PALCOS DO EVIDOSOL/CILTEC-Online

DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli

 
Imagem de Comissão Organizadora do EVIDOSOL/CILTEC-Online
DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Comissão Organizadora do EVIDOSOL/CILTEC-Online - quinta, 15 nov 2018, 13:52
 

Título:

DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS

Autores: Fernanda Correa Silveira Galli
Resumo: 

Uma das questões inerentes às reflexões em torno da leitura, do ponto de vista teórico-metodológico discursivo, é a produção dos sentidos a partir da inscrição do sujeito-leitor em dada formação discursiva. Assim, falar de leitura é falar de um processo que pode ser considerado bastante complexo, já que envolve muito mais do que as habilidades da prática de leitura em si. No ato de ler, a ideologia é condição sine qua non: seu trabalho é produzir evidências, situar o indivíduo na relação imaginária com as condições de existência materiais e interpelá-lo em sujeito, pois é através da interpelação que o sujeito se inscreve como leitor e produz sentidos. Nessa apresentação, buscamos refletir sobre o modo como, pela memória discursiva, o sujeito-professor significa as concepções de livro, leitura e leitor em tempos de tecnologias digitais.

LEIA Artigo Completo em PDF: Documento PDF EVIDOSOL2018_Fernanda Galli.pdf
Trilha Principal: Linguagem e Tecnologia
Trilha Opcional: 
Área do conhecimento (CNPq):
Instituição: IBILCE/UNESP
Palavras-Chave:Leitura. Livro. Leitor. Discurso. Tecnologias digitais
Mesa (1):Marilane de Abreu Lima Miranda
Mesa (2):Maria Aparecida Viegas de Melo

Imagem de Marilane de Abreu Miranda
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Marilane de Abreu Miranda - sexta, 16 nov 2018, 19:24
 

O artigo “DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS” discute o funcionamento da memória discursiva, sob a perspectiva da Análise do discurso francesa  e a emergência das formações imaginárias e  reflete sobre o modo como, pela memória discursiva, o sujeito-professor significa as concepções de livro, leitura e leitor em tempos de tecnologias digitais. Para esta discussão, a autora coletou relatos de professores da educação infantil que participaram da “Oficina de leitura: formação de professores” que abordou conceitos como: o que é leitura?; qual a noção de leitura abordada na escola?; por que é “preciso” ler?; o que é ler na era da conex@o?; como abordar a importância da leitura para a (trans)formação social do sujeito-aluno, além de relatarem, também, sobre “Para você, o que é leitura?” e “Partindo dessa ideia de leitura, como você define o leitor? Na sua opinião, o que a pessoa precisa saber para ser um leitor?”. Diante dos dados obtidos pelos professores participantes da oficina, a autora conclui que oficinas como a analisada é um modo de não só de romper com as discursividades naturalizadas sobre a prática leitora, mas também de produzir “conhecimento sobre leitura e sobre sujeito-leitor que dê à escola uma sustentação sobre bases descritivas históricodiscursivas consistentes.


Imagem de Maria Aparecida Viegas de Melo
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Maria Aparecida Viegas de Melo - sábado, 17 nov 2018, 12:00
 

Inicialmente, damos às boas vindas à todxs neste fórum e que tenhamos momentos bastante profícuos.

O artigo intitulado " DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS” aponta questões relevantes e nesse contexto pontuo uma questão para refletirmos. Conforme afirma Pêcheux (1999, p.52), "a memória discursiva seria aquilo que, face a um texto que surge como acontecimento a ser lido, vem restabelecer os ‘implícitos' (quer dizer, mais tecnicamente, os pré-construídos, elementos citados e relatados, discursos- transversos, etc.) de que sua leitura necessita: a condição do legível em relação ao próprio legível." Nesse sentido, como o sujeito professor(a) em tempos de tecnologias digitais ressignificaria as concepções de livro, leitura e leitor?

Imagem de Fernanda Correa Silveira Galli
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Fernanda Correa Silveira Galli - segunda, 19 nov 2018, 20:05
 

Olá, Maria Aparecida!

Agradeço as suas considerações sobre meu artigo.

Sobre a sua questão - a saber: "como o sujeito professor(a) em tempos de tecnologias digitais ressignificaria as concepções de livro, leitura e leitor?" -, precisamos levar em conta a constituição heterogênea de cada sujeito-professor(a). Nesses termos, é pela memória discursiva que os sentidos emergem, no discurso desses sujeitos, muitas vezes em forma de pré-construídos (por exemplo: livro = clássicos/literatura; leitura = saber o que o texto/autor diz; leitor = o que lê livros), mesmo nas atuais condições de produção.

Levar o sujeito-professor(a) a refletir sobre isso (sobre seu próprio saber e fazer) pode ser produtivo, não?

Ficamos em contato!

Imagem de Maria Aparecida Viegas de Melo
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Maria Aparecida Viegas de Melo - quarta, 21 nov 2018, 14:39
 

Olá Fernanda!

