação. Nos veremos no próximo mês. Conferência imperdível. Ajude-nos a divulgar nossso evento,ok!
[15:16] <Jorgelina> Aqui também tem alguns sites interessantes: https://www.institutoclaro.org.br/blog/10-posts-para-voce-se-aprofundar-na-sala-de-aula-invertida/
[15:16] <CarlosHCastro> E lembrando, quem curtiu,  não deixe de ir até a página do STIS no Facebook e dar um joinha: https://www.facebook.com/stis.lingtec/?fref=ts&ref=br_tf&__mref=message_bubble.
[15:17] <CarlosHCastro> :D
[15:18] <Jorgelina> Gosto muito também deste artigo: http://grupouninter.com.br/intersaberes/index.php/revista/article/view/499, mas vale lembrar que trabalhei muito com conceitos do Paulo Freire
[15:18] <adelmaa> Jorgelina, você pontou os vários aspectos positivos da aula invertida, mas, na sua experiência docenete o que poderá contribuir para uma aula neste formato não ter este nível de satisfação que seu público mostrou?
[15:19] <Jorgelina> Bem, os alunos apontaram que os videos foram repetitivos no final porque não tem edição.
[15:19] <Jorgelina> A aula tem que ser preparada muito tempo antes porque os alunos tem que pesquisar durante determinado tempo
[15:19] <Ka> Karen
[15:20] <Jorgelina> as salas precisam estar equipadas com mesas em circulo
[15:20] <Jorgelina> nao pode deixar em fila, a ideia e ir na aula para debater os conteudos ja pesquisados
[15:20] <adelmaa> Carlos, quais são os entraves percebidos por você em um trabalho como o nosso, do TL?
[15:21] <Ka> #stis
[15:21] <Jorgelina> e os videos precisam de edição. Na minha primeira experiencia foram muito caseiros, informais.
[15:22] <CarlosHCastro> adelmaa: acho que o maior entrave é a disponibilidade de pessoal na pesquisa. Um trabalho como o do Texto Livre é muito grande  e demanda muitos pesquisadores e estagiários. O Texto Livre só funciona com todos seus lindos projetos porque conta com trabalho voluntário.
[15:23] <CarlosHCastro> Isso sobrecarrega muitos membros. É algo a se cobrar.
[15:23] <adelmaa> Ou seja, Jorgelina, deve haver uma mudança de postura também do aluno, pois primeiro ele se prepara com leitura e pesquisas sobre os temas, para só depois ir a sala de aula aprofundar seus conhecimentos, certo?
[15:24] <Jorgelina> isso!
[15:24] <Jorgelina> exatamente. Por isso a autonomia é trabalhada em todo momento
[15:24] <Jorgelina> mas as aulas invertidas por sim mesmas não garantem (não sei se escrevi certo) uma autonomia
[15:25] <CarlosHCastro> Com certeza a escola invertida deve contribuir muito para desenvolver a autonomia.
[15:25] <manuelalvaross> A autonomia é uma tarefa das mais importantes, porém muito dificil.
[15:25] <adelmaa> Carlos, você conhece outros projetos como o do TL? Como o STIS, por exemplo?
[15:25] <Jorgelina> Concordo, Manuela!!!!!
[15:25] <Jorgelina> Foi muito dificil e no inicio foi bem complexo
[15:25] <CarlosHCastro> Aberto e livre como o TL eu não conheço, adelmaa
[15:25] <manuelalvaross> Contudo, se bem desenvolvida dará grandes frutos
[15:26] <adelmaa> De ambos: a autonomia do professor e do aluno.
[15:26] <manuelalvaross> justo, adelma
[15:26] <Jorgelina> os alunos demoraram muito tempo para trabalhar, pesquisar, falar na aula. Agora estou ministrando aulas para Engenherias e no inicio, não gostaram desse projeto!
[15:26] <manuelalvaross> Jorgelina, quais vc acha que é valido essa abordagem?
[15:26] <Ka> Jorgelina... a pedagogia das "aulas invertidas" poderia ser aplicada em qualquer segmento de ensino de modo eficaz no ensino de língua Espanhola ?
[15:27] <manuelalvaross> quais turma
[15:27] <Jorgelina> Bem, Manuela, nas turmas de Antropologia e de Letras gostei do resultado. Nas de engenherias teve que motivar com nota, por exemplo
[15:28] <manuelalvaross> aham
[15:28] <manuelalvaross> compreendo
[15:28] <manuelalvaross> a natureza dos cursos com certeza tiveram infleuncia
[15:28] <Jorgelina> dividi os alunos em tres: um deles sendo líder. Esse lider ajuda aos dois colegas na pesquisa da semana e vão ganhando pontos
[15:28] <Jorgelina> não sei se isso é bom, sabe? não sei se gosto desse tipo de avaliação, tenho críticas
[15:29] <Ka> #stis
[15:29] <manuelalvaross> entendo
[15:29] <Jorgelina> Ka: eu acho que pode ser trabalhada em todos os segmentos, mas sempre depende do contexto
[15:29] <manuelalvaross> mas, de inicio e um forma de cativar o aluno
[15:29] <CarlosHCastro> Estou vendo os vídeos no Youtube, Jorgelina
[15:29] <Jorgelina> nas escolas de ensino médio tem 45 minutos de aulas de linguas, não é?
