Submissão de Trabalhos

1. Para submeter seu trabalho, é necessário estar cadastrado na plataforma (clique em Acessar, no canto superior direito desta tela ou qualquer outra deste evento) e inscrever-se na edição atual do evento (pelo link de auto inscrição que aparece na categoria EVIDOSOL ou na rodinha no canto superior à direita). Preencha os campos em branco e clique no botão para confirmar seu pedido e pronto. 

2. Para submeter seu artigo, uma vez que sua inscrição já esteja pronta, clique em Acrescentar Item logo abaixo e preencha os campos solicitados.

3. Para verificar o parecer do seu artigo e sua nota, veja os comentários deixados no rodapé do artigo. Para apresentação, o mínimo necessário é de 70 pontos.

  Título:

INCLUSÃO DIGITAL NA CAMADA ADULTA: OS DISCURSOS DOS/NOS LETRAMENTOS

Autores:  Cristiane Lilian Ferreira da Silva
Resumo:  

Com o advento da tecnologia digital na maioria das casas e em todas as instituições estatais, assim como no mercado, presenciamos um movimento em que novas formas de leitura e interação social, têm sido desenvolvidas. Com isso, as inúmeras instituições sociais, inclusive o Estado, tem propagado e fomentado a inclusão digital, uma vez que tem sido disseminada a ideia de que fazer parte da cibercultura parece ser sinônimo de sucesso, inteligência e crescimento, principalmente econômico. Trata-se de assunto considerado vital, tanto que uma das competências do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) contempla a política nacional de inclusão digital, do qual o enfoque principal é o desenvolvimento de “serviços públicos relevantes para o desenvolvimento do país” (retirado do site do MCTIC). Tem-se então, a prerrogativa de que promover as TICs e alargar o que é conhecido como inclusão digital irá viabilizar uma evolução entendida como positiva do país. Com base na teoria da Análise do Discurso de linha francesa, consideramos a materialidade da linguagem como aquela que possui duplo aspecto: o linguístico e o histórico, os quais são indissociáveis no processo de produção do sujeito do discurso (ORLANDI, 2000, p. 209). Sabendo que o meio virtual contempla a linguagem escrita como forma principal de interação e interlocução e considerando que os letramentos são sempre perpassados pela ideologia, destacamos, a partir de Tfouni (2002), que a escrita é o produto cultural por excelência e carrega em si valores e sentidos que determinada coletividade e sujeitos consideram como adequados em certo recorte de tempo e espaço (STREET, 1984), motivo pelo qual vemos a pertinência do estudo dos discursos e dizeres que emergem dos documentos públicos e em que medida as políticas públicas influenciam as práticas sociais, segundo objetivos especificamente traçados. A partir dessa interface teórica – Novos Estudos de Letramento (NEL) e Análise do Discurso francesa (AD) –, nosso intento é estudar, na presente pesquisa de mestrado, os sentidos dos termos “analfabeto”, “alfabetizado e “letrado” em documentos oficiais e/ou projetos sociais desenvolvidos no município de São José do Rio Preto-SP, e problematizar o letramento digital como um “instrumento” de inclusão social para a camada adulta brasileira. De modo específico, visamos: (i) caracterizar os conceitos de “analfabeto”, “alfabetizado” e “letrado”, segundo aspectos linguístico-discursivos; (ii) situar os conceitos em relação à heterogeneidade da língua e do discurso; e (iii) refletir sobre o letramento digital na camada adulta brasileira como um “processo” de inclusão social.


LEIA Artigo Completo em PDF:  Documento PDF cristiane_resumo expandido evidosol.pdf
Trilha Principal:  Inclusão digital
Trilha Opcional:  Educação e Tecnologias
Área do conhecimento (CNPq):
Instituição:  UNESP-IBILCE
Palavras-Chave:   Letramento digital, Análise do discurso, Camada adulta.
Mesa (1): Michel Ferreira dos Reis
Mesa (2): Marilane de Abreu Lima Miranda
Código:

  

Aprovado terça, 16 out 2018, 16:45

Código: