STIS 2016

6. Setembro: ESL e PLE

6.1. registro setembro

Registro da Conferência em chat escrito, de 7 de outubro de 2016:

 

 The evolution of fourth year pre-service ESL teachers’ beliefs and practices related to formative assessments
conferencista: Alexandre Alves Mesquita


 A interação entre o aluno de PLE e a comunidade falante de português como ferramenta de aprendizado
conferencista: Daiane Tamanaha

 

moderador: Equipe STIS

 

 

[13:58] <adelmaa> Bom dia a todos e todas! É sempre uma honra recebê-los, participantes e palestrantes conferencistas , em cada evento STIS.
[13:58] <adelmaa> O STIS, coordenado pela profa Drª Adelma L.O.S Araújo, é um dos braços do Projeto "Polvo" do Grupo Texto Livre do CNPq. Caracteriza-
[13:58] <adelmaa> se como um programa de conferência que é realizado na penúltima semana dos meses de março a junho e de agosto a novembro.
[13:58] <Alexandre> Okay. Antes que eu me esqueça, peço desculpas pela falta de acentuaçao.
[13:58] <adelmaa> Ao longo deste cinco anos de vida o STIS tem congregado pesquisadores do Brasil e do exterior em torno do tema
[13:58] <adelmaa> educação livre, democrática, igualitária, com o desejo de ser acessível a todos.
[13:59] <adelmaa> Não se preocupe ,professor! Obrigada pelo carinho!
[13:59] <adelmaa> O STIS, a Revista Texto Livre, o UEADSL e o EVIDOSOL/CILTEC são pés do Grupo de Pesquisa TEXTO LIVRE do CNPq,
[13:59] <adelmaa> coordenado pela Profª Drª Ana Cristina Fricke Matte
[13:59] <adelmaa> Ao longo desta caminhada o STIS tem se firmado como um canal democrático de divulgação das pesquisas relevantes que estão sendo desenvolvidas no Brasil e no exterior.
[13:59] <adelmaa> Na verdade, nós do grupo STIS, temos muito que comemorar, pois, neste curto período de tempo, o STIS já promoveu 24 eventos, com a presença de ilustres pesquisadores
[13:59] <adelmaa> tais como Carla Viana Coscarelli (UFMG), Luiz Tatit (USP), Maria Lucia Castanheira (FAE/UFMG), Almeida Filho (UNB), dentre outros nomes do Brasil e do exterior como
[13:59] <adelmaa> o Brian Street (Kings College/Londres), Luis Gonçalves (Universidade da Pensilvânia) e o Júlio Paz (Argentina).
[14:00] <adelmaa> Também divulgamos o STIS em dois eventos internacionais ocorridos: CLAFP / Brasília e no 19º Intercâmbio de Pesquisa em
[14:00] <adelmaa> Linguística Aplicada (19º InPLA) e 5º Seminário Internacional de Linguística (5º SIL), este último como convidado do Prof. Marcelo Buzzato.
[14:00] <adelmaa> Também contamos com a colaboração de todos os conferencistas convidados que nos deram a honra de sua presença como agentes divulgadores, além da força e colaboração na divulgação realizada pelos nossos participantes.
[14:00] <adelmaa> Para que todo este projeto seja realizado eficientemente, mês a mês, e chegue até vocês conferências relevantes para sua formação cultural, intelectual e acadêmica o STIS conta com Comissão Organizadora com um espírito de colaboratividade formada por
[14:00] <adelmaa> Ana Cristina Fricke Matte - Coordenadora Geral do Projeto Texto Livre Adelma Lúcia de Oliveira Silva Araújo - Coordenação Geral do Projeto STIS Thalita Santos Felício de Almeida - Secretaria Aline Resende Pereira Marinho - Secretaria
[14:00] <adelmaa> Daniervelin Renata Marques Pereira - Administração Elizabeth Guzzo de Almeida - Administração Isabel Cristina Vieira Coimbra Diniz - Administração Woodson Fiorini de Carvalho - administração
[14:00] <adelmaa> Hugo Leonardo Canalli - Suporte técnico TI Maragareth de Souza Freitas Thomopoulos - Revisora Rivânia Maria Trotta Sant'Ana - Revisora Maria do Carmo Ferreira dos Santos - Relações públicas
[14:01] <adelmaa> Hoje o STIS tem a honra de receber como conferencistas convidadas o prof Ms. Carlos Alexandre Mesquista, Sherbrooke University - Quebec - Canadá e a profª Ms. Daiane Tamanaha da Princeton University - Estados Unidos.
[14:01] <adelmaa> Nosso primeiro conferencista convidado é o prof. Ms. Alexandre Mesquita é doutorando em educação da Université de Sherbrooke. Tem mestrado em Linguística Aplicada pela universidade Universidade Estadual
[14:01] <Alexandre> So Alexandre nao tem Carlos :)
[14:01] <adelmaa> Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, São Paulo, Brésil Title: CRENÇAS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO NO PROCESSO INTERATIVO E NA MEDIAÇÃO
[14:01] <adelmaa> Desculp-me, professor!
[14:01] <Alexandre> Sem problemas ! ;)
[14:02] <Alexandre> Gostaria de em primeiro lugar agradecer a presença de todos e aos membros da organizaçao pela oportunidade de apresentar meu trabalho.
[14:02] <adelmaa> Peço perdão pela falha. A culpa é toda minha.
[14:02] <adelmaa> DE UM PAR NO TANDEM A DISTANCIA: UM ESTUDO DE CASO. É bacharel em tradução e em Educação pela universidade federal de Ouro Preto.
[14:02] <adelmaa> O prof. Alexandre Mesquista é meu contemporrâneo na UFOP. Profiffional brilhante e certamente nos trará tópico de uma discussão relevantíssima. Sua conferência será feita em português e inglês.
[14:02] <Alexandre> Nao foi nada ! :)
[14:02] <adelmaa> Nossa segunda convidada é a profº Ms. Daiane Tamanaha que está correntemente trabalhando como Lector na disciplina de Português na Princeton University, in Princeton, NJ. Ela é também é editora DeRLAS
[14:02] <adelmaa> (Delaware Review of Latin American Studies), um jornal referência na área por ser de acesso livre na Internet sobre todos os aspectos da história e cultura da América latina.
[14:02] <Alexandre> Muito obrigado Adelma ! É um grande prazer estar aqui
[14:02] <adelmaa> Brasileira. Formada em comunicação e jornalismo pela Federal University of Mato Grosso do Sul, in Brazil. Tem mestrado pela Universidade Aberta, em Lisboa, Portugal. Como professora de português como segunda língua ela ja exprenciaou grandes
[14:03] <adelmaa> universidade americanas tais como lecturer no Departmento de Espanhol e portuguêsda univerisdade de Rutgers University, in New Brunswick, NJ, e na University of Delaware, in Newark, DE.
[14:03] <adelmaa> Daiane Tamanaha tem um blog Nós Amamos Português, no qual ela compartilha sua atividades e experiências vivida dm suas aulas.
[14:03] <adelmaa> Tem também experiência trabalhando como jornalista nas empresas tais como Rede Globo in Mato Grosso do Sul and SBT in São Paulo.
[14:03] <adelmaa> No momento, Daiane é uma jornalista freelancer com artigos publicados na UOL (Universo Online), um provedor líder na America Latina que sedia o maior portal de pagina dos falantes de português do mundo.
[14:03] <adelmaa> Agradeço aos nossos conferencista convidados e dou agora as boas vindas ao nosso moderador das conferências STIS, a profª Thalita Felício)
[14:03] <adelmaa> A profa Thalita moderará estas conferências. porém anterior a isto ele explicará, de forma pormenorizada, o funcionamento deste evento online - STIS - para os que participam pela primeira vez de nosso evento.
[14:03] <thalita> Boa tarde a todos!
[14:04] <thalita> Sejam bem-vindos!
[14:04] <Alexandre> Boa tarde.
[14:04] <professora> boa tarde
[14:04] <thalita> Para quem participa pela primeira vez, teremos 30 minutos de apresentação dos conferencistas (só por escrito, aqui no chat)
[14:04] <thalita> não temos vídeo nem áudio
[14:04] <thalita> durante esse tempo, a sala estará moderada
[14:04] <thalita> após as duas apresentações, abriremos a sala para perguntas, sugestões e discussão geral das ideias expostas
[14:04] <thalita> o código para os slides será indicado no início de cada apresentação
[14:04] <thalita> basta inserir o código à direita, depois de escolher o tipo de atendimento: “apresentação de slides”
[14:05] <thalita> vocês podem regular o tamanho do chat e slides ajustando a coluna vertical entre as partes
[14:05] <professora> gente desculpe é minha primeira vez nao to entendendo nada
[14:05] <thalita> desejamos um ótimo seminário a todos!
[14:05] <Alexandre> Obrigado
[14:05] <thalita> Códido para os slides: mesquita
[14:05] <Alexandre> Okay, acho que eu posso começar, né?
[14:05] <Alexandre> Vamos la...
[14:05] <professora> pode
[14:05] <thalita> Professor Alexandre, pode começar quando quiser. Cole, por favor, frases pequenas, de até 3 linhas, durante sua apresentação, ok?
[14:05] <Alexandre> Claro
[14:06] <Alexandre> Meu trabalho tem como titulo : The evolution of fourth year pre-service ESL teachers’ beliefs and practices related to formative assessment
[14:07] <Alexandre> Em ingles, o que seria a evoluçao das crenças e praticas de avaliacao formative de professores em pre-servico
[14:07] <Alexandre> Slide 1
[14:07] <Alexandre> Minha apresentaçao esta dividida nas seguintes secoes
[14:07] <Alexandre> Slide 2
[14:08] <Alexandre> Problema de pesquisa e Contexto
[14:08] <Alexandre> Quadro teorico
[14:08] <Alexandre> Pergunta e objectivos de pesquisa
[14:08] <Alexandre> Metogologia
[14:08] <Alexandre> Resultados iniciais e conclusao
[14:09] <Alexandre> No ó último meioséculo, devido a muitas reformas educacionais baseadas em abordagens construtivistas de ensino e aprendizagem em países ao redor do mundo: como o Canadá, Reino Unido e Estados Unidos, os programas de formação de
[14:09] <Alexandre> professores tiveram que ser reformuladas de modo a coincidir com essas novas abordagens para melhorar a qualidade de seus programas e para fornecer aos professores pré-serviço com a preparação mais adequada (Darling-Hammond, 2006).
[14:09] <Alexandre> A fim de satisfazer algumas dessas necessidades, os programas de formação de professores aumentaram as horas de estágio prático e os cursos de avaliação foram criados cursos de avaliação formal e métodos de ensino.
[14:09] <Alexandre> Slide 3
[14:10] <Alexandre> No entanto, através de nossas experiências como pesquisadores e formadores de professores, observamos que embora o programa de formação de professores em nossa universidade seja de quatro anos e inclua 900 horas de estágio, um curso de avaliação
[14:11] <Alexandre> formal, e cinco cursos de métodologia de ensino, os alunos continuam se formando se sentindo inseguros e despreparados para avaliar seus alunos.
[14:11] <Alexandre> Slide 4
[14:12] <Alexandre> Como voces podem ver, no meu contexto os professores em pre-servico tem varias oportunidades de aprendar à avaliar
[14:12] <Alexandre> Cursos de metodologia de ensino, 1 curso dedicado à avaliacao alem de promovermos reflexao
[14:12] <Alexandre> Principalmente durante os estagios
[14:13] <Alexandre> Pratica reflexiva.
[14:13] <Alexandre> Em relaçao ao quadro teorio (slide 5)
[14:13] <Alexandre> Este estudo investiga como ESL professores pré-serviço aprender a ensinar e avaliar com o espaço de três elementos principais: Suas crenças anteriores, cursos de estágio e cursos formais de educação (métodos de ensino e de avaliação).
[14:14] <Alexandre> O impacto das crenças anteriores sobre a aprendizagem para ensinar seus alunos e fato impactuam ou pode funcionar como filtros para classificar experiências programáticas
[14:15] <Alexandre> ensinado nossos programas de formação de professores (Calderhead 1988 ; Lortie, 1975; Pajares, 1992; Wideen, Mayer-Smith & Moon, 1998).
[14:15] <Alexandre> Em relação ao segundo elemento, é que é durante os seus cursos de estágio que o professo de ingles como segunda língua são esperados serem capazes de testar suas teorias e métodos aprendidos durante as aulas universitárias e refletir sobre suas práticas
[14:15] <Alexandre> de ensino em contexto real de sala de aula (Beck & Kosnik, 2000; Britzman, 2003).
[14:16] <Alexandre> E, finalmente, cursos de educação formal são esperados que complementem esta experiência de ensino baseado em campo pré-serviço ESL professores ', criar uma base para a sua avaliação do cohecimento constrúido e promoção dasr mudanças em suas
[14:16] <Alexandre> crenças e práticas (DeLuca, Chavez, Bellara & Cao, 2013; Grossman, Valência & Hamel, 1997).
[14:16] <Alexandre> Slide 6
[14:17] <Alexandre> Desta forma, com base em nossa revisao da literatura e problema de pesquisa, nossa pergunta de pesquisa foi formulada da seguinte maneira:
[14:18] <Alexandre> Como evoluem as crenças e praticas de avaliacao formativa dos professores de ensino de ingles como segunda lingua em formaçao (do quarto ano) ?
[14:19] <Alexandre> Desta forma, os objetivos de pesquisa foram de identificar as crenças e praticas iniciais no inicio do quarto ano (ultimo ano de faculdade)
[14:19] <Alexandre> E identificar quais elementos poderiam influenciar, modificar ou consolidar as mesmas durante o quarto ano.
[14:20] <Alexandre> Slide 7
[14:21] <Alexandre> Os dados desta pesquisa foram recolhidos através do que os seguintes métodos: questionários abertos, entrevistas semi-estruturadas, sessoes de videos estimulada (stimulated recall) e narrativas (Clandinin & Connelly, 1990; Lichman, 2006).
[14:22] <Alexandre> Ao todo, tivemos 6 participantes.
[14:22] <Alexandre> O que interessante observar é que em nosso programa, os professores podem fazer seus estagios em diferentes contextos de ensino
[14:22] <Alexandre> Ensino primario, medio ou adultos
[14:23] <Alexandre> Slide 8
[14:23] <Alexandre> No slide 8 podemos ver quando os dados foram coletados (em que momento durante o quarto ano)
[14:24] <Alexandre> Para a apresentaçao de hoje, eu decidi apresentar os resultados iniciais da ultima entrevista
[14:25] <Alexandre> Slide 9
[14:25] <Alexandre> O proposito desta entrevista foi de identificar o que aconteceu durante o ultimo ano (o que eles aprenderam de novo, como foi o estagio, etc.).
[14:27] <Alexandre> Apos a analise deste instrumento, notamos que existe uma falta de capacidade (dos professores em pre-service) de se auto avaliarem em relacao ao conhecimento adquirdo sobre avaliacao
[14:28] <Alexandre> Para que eles tenham consciencia (e perceberem) o que foi aprendido durante o ano, eles precisaram de perguntas especificar
[14:28] <Alexandre> Ops especificas
[14:29] <Alexandre> Por exemplo, quando perguntamos: o que voce aprendeu (em relacao a avaliacao) durante o ultimo curso de metodos de ensino, a principio, eles diriam que nada
[14:30] <Alexandre> Mas caso perguntassemos, durante o curso, quando voces viram como adaptar as aulas (planificacoes) para alunos com dificuldades, voces nao viram nada sobre avaliacao?
[14:30] <Alexandre> A resposta se tornaria positiva
[14:31] <Alexandre> Nos tambem percebemos que o quarto ano funciona como uma especie de validacao de uma pratica/crenca previamente adquirida
[14:31] <Alexandre> Slide 10
[14:33] <Alexandre> Professores em pre-servico foram capazes de desenvolver suas capacidades e competencias ao refletirem nos resultados de suas avaliacoes (criadas por eles ou nao)
[14:33] <Alexandre> Mestres de estagio (nao sei o termo ao certo em portugues) fazem a diferença
[14:34] <Alexandre> Evoluçao so é possivel caso professores em pre-servico tenham um acompanhamento necessario (liberdade de testar suas proprias teorias e praticas)
[14:35] <Alexandre> Slide 11
[14:36] <Alexandre> Participantes afirmaram nao terem sido adequadamente preparados para usar/avaliar de forma formativa
[14:36] <Alexandre> Slide 12
[14:37] <Alexandre> Em conclusao, acreditamos que formadores de professores devam ser mais explicitos ao ensinarem sobre avaliacao formativa
[14:38] <Alexandre> Professores em formaçao devem estar cientes de suas crenças e dos possiveis impactos que estas possam causar em suas praticas de ensino
[14:39] <Alexandre> E por fim, mestres de estagio (associate teachers) devem receber uma melhor preparaçao.
[14:41] <Alexandre> E por fim, mestres de estagio (associate teachers) devem receber uma melhor preparaçao.
[14:41] <Alexandre> ops deu errado perai
[14:41] <Alexandre> Desta forma, nosso estudo demostra a importancia de explorar e compreender como os professores em pré-serviço construem o seu conhecimento sobre a avaliação durante seus programas de formação de professores para que os formadores de professores façam os ajustes necessários ou melhorias
[14:41] <Alexandre> em seus próprios cursos e programas a fim de proporcionar a melhor preparação em termos de avaliação e permitir que pre professores se graduar sentindo-se preparado para avaliar
[14:42] <Alexandre> Muito obrigado. :)
[14:42] <thalita> Muito obrigada, professor Alexandre!
[14:42] <Alexandre> Espero que tenha sido claro...nao é a mesma coisa falar e escrever
[14:42] <Alexandre> Peço desculpas pelos erros de portugues
[14:43] <Alexandre> tem muito tempo que eu nao escrevo em portugues (formalmente)
[14:43] <thalita> agora daremos continuidade com a professora Daiane Tamanaha
[14:43] <thalita> boa tarde, professora DaianeT
[14:43] <DaianeT> Boa tarde a todos! Antes de começar essa “conversa” gostaria de agradecer à professora Adelma e ao professor Carlos Henrique pelo convite para participar dessa conferência. Agradeço, também, a vocês que estão aqui hoje. Espero que gostem desse nosso “bate-papo”.
[14:43] <thalita> Pode começar quando quiser. Cole, por favor, frases pequenas, de até 3 linhas, durante sua apresentação, ok?
[14:43] <DaianeT> Ok!
[14:43] <thalita> CÓDIGO PARA OS SLIDES: daiane
[14:44] <DaianeT> (ver slide 1)
[14:44] <DaianeT> Hoje vamos conversar sobre ideias para promover a interação dos estudantes de português como língua estrangeira com a comunidade falante de português e de que forma utilizar essa interação como ferramenta de aprendizado.
[14:45] <thalita> Após a apresentação da professora Daiane convidaremos os participantes para discutir os temas abordados
[14:45] <DaianeT> Sabemos que a aquisição de uma língua estrangeira está diretamente relacionada a quatro fatores-chave: 1) COMPREENDER a língua, 2) FALAR a língua, 3) Ser capaz de LER e 4) de ESCREVER nessa língua.
[14:45] <DaianeT> (ver slide 2)
[14:46] <DaianeT> Mas será que ao desenvolver esses quatro fatores, após ter “em mãos” essas quatro chaves, o estudante da língua estrangeira já pode se considerar fluente e preparado para encarar o mundo falante do idioma que estudou/estuda?
[14:46] <DaianeT> Não necessariamente.
[14:46] <DaianeT> (ver slide 3)
[14:47] <DaianeT> Para que a formação do estudante esteja completa é preciso que ele desenvolva a sua COMPETÊNCIA COMUNICATIVA. E o que é a Competência Comunicativa?
[14:47] <DaianeT> É a capacidade do estudante em utilizar as quatro chaves que nós citamos anteriormente, utilizar esses quatro fatores , ao contexto adequado.
[14:47] <DaianeT> Por isso, cabe aos professores da língua estrangeira oferecer as ferramentas necessárias para que o estudante desenvolva a sua competência comunicativa. Sei que o ambiente de uma sala de aula é bastante restrito, mas – ainda assim - é possível desenvolver algumas atividades diferentes.
[14:48] <DaianeT> Hoje, então, vou falar para vocês sobre algumas atividades que desenvolvo dentro e fora das aulas e que contribuem para o desenvolvimento da competência comunicativa dos alunos de PLE (Português como Língua Estrangeira) aqui nos Estados Unidos.
[14:48] <DaianeT> (ver slide 4)
[14:48] <DaianeT> ATIVIDADE 1: Entrevistas por Skype. Percebo que ainda utilizamos (nós, professores de PLE) muito timidamente a Internet e os recursos tecnológicos em sala de aula. E essas são ferramentas poderosas, na minha opinião.
[14:49] <DaianeT> No slide 4, vocês veem meus alunos da Princeton que iriam ler, pela primeira vez, um livro em português. Eles estavam DESESPERADOS. Em uma das aulas, antes do início da leitura, eu teria que conversar com eles sobre o autor, o escritor Milton Hatoum. Iria falar sobre a vida, a obra...essas coisas.
[14:49] <DaianeT> Foi aí que pensei: Por que eu preciso ser a intermediária? Por que os alunos não conversam diretamente com o Hatoum?
[14:49] <DaianeT> Entrei em contato com o escritor e ele, gentilmente, aceitou participar de uma entrevista por Skype com os meus alunos.
[14:50] <DaianeT> A entrevista foi um sucesso! Os alunos sentiram-se empoderados porque conseguiram se comunicar em português, conseguiram entender o escritor. Além disso, foi criado um laço, uma conexão entre eles e a obra/autor, facilitando – assim - a leitura.
[14:50] <DaianeT> Por outro lado, os estudantes (naquela aula) deixaram de ser “meros alunos” para se tornar ENTREVISTADORES. O ambiente da sala de aula, portanto, foi completamente transformado. E eles, de forma espontânea, adequaram-se a essa “nova realidade”.
[14:50] <DaianeT> (ver slide 5)
[14:51] <DaianeT> ATIVIDADE 2: Convidados dentro e fora da aula. Sempre que posso convido pessoas que falam português para participar das minhas aulas. Gosto de trazer não os intelectuais do mundo acadêmico, mas gente “da vida real”, ou seja, pessoas que representam o perfil da comunidade lusofalante nos EUA.
[14:51] <DaianeT> Eu nunca trago as pessoas aleatoriamente. Geralmente, conecto a visita delas a um tema estudado em sala de aula. Por exemplo, depois de aprender os pronomes interrogativos, convido alguém da comunidade para vir conversar com meus alunos.
[14:51] <DaianeT> A pessoa entra na sala de aula, mas eu não a apresento. Digo simplesmente: “Se vocês quiserem saber quem é essa pessoa, vão ter que fazer perguntas utilizando os pronomes interrogativos que aprendemos na aula passada”.
[14:52] <DaianeT> Então eles começam: “QUAL é o seu nome?”, “QUANTOS anos você tem?”, “POR QUE você está nos EUA?”....etc... Como as histórias de vida dos meus convidados são sempre muito bonitas, muito emocionantes, as aulas acabam sendo inesquecíveis para todos.
[14:52] <DaianeT> Quando não é possível trazer os convidados para a sala de aula, convido-os para encontros informais com os alunos. Quando trabalhei na Universidade de Delaware, promovi semanalmente “bate-papos” em que convidava também pessoas da comunidade.
[14:53] <DaianeT> Na fotografia do lado esquerdo do slide 5 vocês podem ver um desses bate-papos, em que convidei um casal de amigos portugueses. Eles não tinham NADA em comum com os alunos, mas a interação entre eles era fenomenal. A curiosidade em relação ao outro sotaque, ao outro estilo de vida provocou essa conexão.
[14:53] <DaianeT> (ver slide 6)
[14:53] <DaianeT> ATIVIDADE 3: Aulas práticas. Quando posso transformo o que seria teoria em “fatos reais”. No slide 6, a aula era sobre a influência africana na cultura brasileira. Pedi que pesquisassem sobre o tema e fizemos uma discussão em sala de aula.
[14:54] <DaianeT> Como se esperava, acabamos falando sobre a capoeira. E no fim da aula, para a surpresa dos alunos, chegou um grupo de capoeira para conversar mais com a gente sobre essa arte/esporte/dança/luta.
[14:54] <DaianeT> Os capoeiristas falaram sobre a capoeira, a história, ensinaram uma ladainha (canção das rodas de capoeira) para os alunos e, claro, ensinaram a jogar capoeira e a tocar alguns instrumentos. Foi uma delícia de aula!
[14:54] <DaianeT> Resultado: dois alunos ficaram tão empolgados que passaram a fazer aula de capoeira com o grupo. Eles se engajaram nessa atividade feita em sala de aula tão fortemente que o aprendizado do português se expandiu para um outro ambiente.
[14:55] <DaianeT> (ver slide 7)
[14:55] <DaianeT> ATIVIDADE 4: Visita à comunidade lusofante. Essa atividade é promovida pela universidade em que trabalho, a Universidade de Princeton, e eu considero de extrema importância como ferramenta para o desenvolvimento da competência comunicativa dos alunos.
[14:55] <DaianeT> Todo semestre, a universidade leva os alunos de português para uma viagem (day trip) para Newark, em New Jersey, que fica a uma hora de Princeton. Em Newark há um bairro onde não é necessário falar inglês porque TODOS falam português.
[14:56] <DaianeT> Esse bairro, chamado Ironbound, é uma reprodução fiel a um bairro qualquer brasileiro ou português. Os alunos visitam museus e aprendem sobre a imigração dos lusofalantes aos EUA.
[14:56] <DaianeT> Eles visitam a redação do primeiro jornal em português e conversam com os jornalistas. Eles vão a um supermercado brasileiro, conversam com os funcionários e percebem as diferenças do supermercado que estão costumados a frequentar e aquele.
[14:56] <DaianeT> PS: O açougue chama muito a atenção. Eles veem a carne pendurada, o sangue escorrendo...é um choque. Nos EUA, a carne chega para o consumidor já embalada, limpinha, bonitinha.
[14:56] <DaianeT> Os alunos vão também a uma padaria e precisam escolher o que comer, mas como eles não conhecem os quitutes têm que perguntar sobre os produtos, saber se é salgado, se é doce, se tem pimenta, etc...É lindo ver essa interação e essa alegria na comunicação em português.
[14:57] <DaianeT> No fim do passeio, levamos os alunos para um restaurante brasileiro ou português para fechar com chave de ouro essa experiência deliciosa, literalmente.
[14:57] <DaianeT> (ver slide 8)
[14:57] <DaianeT> ATIVIDADE 5: Conversas telefônicas reais. Na universidade em que trabalho utilizamos o livro Ponto de Encontro. Em uma das lições, os alunos aprendem a fazer telefonemas para os amigos convidando-os para sair.
[14:58] <DaianeT> A aula segue normalmente, eles praticam em duplas, até que eu digo: “Agora vamos ligar para alguém de verdade?”. Imaginem a cara desses alunos.
[14:58] <DaianeT> Faço assim: combino com alguns amigos brasileiros ou portugueses que em um determinado horário (o horário da aula) eles vão receber a ligação do meu celular. Eles sabem que do outro lado estará um aluno meu. E os meus amigos estão informados que devem tratá-los como amigos de longa data.
[14:58] <DaianeT> Assim ocorre a brincadeira: Os alunos ligam (eu uso um cabo de áudio com duas saídas, uma para o headphone do aluno que faz a ligação e outra para as caixas de som da sala de aula. Ou seja, todos ouvem a pessoa que está do outro lado do telefone também).
[14:59] <DaianeT> O aluno se apresenta: “Oi, aqui é o Bryan. Tudo bem?”. E o meu amigo: “Bryan, e aí? Beleza?” E a conversa segue. O aluno deve fazer o convite para algo (cinema, jantar, etc) e deve marcar tudo, horário, dia, ponto de encontro, etc.
[14:59] <DaianeT> Combino com meus amigos que se eles sentirem que o aluno está com dificuldade, devem ajudá-lo facilitando a conversa. Mas falo também que se sentirem que o aluno está indo bem, devem dificultar um pouco mais.
[14:59] <DaianeT> Dizem, por exemplo, que não podem naquele dia, mas que poderiam num outro (obrigando o aluno a falar outros dias da semana, outros horários, etc).
[15:00] <DaianeT> O objetivo é dar confiança ao aluno que ainda tem dificuldades com o português. Mas, ao mesmo tempo, mostrar para aquele que acha que já domina a língua que ainda há um caminho a percorrer. Essa atividade é feita após os alunos terem completado somente UM mês de aula.
[15:00] <DaianeT> Depois das ligações, faço uma avalição com os alunos e o feedback é 100% positivo. Eles dizem que começam a conversa nervosos, mas quando percebem que estão se comunicando, e ainda por telefone, ganham mais confiança e sentem-se empoderados
[15:00] <DaianeT> (ver slide 9)
[15:01] <DaianeT> ATIVIDADE 6: Programa de rádio em português. Para finalizar, quero falar sobre esse projeto que pude desenvolver, pela primeira vez, com alunos de nível A2 (básico) na Universidade de Rutgers.
[15:01] <DaianeT> Durante todo o semestre, eles criaram o próprio programa de rádio. Eles decidiram o nome do programa, o formato, as músicas, as notícias, tudo.
[15:01] <DaianeT> No fim do semestre, tiveram duas aulas para escrever as falas e finalizar os programas. Os grupos eram formados por 3 alunos e todos os 3 eram locutores.
[15:01] <DaianeT> No último dia de aula, gravamos os programas na rádio universitária. Vejam no slide 9 a alegria desses jovens falantes de português. Foi uma experiência memorável!
[15:02] <DaianeT> Nesse projeto, eles tiveram que colocar em prática tudo o que aprenderam no semestre, gramática, pronúncia, etc. E ainda pesquisaram sobre os países lusófonos, sua cultura, suas músicas, suas notícias...
[15:02] <DaianeT> Levei esse projeto comigo para a Universidade de Princeton, mas com um formato diferente. Na Princeton, o projeto é extracurricular. Podem participar alunos e ex-alunos de português porque o objetivo é unir a comunidade acadêmica falante de português.
[15:02] <DaianeT> Eles também definiram o nome, o formato, as músicas, as notícias...Assim nasceu o programa “Os Alquimistas”, transmitido pela WPRB, a rádio da universidade. Vocês podem ouvir um dos programas nesse link:
[15:03] <DaianeT> https://www.dropbox.com/s/0rhaivyezxft8tf/RadioShow_WPRB_POR_seg.mp3?dl=0
[15:03] <DaianeT> Concluindo, então.
[15:03] <DaianeT> Essas atividades ajudaram no desenvolvimento da competência comunicativa dos alunos, já que eles puderam usar a língua adequadamente nos mais diferentes contextos.
[15:04] <adelmaa> Daiane, deixe a gente ouvir um minutinho só, pode ser?
[15:04] <DaianeT> Claro!
[15:04] <DaianeT> Vc me avisa quando posso continuar?
[15:05] <adelmaa> M A R A V I L H O S O! Pode continuar, por gentileza!
[15:06] <DaianeT> Obrigada! Continuando (e podem continuar ouvindo o programa tb!:)
[15:07] <DaianeT> Como disse, essas atividades ajudaram no desenvolvimento da competência comunicativa dos alunos, já que eles puderam usar a língua adequadamente nos mais diferentes contextos.
[15:07] <DaianeT> Eles adquiriram também conhecimento, cultura. É um conhecimento diferente daquele que se costuma oferecer nas universidades americanas, que é mais voltado para a área da Literatura.
[15:07] <DaianeT> O conhecimento adquirido através dessas atividades está mais relacionado com assuntos contemporâneos, com as dinâmicas sociais modernas da comunidade falante de português nos EUA.
[15:08] <DaianeT> Os alunos puderam, então, se engajar a essa comunidade.
[15:08] <DaianeT> E essa interação fez com que produzissem conteúdo em português.
[15:08] <DaianeT> Consequentemente, a análise crítica dos alunos também acabou sendo desenvolvida.
[15:08] <DaianeT> E, por fim, as atividades ainda ajudaram na divulgação da língua e da cultura lusófonas.
[15:08] <DaianeT> Como?
