ANFITEATRO

  Título:

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE E VERIFICAÇÃO DA VIDA DE PRATELEIRA DE QUEIJO MINAS ARTESANAL FRESCAL

Autores: Belisa Eduarda Crabbis, Fernanda Freitas Pereira, Geovana Gabriele da Silva, Ianka Maris Carvalho dos Santos, Alan Kardec de Souza, Bruno Martins Dala Paula
Resumo:

O queijo minas artesanal frescal consiste em uma tipologia de queijo característico da região mineira e apresenta um alto consumo entre a população brasileira. No presente trabalho foram analisadas quatro diferentes amostras de queijos com o objetivo de avaliar o teor de umidade dessas e verificar por meio de observações seu prazo estimado para consumo. Feito as análises, foi possível verificar o teor de umidade em todas as amostras, de acordo com a classificação para queijo minas artesanal frescal com muita alta umidade. Durante o período de observação, pode-se perceber formação de cor amarela, intensificação de aroma azedo e característico de queijo.

LEIA Artigo Completo em PDF: Documento PDF UEADSL artigo queijo.pdf
Anexos:

PERFIL DOS AUTORES: Belisa CrabbisFernanda Freitas PereiraGeovana GabrieleIanka MarisBruno Dala Paula

 

 

Área do Conhecimento: Nutrição
Categoria principal:



Teorias Aplicadas
Categorias Específicas: Alimentos
Bromatologia
Qualidade
Instituição: UNIFAL - MG
Palavras-Chave:
Mesa (1): Bruno Martins Dala Paula
Mesa (2): Bruna Evelyn Paschoal Silva - UFPEL
Mesa (3):

Adorou este trabalho? Que tal indicá-lo para receber Menção Honrosa? Clique aqui para ir à página de votação.

Aprovado terça, 5 jun 2018, 17:19

Código: Bruno-04

Comentários

  • Imagem de Geovana GabrieleGeovana Gabriele - sex, 29 jun 2018, 17:34
    Olá Bruno! Agradeço pelo elogio ao trabalho. Acredito que deva ser estabelecida uma regulamentação maior nos quesitos de rotulagem relacionadas ao queijo minas artesanal frescal, pois muitos nem consistem essa informação em sua embalagem e o consumidor fica sem essas informações necessárias sobre o produto. Mas, em grande maioria, os que apresentam a validação na embalagem ela se encontra de forma bem discreta que não chama atenção do consumidor, além disso há o fato de que muitos retiram os queijos da embalagens, onde contém essa informação, e as guardam em outro recipiente. Desse modo, penso que os consumidores devem se atencionar mais a essa informação, e consumir o produto em um período mínimo de tempo, já que esse valor não é consolidadamente estabelecido e caso perceba qualquer alteração de odor ou na coloração pode ser que o produto esteja passível de contaminação e o consumo não é mais recomendado.
  • Imagem de Geovana GabrieleGeovana Gabriele - sex, 29 jun 2018, 17:38
    Olá Renata, obrigada por se posicionar! Dentre os queijos que analisamos, alguns apresentaram informação e outros não. Porém, como mencionei no comentário anterior, as embalagens são removidas posteriormente ao ato da compra o que dificulta o controle sobre a validação do produto. Nós tínhamos apenas um com a data de fabricação e validade constada, pois os outros ou não possuíam ou a embalagem foi descartada.
  • Imagem de Geovana GabrieleGeovana Gabriele - sex, 29 jun 2018, 17:47
    Olá Clara, agradeço pelo elogio. Em relação a esses fatores organolépticos mencionados foi criado uma tabela padrão onde foi possível colocar as características. As amostras foram analisadas em um mesmo horário em todos os dias para que tivesse uma homogeneidade na análise. A análise foi sensorial, onde as pesquisadoras juntamente com uma técnica puderam verificar todas essas características. Desse modo, por ser analisada pelas mesmas pessoas em todos os dias diminui-se o erro experimental relacionado a subjetividade.
  • Imagem de Ianka MarisIanka Maris - sex, 29 jun 2018, 18:07
    Olá Vivian, muito obrigada pelo elogio! Foram observadas todos os dias, portando retirados da refrigeração diariamente. Entretanto o tempo de análise era curto e o queijo não foi manipulado ou entrou em contato com outros tipos de objetos além do recipiente que o continha. Assim, não ocorre contaminação microbiana e por consequência não altera o tempo de consumo do queijo, em relação à esse quesito. Porém pode ocorrer a contaminação por fungos, visto que para esse processo acontecer basta ter contato com o ar. Dessa forma conclui-se que a exposição do queijo pode diminuir o tempo de consumo caso ocorra alguma alteração por microorganismos. Espero que tenha ficado claro, qualquer coisa estamos aqui para esclarecer mais dúvida!
  • Imagem de Belisa CrabbisBelisa Crabbis - sex, 29 jun 2018, 19:05
    Olá Milena, obrigada pelo elogio. Não podemos dizer exatamente o motivo de apenas o Q1 apresentar fungos no final de 13 dias, mas podemos levar em consideração que cada amostra escolhida foi produzida em um local diferente, e isso pode ter influenciado.
  • Imagem de Belisa CrabbisBelisa Crabbis - sex, 29 jun 2018, 19:08
    Obrigada pelos elogios Monique, e concordo plenamente com você.
  • Imagem de Belisa CrabbisBelisa Crabbis - sex, 29 jun 2018, 19:09
    Muito obrigada Larissa.
  • Imagem de Mariana AmaralMariana Amaral - sex, 29 jun 2018, 19:15
    Gostaria de parabenizá-las pelo trabalho, possui uma linguagem simples e objetiva além de ser de fácil entendimento. Sobre os resultados observei que cada amostra obteve um resultado diferente, qual fator poderia estar relacionado com essa diferença? Todas as amostras foram adquiridas de um mesmo fornecedor?
  • Imagem de Fernanda Freitas PereiraFernanda Freitas Pereira - sex, 29 jun 2018, 19:57
    Olá Mariana, muito obrigada pelo elogio! As amostras foram obtidas a partir de diferentes fornecedores locais. Outro fator que contribuiu para os resultados desiguais se deve a forma de preparo e manuseio realizado em cada amostra, visto que essas apresentavam diferentes teor de umidade entre si. Visualmente já foi possível observar alguns aspectos como presença de líquidos (soro e água) em algumas amostras, o que pode ser um possível fator para resultados diferentes.
  • Imagem de José Adauto de Carvalho JúniorJosé Adauto de Carvalho Júnior - sex, 29 jun 2018, 21:43
    Curioso, .
  • Imagem de Fernanda Freitas PereiraFernanda Freitas Pereira - sex, 29 jun 2018, 21:47
    Olá Marcel, obrigada pelo elogio! Em relação a diferença do valor nutricional, o teor de umidade corresponde ao conteúdo de água presente na amostra, sendo assim alimentos que contém menor valor de umidade estão mais concentrados em sólidos totais que correspondem aos nutrientes do alimento, portanto alimentos com menor teor de umidade estão mais concentrados em nutrientes. Mas em relação as amostras realizadas não houve uma grande variância da umidade entre elas, sendo que assim não há uma diferença nutricional significativa entre elas.
  • Imagem de Lívia MarquesLívia Marques - sex, 29 jun 2018, 22:34
    Adorei o artigo! Sempre foi da minha opinião a importância dos rótulos e acho que foi provada a importância no trabalho de vocês, ainda que estivesse dentro dos padrões, acho importante e de direito do consumidor ler e saber das informações gerais do alimento que será consumido. Parabéns!!
  • Imagem de Fernanda Freitas PereiraFernanda Freitas Pereira - sex, 29 jun 2018, 23:15
    Olá Lívia, muito obrigada pelas considerações!
  • Imagem de Pablo MaximianoPablo Maximiano - sex, 29 jun 2018, 23:41
    Parabéns pelo trabalho! Discussão muito bem feita, e de fácil compreensão. De fato, percebe-se que é de extrema importancia a necessidade de que haja rótulos com as informações que os orgãos fiscalizadores da produção alimenticia sugere, a fim de que o consumidor tenha conhecimento de informações que são de extrema importância!
  • Imagem de Geovana GabrieleGeovana Gabriele - seg, 2 jul 2018, 20:55
    Obrigada pelas considerações Pablo! Concordo com sua afirmação.