Registro das Conferências em Chat

2019

13 de novembro - Mariana Furst

A importância da inovação no ensino e aprendizagem de alunos bilíngues

Por Mariana Furst – UCSB

13 de novembro de 2019 às 20h

Sala de Conferências do CILTEC

Coordenador e Moderador: Carlos Henrique Silva de Castro

Os slides podem ser acessados na sala de conferências

LOG

‎[19:53] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Boa noite, MarianaFurst!
‎[19:53] ‎<‎acris‎>‎ boa noite, MarianaFurst
‎[19:53] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Obrigado por aceitar nosso convite.
‎[19:53] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Boa noite, querido!
‎[19:54] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Boa noite, Mateus2000!
‎[19:54] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ <3
‎[19:54] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ É um enorme prazer estar aqui apresentando com vocês
‎[19:54] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Mais 7 minutinhos e começamos. Tô curioso. :)
‎[19:55] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ <3
‎[19:58] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Boa noite, eliane_mila!
‎[19:59] ‎<‎eliane_mila‎>‎ Boa noite Carlos
‎[19:59] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Boa noite, elaineteixeira!
‎[19:59] ‎<‎elaineteixeira‎>‎ Oieeee
‎[19:59] ‎<‎elaineteixeira‎>‎ boa noite!!!
‎[20:00] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ O código dos slides é 2019-Mariana , car@s congresssistas!
‎[20:00] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Mais um pouquinho e apresento a MarianaFurst :)
‎[20:02] ‎<‎elaineteixeira‎>‎ ok!
‎[20:04] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Boa noite, marinamorenass!
‎[20:04] ‎<‎marinamorenass‎>‎ Olá, Calos, querido!
‎[20:05] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ MarianaFurst, posso começar?
‎[20:05] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ sim
‎[20:06] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Car@s congressistas, o código para ver os slides da MarianaFurst é 2019-Mariana
‎[20:06] ‎<‎pedrojunior‎>‎ Boa noite! Obrigado!
‎[20:06] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Usem esse código no lado direito das suas telas.
‎[20:07] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Trazemos nesta conferência de encerramento do XIII CILTec a professora Mariana Furst
‎[20:08] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Sua conferência apresentar alguns resultados de seu estágio pós-doutoral na University of California in Santa Barbara
‎[20:08] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ O título da conferência é "A importância da inovação no ensino e aprendizagem de alunos bilíngues"
‎[20:08] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Mariana Furst é Visiting Scholar na University of California, Santa Barbara - UCSB, Pós-Doutora em Linguística do Texto e do Discurso pela Universidade Federal de Minas Gerais; Doutora em Linguística do Texto e do Discurso pela Universidade Federal de Minas Gerais;
‎[20:08] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Mestre em Linguística dos Gêneros e Tipos Textuais pela UFMG; e graduada em Letras, Português pela UFMG.
‎[20:09] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Pesquisadora do Grupo de Estudos da Oralidade e da Escrita (GEOE) da Faculdade de Letras da UFMG, certificado pelo CNPq, desde 2004.
‎[20:09] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Atuou como professora das disciplinas Português Para Estrangeiros e Leitura e Produção de Textos em Língua Portuguesa, na Faculdade de Letras da UFMG, de agosto de 2008 a fevereiro de 2014 e como coordenadora de tutores e monitores da mesma disciplina durante o ano de 2013. Na graduação atuou como professora de Língua Portuguesa,
‎[20:09] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Comunicação Empresarial e Metodologia Científica. Seu principal interesse é em produção de textos orais e escritos.
‎[20:09] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Professora Mariana Furst, seja muito bem-vinda a esta que também é sua casa.
‎[20:10] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ A partir de agora teremos 40 minutos de exposição e outros 20 minutos para debate.
‎[20:10] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Muito obrigada, Carlos e Ana!
‎[20:10] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Boa noite a todos!
‎[20:10] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ A palavra é toda sua, MarianaFurst!
‎[20:10] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Lembrando: o código para ver os slides da MarianaFurst é 2019-Mariana
‎[20:10] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Boa noite Carlos.Boa noite Profa.Mariana
‎[20:11] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Vocês não fazem a ideia do prazer que sinto por estar aqui compartilhando conhecimento com vocês
‎[20:11] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Hoje vou falar um pouco da pesquisa etnográfica desenvolvida em sala de aula de escola pública no condado de Santa Bárbara, Califórnia, Estados Unidos. A pesquisa em questão iniciou no dia 1º de março de 2016 e se estendeu até o dia 30 de junho de 2018.
‎[20:12] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ O que inicialmente era apenas uma pesquisa realizada a partir de observações de aulas de língua inglesa, análises de materiais didáticos e entrevistas com professores, com o tempo foi tomando uma dimensão maior.
‎[20:12] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Constatei que analisar as aulas e estratégias educacionais para o tratamento da linguagem oral nas escolas do condado de Santa Bárbara, não era suficiente para que se criasse um processo de intervenção no tratamento da linguagem oral nas aulas de língua. Observei, então, a necessidade de se entender um pouco mais sobre as diferenças
‎[20:12] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ culturais entre a educação americana e brasileira, além da necessidade de se realizar pesquisa etnográfica nas escolas em questão.
‎[20:13] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Exatamente durante esse período eu fui selecionada para lecionar uma disciplina de Sociolinguística para alunos bilíngues do último ano letivo do Ensino Médio em uma escola na cidade de Santa Bárbara
‎[20:13] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ e pude finalmente receber a autorização para criar atividades, filmar, fotografar, entrevistar, enfim, desenvolver a pesquisa da maneira que eu tanto almejava. Dessa forma, a pesquisa etnográfica e as atividades foram todas realizadas em sala de aula bilíngue do 3º ano do Ensino Médio,
‎[20:14] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ a disciplina lecionada em questão era a Sociolinguística, AVID (Advancement Via Individual Determination ) Class
‎[20:14] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Vocês podem estar estranhando o termo AVID
‎[20:15] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ São disciplinas que visam capacitar os alunos de alguma maneira específica
‎[20:15] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ No caso da minha em questão tinha como objetivo principal desenvolver as habilidades orais dos meus alunos a fim  de empoderá-los linguisticamente, para que além de serem inseridos no mercado de trabalho com um diferencial, por serem pessoas bilingues, estivessem motivados a cursar uma graduação.
‎[20:16] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Para que isso fosse possível era necessário desmistificar a ideia de que existe uma língua melhor do que a outra.
‎[20:16] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ A decisão de realizar a pesquisa nessa classe do 3º ano do Ensino Médio se deu predominantemente pelas características na turma em questão. Trata-se de uma turma bilíngue de imigrantes, alunos de diferentes culturas, com histórias escolares marcadas por dificuldade de aprendizagem e desfavorecidos economicamente.
‎[20:17] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Para melhor ilustrar esse aspecto, citarei a apresentação pessoal de uma aluna em nosso primeiro encontro.
‎[20:17] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Como se trata de uma turma bilíngue, alunos falantes de Língua Inglesa e Língua Espanhola, no primeiro dia de aula, entrei em sala de aula e me apresentei para a turma em minha Língua Nativa, Português, e logo depois fiz a minha apresentação em inglês, informei que em minha casa conversamos em português, pois acreditamos ser muito
‎[20:17] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ importante preservar a nossa cultura e língua nativa, logo após a minha apresentação eu pedi que cada um se apresentasse.
‎[20:18] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ A minha ideia com a minha apresentação em português era me aproximar dos alunos
‎[20:19] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Mostrar a eles que sou tão imigrante quanto eles
‎[20:19] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ e provavelmente temos muitas barreiras linguisticas em comum
‎[20:19] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Uma aluna teve uma crise de choro ao iniciar a sua apresentação e não conseguiu terminar. Ela me informou que não conseguia falar em público.
‎[20:20] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Preciso acrescentar um detalhe importante a esse contexto
‎[20:20] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Os meus alunos eram em sua grande maioria pertencentes ao DACA
‎[20:21] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Ou seja, filhos de imigrantes que vieram ainda pequenos morar aqui
‎[20:21] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Todos eles eram filhos de pais analfabetos ou de baxíssima escolarização
‎[20:22] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Ao longo do curso, os alunos dessa turma produziram várias apresentações orais que foram filmadas, em sua grande maioria, para que fossemos capazes de realizar uma comparação.
‎[20:22] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Ao final do curso todos os alunos fizeram uma apresentação oral, no Departamento de Educação da UCSB, de uma pesquisa que realizaram ao longo das aulas e receberam certificados de participação. A disciplina em questão faz parte do SKILLS Project (Escola, Crianças, Investigação sobre a Língua na Vida e na Sociedade) liderado pela Prof.
‎[20:22] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Dra. Jin Sook Lee do Departamento de Educação da UCSB (University of California, Santa Barbara) e possui nível de graduação, ou seja, é AVID Class (Advancement Via Individual Determination), portanto, os alunos que cursaram a disciplina em questão receberam crédito para o Ensino Superior em uma disciplina de linguística.
‎[20:23] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Conforme afirmei anteriormente, se trata de uma classe de alunos economicamente desfavorecidos e que se tornarão a primeira geração em suas famílias a cursar uma graduação.
‎[20:23] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Todos os fatos apresentados acima servem como exemplo dos aspectos que me levaram a optar por realizar essa pesquisa nessa sala de aula para investigar de que forma as oportunidades de aprendizagem foram discursivamente construídas por participantes – professora/pesquisadora e alunos – durante o ano escolar.
‎[20:24] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Na realização dessa pesquisa, explorei diferentes ângulos de análises para a produção e apresentação de casos expressivos, ou telling cases (Mitchell, 1984), representativos de como ações individuais são coordenadas com ações dos outros participantes em sala de aula. O primeiro desses ângulos analíticos possibilitou o exame dos
‎[20:24] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ processos discursivos de construção de “eventos interacionais em sala de aula”, conforme concebem Bloome e Bailey (1992). Essa análise focou nos momentos iniciais da construção da comunidade 3º ano do Ensino Médio bilíngue observada.
‎[20:24] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ O segundo ângulo analítico analisou como uma atividade proposta pela professora/pesquisadora foi discursivamente construída por uma aluna, que logo no primeiro encontro apresentou um enorme constrangimento e bloqueio em se apresentar oralmente na frente dos colegas de classe.
‎[20:25] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ A construção desse ângulo de análise também envolveu duas etapas: a primeira constituiu em identificar a perspectiva referencial (cf. Werstch, 1991), construída no plano coletivo da sala de aula, em consequência de suas interações entre os participantes.
‎[20:25] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ A segunda etapa envolveu o exame de como essa aluna realizou as tarefas que lhe foram propostas, redefinindo, nesse contexto, interacional, os papéis e relações, as demandas e expectativas, os direitos e os deveres que orientavam sua participação na classe.
‎[20:25] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Essa pesquisa consistiu de coleta de dados sistemática durante o período de um semestre letivo, mediante o minha atuação como professora e pesquisadora da turma estudada. Os dados foram coletados por meio de processo etnográfico, explorados para conduzir a análise conceitual da relação entre indivíduo e grupo e examinar as consequências
‎[20:25] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ dessa relação para a construção de oportunidades de aprendizagem em sala de aula.
‎[20:26] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Conforme informei anteriormente, meus alunos eram imigrantes bilíngues, de culturas diversas, com histórias escolares marcadas por dificuldade de aprendizagem e desfavorecidos economicamente.
‎[20:27] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Além de todas essas informações podemos acrescentar o fato de se sentirem inferiores e envergonhados por terem como língua materna uma língua diferente da língua dominante da região onde residem.