[15:09] <DaianeT> O bate-papo na Universidade de Delaware foi notícia num jornal brasileiro da Flórida. Leiam aqui: http://www.acheiusa.com/Noticia/universidade-investe-no-ensino-de-portugues-10443/
[15:09] <DaianeT> O programa de rádio na Rutgers também ganhou as páginas do jornal brasileiro. Leiam aqui: http://www.acheiusa.com/Noticia/americanos-aprendem-portugues-via-radio-17083/
[15:10] <DaianeT> E até o Consulado dos Estados Unidos no Rio de Janeiro publicou um post no Facebook falando sobre o programa de rádio em português da Universidade de Princeton. Vejam aqui:
[15:10] <DaianeT> https://www.facebook.com/consuladoeuarj.br/posts/872956939498035?comment_id=877060575754338&reply_comment_id=877070715753324&comment_tracking=%7B%22tn%22%3A%22R9%22%7D
[15:10] <DaianeT> (ver slide 10)
[15:10] <DaianeT> É isso, pessoal. No slide 10 vocês podem ver a bibliografia dessa minha apresentação. Espero que tenham gostado. Muito obrigada!!!
[15:11] <thalita> muito obrigada, professora DaianeT!
[15:11] <DaianeT> Obrigada a todos vcs!
[15:11] <thalita> Convidamos então os participantes para discutir os temas abordados pelos conferencistas
[15:12] <Rose> Excelente Trabalho! Obrigada professora
[15:12] <DaianeT> Obrigada, Rose! <3
[15:12] <etownsend> Posso perguntar ao primeiro palestrante?
[15:12] <Madu> Parabens a ambos, excelentes, extraordinárias. Começo perguntando ao Alexandre, na sua visão de estudante com um doutorado no Canadá, o que o Brasil precisa mudar na formação de professores?
[15:12] <thalita> Claro, etownsend
[15:13] <Alexandre__> Boa pergunta
[15:13] <etownsend> A insegurança a que se referiu acima é pelo desconhecimento dos processos/pressupostos de avaliação FORMATIVA ou por não terem domínio do IDIOMA inglês? Pergunto isto dando como exemplo que subi o elevador de um prédio com meu marido (que não fala português, só inglês, sua língua nativa) e quando uma menina perguntou algo a ele ele respondeu "sorry, no Portuguese". Ao que ela disse: "sem problemas, sou professora de ing
[15:14] <etownsend> Meu marido, infelizmente, não entendeu nada do que ela disse. Ela me perguntou o que havia de errado com o inglês dele e eu preferi ficar quieta, aproveitando que o elevador havia chegado, porque a explicação levaria mais do que uma conversa de elevador permitiria.
[15:14] <Alexandre__> Hum...nem sei por onde começar...em relacao ao estagio, acredito que esta seja a area mais precaria da minha formacao ai
[15:14] <Alexandre__> Criar parcerias com escolas, aumentar o apoio a supervisores, aumentar o numero de horas e dias de estagio
[15:16] <Alexandre__> Em relacao a pergunta da Etownsend, inseguranca de como avaliar
[15:16] <Alexandre__> de esta pronto para avaliar de formar "adequada"
[15:16] <Alexandre__> eu acredito que isto esteja ligado à falta de pratica
[15:16] <Alexandre__> oportunidade de avaliar durante os estagios
[15:17] <Alexandre__> Nao sei se respondi as duas perguntas
[15:18] <sabrina> Olá gostei muito d eter participado do fórum, apesar que no final a internet desconectou e não pude ver o término da apresentação da Prof.Daiane. Professor Alexandre achei bastante interessante..
[15:18] <Madu> Sim, respondeu Alexandre. Obrigada.
[15:18] <Alexandre__> :)
[15:18] <etownsend> Obrigada Alexandre. I know how you feel. When I came back to Brazil after 13yrs away, I felt the same way writing Portuguese. You did a brilliant job. Thanks.
[15:18] <Alexandre__> So mais uma coisa que eu achei bem interessante ao comecar o meu doutorado aqui....
[15:18] <Alexandre__> Thank you so much ! :)
[15:19] <lucasfm__> minha internet também caiu mas gostei professor
[15:19] <Alexandre__> No Brasil, minha area era a linguistica aplicada e aqui ensino de professores e Education (mais proximo da pedagogia ai no Brasil)
[15:20] <Alexandre__> Acho que falta algo mais pedagogica nos cursos de letras....pelo menos no meu sim
[15:20] <lucasfm__> thanks
[15:20] <etownsend> Sim, no Canadá, nos EUA, etc. as 2 áreas andam sempre de mãos juntas
[15:20] <Alexandre__> Parabens pela sua apresentacao professora. Achei muito interessante as atividades
[15:21] <etownsend> *(mãos dadas, não mãos juntas - :^)
[15:21] <Alexandre__> Exatamente...o classico authentic learning
[15:21] <Rose> Aconteceu o mesmo comigo, a internet desconectou. Daiane, a sua iniciativa é muito boa,bem parecida com o que chamamos aqui de Letramento, portanto no Brasil, colocar em pratica sua experiencia é quase impossível.
[15:21] <sabrina> Mencionar a questão da preparação e avaliação dos estágios, estou cursando letras e no próximo ano já começo a cumprir na minha grade como faço ead o estagio já começa apartir do 4° período.
[15:21] <DaianeT> Puxa, Rose....por que impossível?
[15:22] <DaianeT> Obrigada, professor Alexandre! Pena que não consegui entrar aqui antes para ver a sua palestra desde o início (estava em sala de aula).
[15:22] <Rose> Não temos uma gestão democrática, o que dificulta muito para os professores.
[15:23] <DaianeT> Entendo...
[15:23] <adelmaa> Parabéns aos dois conferencistas convidados pelas brilhantes exposições. Fico lamentando todos os professores do Brasil e do mundo não conseguirem ser dispensando de suas aulas para uma formação continuada com vocês. Quais foram os desafios encontrados por você por causa desta nossa formação ?
[15:26] <DaianeT> A nossa formação acadêmica no Brasil ainda é muito precária, ainda mais se comparada a uma formação de países como os EUA e o Canadá.
[15:26] <Alexandre__> O desafio no meu caso foi de me informar do que ja se sabia da area
[15:27] <sabrina> Creio que os recursos pedagógicos apresentado pela professora Daiane, dentre os meios de comunicação e recursos digitais podem ser trabalhados desde que se adapte a realidade de cada escola. p
[15:27] <Alexandre__> Muitos estudos e pesquisas ja tinham sido realizadas desde os anos 80 que relatam a importancia dos estagios
[15:27] <DaianeT> Exatamente, Sabrina.
[15:27] <Alexandre__> cursos de metodologia de ensino e etc...
[15:28] <Alexandre__> Concordo com a Sabrina...mesmo aqui no Canada é assim
[15:28] <Alexandre__> Nem todas as escolas tem os mesmos recursos tecnologicos (apesar do governo investir muuuuuuuuuuuuuuuuuito na educacao)
[15:28] <Alexandre__> Cada sala de aula tem um quadro interativo
[15:29] <Alexandre__> Interactive White Board
[15:29] <Alexandre__> Pelo menos ja é uma realidade na maior parte das escolas aqui
[15:29] <DaianeT> Aqui em Princeton (a cidade), as escolas públicas são FANTÁSTICAS!
[15:29] <Alexandre__> E no caso da formaçao, quem esta atrasada é a faculdade que nao oferece treinamento (ainda
[15:30] <Alexandre__> Imagino ! :)
[15:30] <Alexandre__> E quando eu me lembro do meu ensino medio...mal tinha uma televisao
[15:31] <DaianeT> Concordo como Alexandre. No Brasil, especialmente se vc estudou em escola púbica (meu caso) quase não há recursos.
[15:31] <Alexandre__> O incentivo tem que vir do governo...senao fica dificil
[15:31] <Alexandre__> Sim
[15:31] <Alexandre__> Em Belo Horizonte...escola da Policia Militar
[15:31] <Alexandre__> Mas publica
[15:31] <Rose> Infelizmente a realidade no Brasil é outra. Sou formada em Letras e curso pedagogia, estou fazendo estagio de gestão e não tenho suporte nenhum, na realidade faço o que eu quero no estagio.
[15:32] <adelmaa> Daiane, sua vivência é riquíssima! A forma como você vivencia e planeja suas aulas é realmente admirável. Romper os muros da universidade e trazer a prática cotidiana para dentro da sala de aula e levar os alunos para viver a comunidade o sonho de todo professor, pelo menos é o meu.
[15:32] <adelmaa> Minha pergunta é a seguinte: Quais são as barreiras normalmente enfrentadas pelos brasileiros, portugueses no ensino de português como segunda língua?
[15:32] <sabrina> Infelismente o aliado do professor no Brasil ainda é o livro didático.Mas se você propõe um planejamento anual no início das aulas em que se exige outros recursos como datashow, rádio,internet, a coordenação faz questão de providenciar.
[15:33] <Madu> Professores, vcs poderiam deixar seus emails para contato?
[15:34] <DaianeT> Claro! Meu contato: daiane@princeton.edu
[15:34] <sabrina> Digo porque trabalhei seis mese em escola pública lecionando Inglês.Os alunos estavam desmotivados, resolvir trabalhar músicas, e artigos de revistas atuais e eles amaram.
[15:34] <Madu> Desculpem-me, me dirigi ao Alexandre e Daiane.
[15:34] <sabrina> Mas se não fosse pelo apoio pedagógico sozinha não conseguiria
[15:35] <Alexandre__> Alexandre.Alves.Mesquita@USherbrooke.ca
[15:35] <Alexandre__> Claro
[15:36] <professora> gostei muito dos dois conferencistas
[15:36] <adelmaa> Daiane, minha pergunta é a seguinte: Quais são as barreiras normalmente enfrentadas pelos brasileiros, portugueses no ensino de português como segunda língua?
[15:36] <DaianeT> Professora, a primeira barreira é a própria formação acadêmica.
[15:36] <professora> parabéns aos 2 conferencistas, por partilhar suas riquissimas experiencias
[15:37] <DaianeT> Aqui nos EUA ainda há muitas pessoas dando aula de português sem ter a formação adequada.
[15:37] <DaianeT> Eu mesma sou jornalista e me tornei professora de português aqui.
[15:38] <DaianeT> Após começar a dar aulas é que fui me especializar em PLE.
[15:38] <professora> daiane, no curriculo americano, o trabalho com a oralidade é valorizado?
[15:38] <sabrina> Daiane, há interesse de se aprender português ou está sendo uma necessidade na área profissional?
[15:38] <DaianeT> Mas, digamos que um português ou um brasileiro, já venha aqui com a formação adequada.
[15:39] <DaianeT> O processo de seleção talvez seja uma grande barreira, uma grande dificudade.
[15:39] <DaianeT> dificuldade.
[15:40] <etownsend> O processo de seleção é uma barreira por que motivos, Daiane?
[15:41] <DaianeT> Sabrina, o interesse em português está diminuindo em função dos problemas econômicos e políticos no Brasil.
[15:41] <DaianeT> Há uma pesquisa sobre da Universidade do Arizona sobre isso.
[15:42] <sabrina> Ah sim, pensava eu que era uma opção de segundo idioma como nós temos aqui com o espanhol e o inglês.
[15:42] <DaianeT> Etownsend, o processo seletivo é extremamente rigoroso. Vc precisa entregar vários documentos que não temos a menor ideia do que seja.
[15:43] <DaianeT> Vc envia uma carta falando quem vc é e o motivo de ser a pessoa adequada para a vaga.
[15:43] <etownsend> Tens razão, isto flutua muito conforme a situação econômica e política. Por isto minhas amigas todas foram para o espanhol no Mestrado e/ou doutorado (até porque não muitas universidades que ofereçam programas de M.A. ou Ph.D. em português nos EUA, correto, Daiane?
[15:43] <DaianeT> Não, Sabrina Aqui os alunos podem escolher qualquer idioma.
[15:44] <DaianeT> Correto, Etownsend!
[15:44] <DaianeT> Os nossos principais alunos ainda são os falantes de espanhol.
[15:44] <sabrina> Prof.Alexandre explicou algo que sempre tive dúvida a formação do professor, sempre quando sou questionada ao meu curso no caso letras-inglês não consigo definir, qual curso seria no exterior.Ao ver me deparo com education, arts ...
[15:46] <etownsend> Os "hispano hablantes" dos EUA são o seu nicho, Daiane: eles estão se dando conta de que é um idioma adicional que eles podem adquirir muito mais rápido do que qualquer outro (claro, desde que estudem e evitem cair nas armadilhas dos falsos cognatos).
[15:46] <Alexandre__> Teacher Education
[15:46] <Alexandre__> Isso mesmo
[15:46] <Alexandre__> depende da universidade...geralmente é Education e depois tem um major (especializacao em algo)
[15:47] <DaianeT> Vi uma pergunta lá em cima da "professora", respondo agora. Sim! MUITO valorizado.
[15:48] <sabrina> Obrigada, aos dois, estou adorando participar do fórum.
[15:48] <DaianeT> (será que continuo falando do que se precisa para se candidatar a uma vaga como "lecturer" (diferente de "professor") numa universidade?
[15:49] <Rose> muito bom poder trocar experiencias , parabéns aos dois
[15:49] <DaianeT> É importante ressaltar a diferença. Porque lecturer é um caminho mais fácil para entrar do que como "professor".
[15:49] <Alexandre__> Isso que eu sou aqui tambem
[15:49] <DaianeT> Obrigada, Rose!
[15:49] <JaNola> Gostei muito da conferência. Parabéns aos dois!
[15:50] <sabrina> Por mim tudo bem.A senhora também leciona inglês ?