Obrigada pela interação. Concordo com você, com certeza levar o professor a refetir é muito importante.

Abraço.

Imagem de Elizabeth Rolim
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Elizabeth Rolim - quarta, 21 nov 2018, 17:57
 

Boa tarde, Fernanda

Parabéns pelo trabalho discutindo a questão do sujeito-leitor e a construção do universo discursivo por meio das tecnologias. Obrigada por compartilhar sua análise do ponto de vista do fenômeno discursivo, vou procurar suas referências para conhecer mais desta proposta!


Imagem de Fernanda Correa Silveira Galli
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Fernanda Correa Silveira Galli - quarta, 21 nov 2018, 23:19
 

Obrigada, Elizabeth, pelos comentários e pelo interesse com relação ao tema.

Um abraço!

Imagem de Yeneit Delgado
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Yeneit Delgado - terça, 20 nov 2018, 19:57
 

Hola... Valoro altamente las consideraciones acerca del uso de términos como libro, lectura y lector, que más allá del formato o del contexto han de seguir existiendo en nuestra sociedad. Pienso que lo más importante es que no se pierda de vista que sigue siendo relevante que las nuevas generaciones lean y que no es lo mismo informarse a través de la lectura de un artículo en una revista que la lectura de una obra literaria clásica con toda la carga de historia, vivencias y la contribución al desarrollo de la imaginación del lector que esta representa. Considero que leer un libro, no importa si se lee impreso en papel o a través de la pantalla de una computadora o de un teléfono móvil, es una experiencia sumamente enriquecedora y que debemos por todos los medios inculcar esto en nuestros estudiantes.


Imagem de Fernanda Correa Silveira Galli
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Fernanda Correa Silveira Galli - terça, 20 nov 2018, 22:41
 

Olá, Yeneit!

Muito obrigada por suas colocações. Você tem razão: não podemos perder de vista a importância da leitura para a formação crítica dos nossos alunos. Desse modo, nosso papel, enquanto formadores, é incentivar a prática leitora, seja por meio dos clássicos ou de outros gêneros, no formato impresso ou virtual, na sala de aula ou fora dela. Através da leitura, podemos fomentar o questionamento, a interpretação, a criticidade, a abertura para os sentido, enfim, podemos proporcionar aos alunos a (trans)formação e o empoderamento.

Um abraço!

Imagem de Vânia Pereira Nascimento
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Vânia Pereira Nascimento - quarta, 21 nov 2018, 01:25
 

Olá, Fernanda! 

Parabéns pelo seu trabalho, as reflexões que ele nos possibilita fazer são muito produtivas neste momento em que debates sobre a influência e importância das tecnologias digitais nos processos de ensino-aprendizagem estão em grande evidência.

Ao ler seu texto, vieram-me os seguintes questionamentos:

a) Será que poderíamos pensar que o conflito instaurado no discurso dos professores sobre o benefício e malefício das tecnologias digitais para a prática de leitura (tornarem a leitura atraente versus serem obstáculo para a leitura tradicional) não se deve ao fato de que as leituras feitas em ambiente digital são, na maioria das vezes (ou pelo menos de forma mais corriqueira), aquelas não legitimadas pela escola – leitura de blogs, de textos divulgados em redes sociais, em sites - enquanto que a leitura sócio-historicamente legitimada pelo ambiente escolar é aquela dos livros literários, canonizados, que estão nas bibliotecas (o livro em texto-papel)? Dito de outro modo, poderíamos dizer que, com o advento das tecnologias digitais, os alunos leem mais porque estão constantemente acessando à internet, porém, não é uma leitura que a escola reconhece como “tradicional” devido ao seu conteúdo?

b) Seria possível depreender da reflexão feita a partir da questão “a” que a concepção-definição de leitura dos professores depende mais do conteúdo lido (a leitura que faz viajar, que permite conhecer outros mundos etc.) do que do formato do texto, se em papel, off-line (PDF) ou online? Se sim, poderíamos pensar que as concepções do sujeito-professor sobre leitura e leitor, por conta de sua constituição história, atravessada pela ideologia escolar (mais ainda do que pela ideologia da conexão em rede), não se altera mesmo em tempos de tecnologias digitais?

Abraço!


Imagem de Fernanda Correa Silveira Galli
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Fernanda Correa Silveira Galli - quarta, 21 nov 2018, 22:35
 

Olá, Vânia!

Muitíssimo obrigada pelos seus comentários. É tão bom ver o quanto as interações produzem reflexões ricas e frutíferas como as que temos tido nos fóruns deste evento.