‎[20:28] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Não apenas a língua mas muitas vezes o tom de pele diferente, o comportamento etc
‎[20:28] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Empodera-los linguisticamente e mudar a mentalidade deles mostrando que ser bilingue pode abrir novas possibilidades na vida profissional exigia de mim muita inovação.
‎[20:29] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Inovação essa que vai além das tecnologias digitais, as aulas precisavam ser interessantes e envolventes.
‎[20:30] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Nos slides de 1 a 3 apresento um pouco do que eu busquei trabalhar com eles inicialmente
‎[20:30] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Foi exatamente partindo dessa constatação que eu decidi me apresentar inicialmente em Língua Portuguesa, minha língua materna, e explicar como a linguagem é em meu lar.
‎[20:30] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Todas as minhas aulas foram acompanhadas por alunos do curso de graduação em Educação da UCSB, pois esse acompanhamento faz parte das práticas de ensino por aqui.
‎[20:31] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Além de acompanhar, filmar e fotografar as aulas, esses alunos se revezavam discutindo os assuntos em pauta com a turma e muitas vezes se apresentando também.
‎[20:31] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Assim como os meus alunos, os meus estagiários eram imigrantes e tinham muito a acrescentar e a cooperar com a motivação da turma durante as aulas.
‎[@#evidosol-1][20:31] ‎<‎JoseIgnacio‎>‎ Parabéns, Mariana, pelo trabalho!
‎[20:32] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ As atividades foram todas realizadas de modo que além de tratarmos assuntos como o bilinguismo e Code switching, fizéssemos relação com as atividades realizadas em nosso dia a dia e como eles poderiam colaborar com a população e economia local usando o conhecimento linguístico e cultural deles.
‎[20:33] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Para quem não sabe, o code switching está relacionado ao uso de duas línguas no mesmo discurso
‎[20:33] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Dessa forma, eu mostrava a eles como eles eram úteis ao ajudar alguém que tinha dificuldade na língua inglesa
‎[20:34] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Muitas felez a língua materna deles era a salvação para muitas pessoas
‎[20:35] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Outro detalhe que deve ser observado é o de muitas vezes meus alunos eram os tradutores oficiais de suas famílias
‎[20:35] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Muitas famílias de imigrantes moram por aqui sem jamais aprender a língua inglesa
‎[20:35] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ o que torna o convívio social deles completamente limitado
‎[20:36] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Todo o aparato digital disponivel nas salas foram utilizados: notebooks, tabletes, vídeos, apresentações orais usando power points, entrevistas gravadas com a comunidade local e familiares.
‎[20:36] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Após todas as apresentações ponderações sobre o que poderia ser melhorado eram realizadas, não apenas pela professora/pesquisadora, mas pela turma como um todo. A formatação da sala der aula também era sempre modificada, em alguns momentos em pequenos grupos e em outros em um grande círculo a fim de que todos aproveitassem ao máximo as
‎[20:36] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ discussões.
‎[20:37] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ No slide 6 postei uma foto da sala de aula em questão
‎[20:38] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Antecipo que tenho autorizações assinadas por meus alunos e respectivos pais para utilizar as imagens e vídeos realizados durante a pesquisa
‎[20:39] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Utilizavamos as gravações das apresentações como parâmetro para o melhoramento da performance  da apresentação seguinte
‎[20:41] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ A partir de agora vamos falar um pouco da construção de oportunidade de aprendizagem
‎[20:41] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ conforme mostra o slide 8
‎[20:41] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Analisar a visão cotextualizada de aprendizagem tem consequências para a compreensão de como as oportunidades de aprendizagem são discursivamente realizadas em sala de aula. Segundo Tuyay, Jennings e Dixon (1995) as oportunidades de aprendizagem  são produzidas nas conversas dos participantes da turma (professora, alunos) por meio do discurso
‎[20:41] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ oral e escrito, “enquanto eles se envolvem na compreensão e negocição das demandas e expectativas, papéis e relações, direitos e obrigações para realizar as atividades de sala de aula.
‎[20:42] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Um fato importante a ser ressaltado é o fato dos alunos terem se reconhecido como uma classe em comum, imigrantes bilingues, mesmo que culturalmente e nacionalmente diferentes, e se ajudarem mutualmente durante os encontros.
‎[20:42] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Sempre que assistiam as suas apresentações ou as apresentações dos amigos, algumas vezes gravadas, outras ao vivo, começavam a pensar em como melhorar a performance. Comecei a perceber que alguns alunos começaram a trocar de roupas ou até mesmo vestir um blazer antes das apresentações.
‎[20:43] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ A dinamica das aulas os motivava e eles pretendiam se apresentar como profissionais.
‎[20:43] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Anteriormente eu apresentei a situação de uma aluna que não conseguiu se apresentar oralmente em nosso primeiro encontro e chorou.
‎[20:43] ‎<‎MarianaFurst‎>‎  Após esse episódio eu tive uma conversa individual com ela e expliquei que ela deveria mais uma vez como seria a dinamica das aulas daquela sala e me disponibilizei a fazer atividades individuais com ela para ajudá-la.
‎[20:44] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Talvez por vergonha ela não tenha me procurado para conversar indiviualmente mais. Porém pude observar uma enorme colaboração das amigas de classe em seu desenvolvimento.
‎[20:44] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ No encontro seguinte iniciamos a aula fazendo uma brincadeira.
‎[20:45] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Como pode ser observado na foto do slide 7
‎[20:45] ‎<‎MarianaFurst‎>‎  A sala estava preparada em circulo e cada um deveria pensar em duas verdades e uma mentira sobre o seu uso individual da língua para falar no meio do grupo. O restante da turma deveria advinhar qual era a mentira.
‎[20:45] ‎<‎MarianaFurst‎>‎  A atividade foi elaborada pensando em cada um do grupo se conhecer melhor en quanto nos descontraíamos. Comecei a me apresentar primeiro e, após a turma advinhar a minha mentira, perguntei se alguém gostaria de se voluntariar.
‎[20:46] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Nesse momento foi surpreendida pela aluna em questão que levantou segurando fortemente a mão de uma colega de classe.
‎[20:46] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Ela não foi capaz de chegar ao centro do grupo, mas se apresentou com exito.
‎[20:47] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Uma grande conquita, não acham?
‎[20:47] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ As apresentações dela melhoraram muito ao longo do curso.
‎[20:48] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Algumas vezes ela pedia para deixa-la gravar um video da sua apresentação ao invés de apresentar ao vivo.
‎[20:48] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Permiti que isso acontecesse, até o momento em que ela se sentiu segura para apresentar.
‎[20:49] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Talvez por toda essa dificuldade inicial e pela vontade de superação
‎[20:49] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ essa foi uma das alunas que mais se desempenhou durante o ano letivo
‎[20:49] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ O sucesso de um projeto depende crucialmente do envolvimento dos profissionais comprometidos com curso.
‎[20:50] ‎<‎MarianaFurst‎>‎  A esses profissionais é que cabe perguntar:
‎[20:50] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ quem são os estudantes que temos em sala de aula?
‎[20:50] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ como trabalhar acreditando que todo aluno pode aprender a se desenvolver linguisticamente?
‎[20:51] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ que condições serão buscadas para garantir uma alfabetização de qualidade para todos?
‎[20:51] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Estou aberta para iniciarmos as discussões
‎[20:51] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Antes eu gostaria apenas de compartilhar com vocês as referencias bibliograficas
‎[@#evidosol-1][20:52] ‎<‎carlasobreira‎>‎ ☺
‎[20:52] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ BAKHTIN, Mikhail. Os generous do discurso. In: Estética da criação verbal. São
‎[20:52] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ 1992. p. 181-210.
‎[20:52] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Curriculares Nacionais: séries finais do Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 2008.
‎[20:52] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ experiments with culture. Boston: Beacon Press, 1989.
‎[20:52] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Analysis, learning, and social practice: a methodological study. Review of Research in Education, 1998.
‎[20:52] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ examination of education possibilities. In: MACIAS, R.; GARCIA, R. (Ed.). Changing schools for changing students: an anthology of research on language minorities. Linguistic Minority Research Institute, 1994.
‎[20:52] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ C. Classroom discourse and opportunities to learn: an ethnographic study of knowledge construction in a bilingual third grade classroom. Discourse Processes, 19 (1), p. 75-110, 1995.
‎[20:52] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Muito obrigado a todos!
‎[20:53] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Obrigado a vc. MarianaFurstr!
‎[20:53] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ só um minuto, gente
‎[20:53] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ ela ainda não consegue lê-los
‎[20:53] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Vou abrir o chat para todos
‎[20:54] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Prontinho
‎[20:54] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Quem tem questões e comentários, fique à vontade
‎[20:54] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ E peço que repitam os que o tentaram fazr com a sala moderada
‎[20:54] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ JoseIgnacio20:52:08Olá, Mariana! A princípio, parabéns pelo belíssimo trabalho desenvolvido.
‎[20:55] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ RenanCardozo20:52:59obrigado pela contribuição, professora.
‎[20:55] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Profa.Mariana code switching é o mesmo ques
‎[20:55] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ carlasobreira20:52:09Boa noite Profa.Mariana um.prazer participar de sua
‎[20:55] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Obrigada, José Ignacio!
‎[20:55] ‎<‎pedrojunior‎>‎ Parabéns pela apresentação, Mariana.
‎[20:55] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Situações de diglossia?
‎[20:56] ‎<‎carlasobreira‎>‎ é o mesmo que code switching?
‎[20:56] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Carla, code switching é quando você usa mais de uma língua para se comunicar
‎[20:56] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Entendo
‎[20:57] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Obg Profa.
‎[20:57] ‎<‎RenanCardozo‎>‎ obrigado pela contribuição, professora.
‎[20:57] ‎<‎cidaviegas‎>‎ Excelentes contibuições
‎[20:57] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Seria essa transfer`^encia de um idioma para outro
‎[20:58] ‎<‎AnaMatte‎>‎ Mariana, parabéns pelo belo trabalho e pela ótima apresentação!
‎[20:58] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Muito interessante e imagino que gratificante o trabalho feito.
‎[20:58] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Sim.Obg Profa.já entendi a diferença entre code
‎[20:58] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Quantas horas de gravação vc teve para analisar, MarianaFurst?
‎[20:58] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Switching e situações de diglossia
‎[20:59] ‎<‎eliane_mila‎>‎ Ótima apresentação. Parabéns
‎[20:59] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ pergunto por interesse etnográfico mesmo.
‎[20:59] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Assim quando você começa a falar em um idioma e de repente te falta o vocabulario naquela lingua e você resolve se expressar em outro idioma é um exemplo de code switching
‎[20:59] ‎<‎carlasobreira‎>‎ 😊
‎[20:59] ‎<‎Tailine_Aquino‎>‎ Eu acredito professora Mariana que tenha sido um grande desafio, mas muito prazeroso. É necessário que em salas bilíngues, os professores busquem novas metodologias em que possibilite aos alunos uma aprendizagem de qualidade e interativa.
‎[20:59] ‎<‎cidaviegas‎>‎ Entendo que o professor precisa conhecer bem seus alunos e trazer propostas para a sala de aula que os motivem a aprender
‎[21:00] ‎<‎JoseIgnacio‎>‎ Interessante...
‎[21:00] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Carlos, não sei exatamente te falar em números de horas, mas eu lecionava 3 vezes por semana em aulas de 1:30h durante 1 semestre
‎[21:00] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ e vc gravou tudo?
‎[21:01] ‎<‎cidaviegas‎>‎ buscar novas metodologias, usar mais as tecnologias, é um desafio para os professores
‎[21:01] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Uau!
‎[21:01] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Tudinho está gravado
‎[21:01] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Isso dá pesquisa para o resto da sua vida. hehehehe
‎[21:01] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Além de muitos papeis de textos produzidos por eles
‎[21:01] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Gostei muito dos métodos.
‎[21:01] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Sim
‎[21:01] ‎<‎AnaMatte‎>‎ :)
‎[21:02] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Eu já dei aula de oratória e fazia esses exercícios com vídeo e apresentações diversas tb.
‎[21:02] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Realmente foi muito gratificante
‎[21:02] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Isso é muito importante
‎[21:02] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Com alunos bilíngues com todas as questões postas, o desafio deve ter sido grande.
‎[21:02] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Parabéns pelo trabalho!
‎[21:03] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ O mais interessante é que assistindo aos colegas elas já mudavam posiscionamento para a próxima apresentação
‎[21:03] ‎<‎Tailine_Aquino‎>‎ Muito maravilhosa essa pesquisa. Fiquei encantada com sua dedicação e interesse em ajudar os alunos com seu conhecimento.
‎[21:03] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Desafio grande mais deliciosa
‎[21:03] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Obrigada, Tailine!
‎[21:04] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Fico pensando que o Brasil também tem muitos imigrantes e a proposta e a pesquisa também pode ser aplicada aí
‎[21:04] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Ah, sim
‎[21:04] ‎<‎Tailine_Aquino‎>‎ Exatamente profa Mariana!
‎[21:04] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Espero poder estimular vocès um pouquinho
‎[21:05] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Claro que sim.
‎[21:05] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ MarianaFurst, agradecemos mais uma vez sua presença na nossa cerimônia de encerramento.
‎[21:05] ‎<‎Tailine_Aquino‎>‎ Estimulou bastante:]
‎[21:05] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Ninguém precisa se sentir inferiorizado por seu idioma
‎[21:05] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Se alguém tem alguma última  questão, fique à vontade.
‎[21:05] ‎<‎Tailine_Aquino‎>‎ Novos idiomas só tem a agregar o conhecimento.
‎[21:05] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Carlos, eu é que agradeço a você e a Ana pelo convite
‎[21:06] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Obg.Profa Mariana😊
‎[21:06] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Obrigada a vocês
‎[21:06] ‎<‎AnaMatte‎>‎ Muito obrigada, Mariana! é muito gostoso ver que seu caminho está sendo tão produtivo e gratificante. Parabéns!
‎[21:06] ‎<‎AnaMatte‎>‎ clap clap clap clap clap clap clap
‎[21:06] ‎<‎pedrojunior‎>‎ Obrigado!
‎[21:06] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Combinamos tomar uma horinha do seu tempo, MarianaFurst. Então, fique à vontade.
‎[21:06] ‎<‎carlasobreira‎>‎ Clap clap clap clap
‎[21:06] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Clap! Clap! Clap!
‎[21:06] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Vou compartilhar meu email, caso tenham alguma dúvida
‎[21:06] ‎<‎AnaMatte‎>‎ clap clap clap clap clap clap clap
‎[21:07] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ nanafurst@gmail.com
‎[21:07] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ ;D
‎[21:07] ‎<‎AnaMatte‎>‎ clap clap clap clap clap clap clap
‎[21:08] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Agradeço a todos que estiveram presentes nesses 3 dias de evento.
‎[21:08] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ A discussão foi de excelente qualidade.
‎[21:08] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Humildes no tamanho e orçamento, mas conseguimos dialogar bem.
‎[21:08] ‎<‎cidaviegas‎>‎ clap clap clap clap clap clap clap
‎[21:08] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Muitíssimo obrigado a todos, sobretudo à acris!
‎[21:09] ‎<‎Tailine_Aquino‎>‎ Infelizmente, eu só consegui participar hoje, mas me sinto muito feliz por ter aprendido algo novo. Agradeço!
‎[21:09] ‎<‎acris‎>‎ imagina, obrigada a você, à Mariana e a todos os presentes!
‎[21:09] ‎<‎CarlosCastro‎>‎ Para fins de certificação, as interações nos fóruns estarão abertas até a madrugada de sexta para sábado.
‎[21:09] ‎<‎MarianaFurst‎>‎ Um grande abraço a todos