[15:29] <CarlosHCastro> Parabéns!
[15:30] <Jorgelina> Isso, Manuela, o que cautivou eles foi a nota e não a metodologia, mas penso que depois vamos mostrando esses caminhos
[15:30] <manuelalvaross> isso jorgelina
[15:31] <Jorgelina> Então, 45 minutos é um tempo curto! Mas vejo que pode ser mais positivo que no ensino superior, talvez mais trabalhoso também
[15:31] <CarlosHCastro> Mas acho que o caminho pode ser esse também, Jorgelina . Primeiro correm atrás por qualquer motivo (nota) e aí descobrem que foi muito legal e proveitosa a experiência.
[15:31] <debora> pessoal, preciso ir tenho que dar aulas agora. Valeu demais! Parabéns!
[15:31] <Jorgelina> porque esses 45 minutos podemos usar para um debate construtivo a partir de um tema motivador
[15:31] <debora> Obrigada e até
[15:31] <CarlosHCastro> Não é o ideal, mas...
[15:31] <Jorgelina> Sim, Carlos! concordo que não é o ideal
[15:32] <Jorgelina> Obrigada por assistir os videos! E também obrigada por me ensinar tanto como colega.
[15:32] <Jorgelina> Sabem outra coisa que pensei
[15:32] <Ka>  Jorgelina ...sou professora de Espanhol e atuei nos sementos de Ensino Fundamenta e Médio, por isso meu interesse em aplicar tal conceito a tais segmentos. Penso que pode ser benéfico e a inovação trará um resultado inovador e renderá bons frutos.
[15:32] <Jorgelina> não é todo professor que gosta de ficar exposto no video.
[15:32] <adelmaa> +Jorgelina, na verdade não é que não gostaram... é que não conheciam e o desconhecido gera mesmo este pé atrás, mas depois do final de alguns semestres você perceberá que a ideia instiga e ficará platanda na cabeça de alguns...
[15:33] <manuelalvaross> Jorgelina e Carlos, acredito tb nao ser ideal, contudo e uma pratica consciente e que tem como funcao primeira convidar o aluno, apos isso eles poderam ver a validade no metodo e tornarem mais significativo o processo de avaliação
[15:33] <Jorgelina> Penso, Ka, que no ensino medio pode ser muito bom, pois tem pouco tempo, e muitas vezes não é aproveitado por muitos motivos
[15:33] <Jorgelina> No ensino medio no CEFET trabalhei com podcast e foi uma experiencia ótima!
[15:33] <CarlosHCastro> No ensino médio eles vão fazer coisas maravilhosas.
[15:34] <CarlosHCastro> Eles são muito criativos nessa idade e gostam de desafios.
[15:34] <Jorgelina> Exato!
[15:34] <CarlosHCastro> Obrigado, debora
[15:34] <Jorgelina> Manuela, concordo, ahhh
[15:35] <Jorgelina> esqueci de comentar que também trabalhei esse conceito com a turma de Medicina
[15:35] <manuelalvaross> na educação base tb concordo o ensino medio ser o mais adequado
[15:35] <adelmaa> Depois vocês motivarção seus alunso a apresentar seus resultados no UEADSl, no EVIDOSOL/CILTEC ou no STIS. Bárbaro!
[15:35] <Jorgelina> é foi muito bom!!! vou pasar o link do blog
[15:35] <CarlosHCastro> E como foi com a turma de medicina?
[15:35] <CarlosHCastro> :D
[15:36] <Jorgelina> aqui está o projeto, resumido: https://sites.google.com/site/espaciosinterculturales/encuentros-interculturales
[15:36] <Ka> Jorgelina sou aluna especial de mestrado na UEPG e gostaria de levar essa abordagem de "clases invertidas" ao conhecimento da professora doutora Aparecida Ferreira e dos demais colegas. Por isso, quero indicações de materiis e de conferências virtuais ou presenciais para aprofundar meus conhecimentos. Na UEPG tal pedagogia não é aplicada. Seria intressante essa troca.
[15:37] <Jorgelina> Claro, Ka! posso enviar com o maior prazer.
[15:37] <Jorgelina> Deixo meu email, também para todos: jtallei@gmail.com
[15:37] <CarlosHCastro> Jorgelina, esse https://www.youtube.com/watch?v=kTag92TfgLU&feature=youtu.be é de que turma? Que nível?
[15:38] <Ka> Será uma imensa satisfação. Meu email é karenmaria_fadel@hotmail.com
[15:38] <Jorgelina> Básico
[15:38] <Jorgelina> de Historia, Carlos
[15:38] <adelmaa> Perfeito, Ka! O primeiro material que você deveria/poderia apresentar seria esta exposição brilhante de hoje aqui, no STIS.