Quanto aos seus questionamentos:

(a) certamente, os discursos dos professores trazem à tona aquilo que é canonizado e legitimado não apenas no ambiente escolar, mas também em contextos mais amplos (sociais, familiares, etc); nesses discursos, de fato, as leituras realizadas pelos/nos dispositivos tecnológicos parecem não ter reconhecimento enquanto prática social, ainda que a questão dos recursos tecnológicos no processo ensino-aprendizagem (ou, o letramento digital) esteja cada vez mais em debate no espaço escolar/acadêmico;

(b) parece que a concepção de leitura (e de leitor) que emerge nos discursos dos professores ainda está bastante colada na visão tradicional ensino, a qual privilegia não só o conteúdo (lido/decodificado), mas também o seu meio de circulação; diria, ainda, que os deslocamentos com relação à essa concepção legitimada sócio-historicamente poderiam ser esperados/possibilitados não só pela emergência das tecnologias digitais, mas, sobretudo, pela compreensão da noção de linguagem.

Um abraço!


Imagem de Vânia Pereira Nascimento
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Vânia Pereira Nascimento - quarta, 21 nov 2018, 22:47
 

Cara Fernanda,

Muito obrigada pelas respostas!


Imagem de Maria Socorro Lucena Lima
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Maria Socorro Lucena Lima - quarta, 21 nov 2018, 09:09
 

Parabéns pelo trabalho. A leitura crítica se constitui como um mecanismo importante no processo de ensino e aprendizagem, em que os indivíduos possam interpretar os sentidos e significados de diferentes textos trabalhados no âmbito escolar e pessoal, uma vez que o conhecimento não se reduz a mera informação, mas perpassa um trabalho analítico sobre o mesmo, mediante o viés interpretativo e as inferências provenientes dessa análise.

Imagem de Fernanda Correa Silveira Galli
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Fernanda Correa Silveira Galli - quarta, 21 nov 2018, 22:39
 

Obrigada, Maria Socorro, por suas observações. De fato, pensar e trabalhar a leitura sob uma perspectiva menos "engessada" nos possibilita um processo de ensino-aprendizagem mais profícuo e significativo. Um abraço!

Imagem de Paula Daniele Pavan
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Paula Daniele Pavan - quarta, 21 nov 2018, 10:43
 

Olá, Fernanda

Que lindo texto! Parabéns!!

Teu texto leva a pensar que se há esse imaginário de leitura instrument@l há, em decorrência, uma forma de autoria também pautada pela repetição dos sentidos já estabilizados, uma autoria que não mexe nas fileiras dos sentidos, apenas os repete porque já foram ditos e só é preciso recuperá-los, acessá-los...

O que achas?

Grande abraço!

Imagem de Fernanda Correa Silveira Galli
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Fernanda Correa Silveira Galli - quarta, 21 nov 2018, 23:07
 

Olá, Paulinha!

Muito bom te encontrar por aqui...

Obrigada pelas tuas considerações, as quais me levam a indagar, uma vez mais, sobre a tão propagada mudança no ensino (especialmente, nas práticas de leitura e de escrita) com a possibilidade de uso das tecnologias digitais. De fato, elas não garantem nada, o que vemos materializado nos dizeres cristalizados sobre leitura, dizeres esses que retornam pela repetição e, me parece, pelo não-deslocamento. Desse modo, tanto a noção de leitor quanto a de autor está também "pautada na repetição", no pré-construído; não há, portanto, ruptura. Há, na verdade, um efeito de "série" (cf. Achard), o qual é produzido por meio da repetição, da regularização.

Ficamos em contato...

Um abração!

Imagem de Paula Daniele Pavan
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Paula Daniele Pavan - quinta, 22 nov 2018, 17:25
 

Olá!!

Né?! Super feliz em novamente conversar contigo <3

Pois é, uma mudança apenas superficial, horizontal e não vertical, que não leva à apropriação (no sentido interpretativo) da tecnologia, mas apenas ao uso e ao acesso. É a memória metálica, se apresentando ainda como a Orlandi colocava em 1996, e a memória institucional, que não deixa outros sentidos emergirem.

Abraço carinhoso e seguimos conversando ;)

Imagem de Flávio Aparecido de Almeida
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Flávio Aparecido de Almeida - quarta, 21 nov 2018, 23:23
 

Boa Noite! Gostaria de parabenizar pelo trabalho, sabemos que é fundamental fomentar o desejo pela leitura, utilizando de diferentes recursos.

Imagem de Fernanda Correa Silveira Galli
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Fernanda Correa Silveira Galli - quinta, 22 nov 2018, 10:18
 

Obrigada, Flávio, pelos comentários e pelo interesse.

Abraço!

Imagem de Maria Aparecida Viegas de Melo
Re: DISCURSOS SOBRE LIVRO, LEITURA E LEITOR EM TEMPOS DE TECNOLOGIAS DIGITAIS - Fernanda Correa Silveira Galli
por Maria Aparecida Viegas de Melo - quinta, 22 nov 2018, 14:26
 

Olá a todxs!

Agradeço aos organizadores do evento, a autora do artigo e aos participantes pela interação neste fórum. 

Valeu!!!