[15:50] <adelmaa> Claro, Daiane!
[15:50] <Alexandre__> Lecturer nos ultimos 4 ou 5 anos...quando eu terminar meu doutorado, se abrirem uma vaga em algum lugar, irei aplicar
[15:50] <DaianeT> Sabrina, só leciono português.
[15:51] <DaianeT> Continuando (o que se precisa para se candidatar): um "teaching philosophy"
[15:51] <DaianeT> Que é a sua filosofia de ensino, o que vc acha importante e desenvolve em sala de aula.
[15:52] <DaianeT> 3 cartas de recomendação "cegas". Ou seja, vc pede, sem saber o que a pessoa vai escrever (ela envia diretamente para a universidade).
[15:52] <DaianeT> exemplos de provas que vc aplica
[15:53] <DaianeT> o "syllabus" da sua aula (a programação de todo o semestre)
[15:54] <DaianeT> Exemplos de outras formas como se comunica com aluno fora da aula (emails, por exemmplo)
[15:54] <DaianeT> O seu curriculo (CV) que aqui chama de Resumé
[15:55] <DaianeT> A avaliação dos alunos das suas aulas (aqui todo fim de semestre os alunos te dão uma nota)
[15:55] <etownsend> résumé, porque é palavra do francês
[15:55] <DaianeT> sim
[15:55] <DaianeT> os alunos escrevem o que acharam da sua aula, falam o que gostaram e não gostaram
[15:55] <DaianeT> é preciso ter sempre notas altas (o professor)
[15:56] <DaianeT> Se tiver sorte, vão fazer uma entrevista por telefone
[15:56] <DaianeT> depois vão fazer uma entrevista ao vivo
[15:56] <DaianeT> Se for chamado, terá que dar uma aula
[15:56] <DaianeT> depois uma palestra falando sobre a sua linha de pesquisa/especialização
[15:57] <DaianeT> haverá dois eventos sociais (café da manhã e jantar) em que vão querer saber como vc é como pessoa (boa, ruim, chata)
[15:57] <DaianeT> Tudo muito sutil
[15:57] <DaianeT> selecionam 3 pessoas para a vaga
[15:57] <DaianeT> e o(a) chairwoman/ chairman decide quem vai.
[15:58] <DaianeT> Acho que não esqueci de nada...
[15:59] <DaianeT> Ah! Depois de contratado. Não há estabilidade
[15:59] <DaianeT> a cada semestre é uma surpresa.
[15:59] <sabrina> Essa carat de recomendação, no caso seria os lugares que você trabalhou anteriormente.Esse critério vale para qualquer área de ensino?
[15:59] <sabrina> carta desculpa
[15:59] <DaianeT> A carta de recomendação é pedido para QUALQUER trabalho.
[16:00] <sabrina> Ah sim.
[16:00] <DaianeT> QUALQUER coisa que fizer
[16:00] <DaianeT> é super importante
[16:00] <DaianeT> E, sim, geralmente se pede a carta para pessoas que conhecem o seu trabalho
[16:00] <DaianeT> e quanto mais importante a pessoa, melhor
[16:01] <Alexandre__> Okay pessoal, vou sair do chat porque tenho outro compromisso. Mas muito obrigado pela presença de todos. Até a proxima.
[16:01] <DaianeT> por exemplo, eu pedi todas as cartas para os chairmen do meu departamento
[16:01] <Elaine_> Abraço a todos
[16:01] <adelmaa> Agradecemos aos professores, Alexandre e Daiane, pela generosidade de nos conceder horas de seus preciosos tempo para nos ajudar a fazer esta rica reflexão sobre nossa área e sobre nossas
[16:01] <adelmaa> fantástico! Gostaria de convida a todos vocês para nos dar a honra de sua presença para a todos para o segundo evento do STIS deste mês dia 21 de outubro: Tema acessibidade á educação por pessoas surdas. Será fenomenal.
[16:01] <adelmaa> A todos os nossos participantes agradecemos pela suas presenças e interações através das perguntas. Esta é a maior razão do STIS: levar conhecimento de qualidade a todos! Divulguem nossa página no facebook. Compartilhe nosso ventos. https://www.facebook.com/stis.face?fref=ts
[16:01] <DaianeT> Obrigada a todos!
[16:01] <sabrina> Obrigada Alexandre e Daiane.
[16:01] <adelmaa> Aos que não puderam participar deste evento, não se preocupem pois as conferências estarão disponibilizadas na nossa página em breve. Aguardem!
[16:01] <Elaine_> Muito obrigada pelo evento!
[16:01] <sabrina> gostei muito pena que é pouco tempo.
[16:01] <etownsend> Obrigada a todos.
[16:02] <Alexandre__> Parabens pelo evento
[16:02] <Alexandre__> Ate a proxima
[16:02] <adelmaa> Clap Clap Clap Clap Clap CLap Clap CLap (betendo palmas virtuais)
[16:02] <adelmaa> Clap Clap Clap Clap Clap CLap Clap CLap
[16:02] <adelmaa> Clap Clap Clap Clap Clap CLap Clap CLap
[16:02] <adelmaa> Clap Clap Clap Clap Clap CLap Clap CLap
[16:02] <Alexandre__> hehehehehe
[16:02] <sabrina> clap clap clap
[16:02] <professora> palmas"!!!
[16:02] <Rose> Até a próxima
[16:03] <professora> Até a próxima!!
[16:03] <LG> parab'ens aos dois
[16:03] <adelmaa> Vejo vocês dia 21 de junho!
[16:03] <DaianeT> <3
[16:03] <LG> muito bom Daiane :)
[16:03] <lucasfm__> obrigado alexandre e daiane !!!!!!!!
[16:03] <DaianeT> Luis tá qui!
[16:03] <DaianeT> <3
[16:03] <DaianeT> Meu mentor!
[16:03] <adelmaa> esta aqui é uma de nossas convidadas: http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/08/professora-e-1-surda-defender-o-doutorado-no-estado-de-sao-paulo.html
[16:04] <LG> Não exagera Di
[16:04] <DaianeT> Nunca exagero!
[16:05] <adelmaa> Divulguem, pois n[ós professoras precisamso aprender muito sobre acessibilidade com ela. E a nossa segunda conferencistas vocês saberão na semana do evento.
[16:05] <adelmaa> ops precisamos.. nós...
[16:07] <adelmaa> Parabéns a todos! Obrigada pela presença. Nós do STIS sentimo-nos honrados com a presença de todos. Lembrem-se: este espaço é NOSSO!
[16:14] <adelmaa> Até 21 de outubro,minha gente!

 

Todos os trabalhos aqui publicados estão licenciados segundo a Creative Commons

Creative Commons TL Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Based on a work at Texto Livre.