[15:38] <Jorgelina> e o primeiro ano deles
[15:38] <CarlosHCastro> Clap! Clap! Clap!
[15:40] <Jorgelina> Aqui tem um artigo sobre a experiencia com os estudantes de Medicina:http://cele-unr.irice-conicet.gov.ar/doc/Actas_Congreso.pdf
[15:41] <Ka> Sem dúvida...@adelmaa  Excelente e muito produtiva!
[15:41] <adelmaa> Estamos satisfeitíssimos com a troca de experiênciade todos aqui, os questionamentos realizados, as poderações levantadas e possíveis usos dos conhecimentos construídos e divulgados aqui.
[15:41] <Jorgelina> Fico feliz!!!! E gosto muito da troca com colegas, vou gostar de intercambiar experiencias com vocês!
[15:42] <Jorgelina> Aqui tem o manual com as atividades que trabalhamos nas aulas
[15:42] <Jorgelina> https://sites.google.com/site/unilacrea/
[15:42] <Jorgelina> podem usar, remixar!
[15:42] <CarlosHCastro> Agradeço mais uma vez adelmaa e Jorgelina e a todos que vieram conversar conosco.
[15:42] <adelmaa> Jorgelina e Carçlos, não poderáimos, de forma nenhuma, ter dado o pontapé inicial da agenda d eventos stis deste ano de melhor forma. Vocês são extraordináiros!
[15:42] <Jorgelina> teremos também videos que gravaram os alunos, inclusive porque os alunos dos mais diversos paises colaboram com a gravação de videos
[15:43] <daniervelin> Obrigada mais uma vez, CarlosHCastro e Jorgelina !
[15:43] <adelmaa> ops...extraordináriossssssss
[15:43] <manuelalvaross> foi otimo comecamos de forma exitosa
[15:43] <daniervelin> brilhantes apresentações e discussão produtiva!
[15:43] <manuelalvaross> parabens
[15:43] <Ka> Jorgelina e professor Carlos a apresentação (relato de experiencias) foi muito produtiva.Só tenho a agradecer e buscarei pesquisar mais sobre suas práticas para poder inovar em minhas aulas e levar ate outros professores tais conhecimentos.
[15:43] <Jorgelina> Obrigada a tod@s!
[15:43] <adelmaa> Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap!Clap! Clap! Clap!Clap! Clap! Clap!Clap! Clap! Clap!Clap! Clap! Clap!Clap! Clap! Clap!Clap! Clap! Clap!Clap! Clap! Clap!
[15:44] <CarlosHCastro> Muito obrigado, meninas. É um prazer estar nessa primeira conferência de 2016. Espero trazer sorte. Que o ano seja bom pra todos nós!
[15:44] <Jorgelina> É um prazer!!! Foi ótimo e aprendi muito!
[15:44] <CarlosHCastro> Eu também aprendi muito hoje. :D
[15:45] <daniervelin> agradecemos a presença de todos!
[15:45] <daniervelin> adelmaa, por favor, dê informações sobre a próxima conferência, por favor
[15:45] <manuelalvaross> :D
[15:45] <daniervelin> tem os dados aí?
[15:45] <Ka> Já tem data marcada para a próxima conferencia virtual?
[15:46] <adelmaa> Aqui no STIS é assim que participou torna-se ,automaticamente, divulgador oficial de nosso evento. Contamos com a colaboração de todos!
[15:46] <adelmaa> Si, será doa 29 de abril, última sexta-deira do mês de abril .
[15:46] <Suzana> Caros professores, quando teremos acesso à gravação desta conferência?
[15:46] <CarlosHCastro> Boa tarde para todos!
[15:46] <Ka> Obrigada pela informação!!!!
[15:46] <adelmaa> E o nosso convidado será o Prof.Dr Dr Jose Manuel Moran
[15:47] <adelmaa> Imperdível!!!!!
[15:47] <Ka> Excelente!
[15:48] <CarlosHCastro> Estarei aqui na palestra do Moran. :D
[15:49] <adelmaa> Olog desta conferência será colocada na página no mais tardar até a próxima semana. Lembrem-se que nosso trabalho é feito por voluntários. Paciência!
[15:51] <manuelalvaross> Sem pros, adelma
[15:51] <Suzana> Está bem! é que por diferença do fuso horário, acabei perdendo o início. Quero parabenizá-los pela troca de conhecimentos e experiências!
[15:52] <daniervelin> prezados o STIS está agora encerrando nossas atividades. Contamos com todos no próximo evento. Até lá!
[15:52] <manuelalvaross> Abraço à todos!!!!!
[15:53] <manuelalvaross> Até próximo mês
[15:53] <adelmaa> Até abril! Que todos tenham um excelente final de semana, em paz!
[15:53] <Jorgelina> Boa tarde a tod@s!
[15:54] <woodsonfc> Clap clap clap clap clap
[15:54] <woodsonfc> Até


 

Todos os trabalhos aqui publicados estão licenciados segundo a Creative Commons

Creative Commons TL Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Based on a work at Texto Livre.